Érico Veríssimo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Érico Veríssimo
Érico Veríssimo em 1940.
Nome completo Erico Lopes Verissimo
Nascimento 17 de dezembro de 1905
Cruz Alta, RS
Morte 28 de novembro de 1975 (69 anos)
Porto Alegre, RS
Nacionalidade  brasileiro
Parentesco Pai de Luis Fernando Verissimo
Ocupação escritor
tradutor
Magnum opus O Tempo e o Vento

Érico Lopes Veríssimo[nota 1] (Cruz Alta, 17 de dezembro de 1905Porto Alegre, 28 de novembro de 1975) foi um dos escritores brasileiros mais populares do século XX.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família e juventude[editar | editar código-fonte]

A casa da família de Érico em Cruz Alta (Rio Grande do Sul), hoje um museu da Fundação Érico Veríssimo.

De família abastada que se arruinou, Érico Veríssimo era filho do farmacêutico Sebastião Veríssimo da Fonseca (1880-1935) e da dona de casa Abegahy Lopes (dita "dona Bega"). Tinha um irmão mais novo, Ênio (1907), e uma irmã adotiva, Maria.[1] Quando tinha quatro anos de idade, Érico Veríssimo ficou gravemente doente e, após ser levado a vários médicos, foi finalmente diagnosticado com meningite complicada com broncopneumonia pelo médico Olinto de Oliveira, cujo tratamento salvou sua vida. Durante sua infância, estudou no Colégio Venâncio Aires, em Cruz Alta, onde foi um aluno comportado e quieto, frequentava o cinema e observava o pai trabalhando. Por volta de 1914, com quase dez anos, Érico criou uma "revista", Caricatura, na qual fazia desenhos e escrevia pequenas notas.[2]

Aos treze anos, Érico já lia autores nacionais, como Aluísio Azevedo e Joaquim Manoel de Macedo, e estrangeiros, como Walter Scott, Émile Zola e Fiódor Dostoiévski. Em 1920, ele foi matriculado no extinto Colégio Cruzeiro do Sul (hoje Colégio IPA), um internato de orientação protestante de Porto Alegre, deixando sua namorada Vânia em Cruz Alta. No novo colégio, Veríssimo foi por muito tempo o primeiro aluno de sua turma, embora tivesse aversão à matemática.[1] Em seu último ano letivo, o jovem Érico chegou a sofrer de claustrofobia e de pesadelos. Em dezembro de 1922, terminados os estudos de Veríssimo, seus pais se separaram; as diferenças do casal eram notáveis: Sebastião era um homem gastador e mulherengo e dona Bega, uma mulher econômica e mais reclusa. Érico, sua mãe e seus irmãos passaram então a morar na casa dos avós maternos. Deprimido e endividado, o pai perdeu a propriedade da farmácia. No ano seguinte, Érico empregou-se como balconista no armazém do tio Américo Lopes e, depois, no Banco Nacional do Comércio. Durante esse tempo, transcrevia obras de Euclides da Cunha e de Machado de Assis, dentre outros escritores, e tomou gosto pela música lírica. Também aprofundou mais ainda a leitura de escritores nacionais e estrangeiros. Em 1924, para que o irmão Ênio pudesse frequentar o ginásio, a família mudou-se para a capital gaúcha, mas retornou a Cruz Alta após um ano de extrema dificuldade financeira.[2] Em 1926, Érico se tornou sócio da Farmácia Central, junto com um amigo de seu pai, mas o novo empreendimento faliu em 1930, deixando uma dívida que só conseguiria liquidar dezessete anos depois. Além de farmacêutico, Érico também trabalhou como professor de literatura e língua inglesa à época.

Em 1927, Veríssimo conheceu sua futura esposa, Mafalda Halfen Volpe, então com quinze anos, e os dois ficaram noivos em 1929. Nesse mesmo ano, publicou-se o primeiro texto de Veríssimo: Chico: um Conto de Natal, na revista mensal "Cruz Alta em Revista". Em seguida, seu amigo Manuelito de Ornelas enviou os contos Ladrão de Gado e A Tragédia dum Homem Gordo à revista do Globo. E o jornal Correio do Povo publicou o conto A Lâmpada Mágica.[3]

Década de 1930[editar | editar código-fonte]

Livraria e Editora Globo em Porto Alegre, onde Érico trabalhou e publicou suas obras.

Em uma manhã de outubro de 1930, Érico despediu-se de seu pai Sebastião, que, engajado na Revolução de 1930, resolveu mudar-se para Santa Catarina. Foi a última vez que se viram.

Desempregado após a falência de sua farmácia, Érico mudou-se novamente para Porto Alegre, em dezembro de 1930, disposto a viver de seus escritos. Mafalda, sua noiva, permaneceu em Cruz Alta. Veríssimo então foi contratado como secretário de redação da Revista do Globo e, em seu tempo livre, encontrava-se com intelectuais da época, como Mário Quintana e Augusto Meyer, no bar Antonello, no centro da capital.[1]

Em 1931, Érico regressa a Cruz Alta, para se casar com Mafalda Volpe, e os dois passam a morar em Porto Alegre, onde Érico havia obtido certa estabilidade financeira. Eles tiveram dois filhos: Clarissa Verissimo (1935) e o também escritor Luis Fernando Verissimo (1936). O casamento deles foi bastante feliz, e Érico escreveu mais tarde que, sem a paciência e o bom-senso da esposa, sua carreira de escritor teria sido impossível.

Para complementar o orçamento da Revista do Globo, Veríssimo começou a traduzir livros do inglês para o português. A primeira tradução foi da obra O Sineiro (The Ringer), de Edgar Wallace. Além de traduzir, passou a colaborar para as edições dominicais dos jornais Diário de Notícias e Correio do Povo. Promovido a diretor da Revista do Globo em 1932, Érico começou a indicar mais livros estrangeiros para tradução e publicação. No mesmo ano, ele publica sua obra de estreia, Fantoches, uma coletânea de contos, em sua maioria na forma de pequenas peças de teatro. Contudo, as vendas do livro não foram boas, e um incêndio destruiu o local ondem estavam armazenados os exemplares restantes.

Em 1933, Érico Veríssimo traduziu o célebre livro Contraponto (Point Counter Point), de Aldous Huxley, e publicou seu primeiro romance: Clarissa, cujos sete mil exemplares foram vendidos em cinco anos. Seu segundo romance, Caminhos Cruzados, publicado em 1935, chegou a ser considerado subversivo pela Igreja Católica e pelo Departamento de Ordem Pública e Social, levando Érico a ser interrogado pela polícia a respeito de sua orientação política.

Em 1936, Érico publicou dois romances que foram continuações de Clarissa: Música ao Longe, pelo qual ganhou o Prêmio Machado de Assis, e Um Lugar ao Sol.[1] Além disso, ele criou, na Rádio Farroupilha, um programa infantil, O Clube dos Três Porquinhos, que saiu do ar quando o Estado Novo estava prestes a submetê-lo ao departamento de censura.

Em 1938, Érico Veríssimo publicou sua primeira obra de repercussão nacional e internacional, Olhai os Lírios do Campo, que foi traduzido do inglês ao indonésio.

Cquote1.svg Posso afirmar que só depois do aparecimento de Olhai os Lírios do Campo é que pude fazer profissão da literatura. Cquote2.svg
Érico Veríssimo

Érico então assumiu a função de conselheiro literário da Editora do Globo, selecionando, ao lado de Henrique Bertaso, mais escritores estrangeiros (Thomas Mann, Virginia Woolf, Balzac, entre outros) para serem traduzidos e participando da criação as coleções Nobel e Biblioteca do Séculos, que foram grandes sucessos.

Década de 1940[editar | editar código-fonte]

Em 1940, depois do sucesso Olhai os Lírios do Campo, Érico Veríssimo publicou Saga, considerado pelo próprio autor como seu pior romance.

Em 1941, Érico Veríssimo morou por três meses nos Estados Unidos para proferir conferências, em uma estada financiada pelo Departamento de Estado como parte da Política da Boa Vizinhança, do governo de Franklin Roosevelt. De volta ao Brasil, ele presenciou um incidente real que o inspirou a escrever seu livro seguinte: em um passeio pela Rua da Praia com seu irmão, Érico testemunhou a queda de uma mulher do alto de um prédio. Dois anos depois, publicou o romance O Resto É Silêncio,[2] cujo ponto de partida é o suicídio de uma mulher que se atira de um edifício. O livro recebeu fortes críticas do clero.

Em 1943, ele se mudou com a família para os Estados Unidos novamente a convite do Departamento de Estado, desta vez para uma estada de dois anos, durante os quais ministrou aulas de Literatura Brasileira na Universidade da Califórnia em Berkeley. Sobre essas viagens ao exterior, Érico escreveu dois livros: Gato preto em campo de neve (1941) e A volta do gato preto (1947). Érico também aceitara o convite de trabalhar nos Estados Unidos porque discordava das políticas da ditadura de Getúlio Vargas.

Foi a partir 1947 que Érico Veríssimo começou a escrever sua obra-prima, a trilogia O Tempo e o Vento. A ideia inicial do escritor era reunir duzentos anos da história do Rio Grande do Sul (1745 a 1945) em um único volume; todavia, no final, ele escreveu três volumes, totalizando 2,2 mil páginas. O primeiro volume, O Continente, foi publicado em 1949 e marca o momento mais importante da carreira de Veríssimo. De O Continente saíram alguns personagens primordiais e bastante populares entre seus leitores, como Ana Terra e o Capitão Rodrigo Cambará.

Década de 1950[editar | editar código-fonte]

Em 1950, na praia de Torres, Érico Veríssimo começou a escrever o segundo volume de O Tempo e o Vento, intitulado O Retrato, publicado no ano seguinte. Foi descrito por Érico como literariamente inferior ao O Continente. Em 1952, novamente em Torres, Érico tentou escrever o terceiro e último volume da trilogia, mas acaba publicando Noite em 1954, o qual fez mais sucesso no exterior. No mesmo ano, é agraciado com o prêmio Machado de Assis, pela Academia Brasileira de Letras.[2]

Entre 1953 e 1956, Érico voltou a residir nos Estados Unidos, para assumir a direção do Departamento de Assuntos Culturais da Organização dos Estados Americanos, em Washington. Neste cargo, ele havia sucedido Alceu Amoroso Lima. Nessa época, tentou de novo escrever a última parte de O Tempo e o Vento, sem sucesso. Antes de embarcar ao Brasil, Érico recebe a notícia de que sua filha está noiva de um americano, David Jaffe. Clarissa e David deram três netos à Veríssimo.

Em 1957, em Porto Alegre, Érico tenta mais uma vez escrever o último volume de O Tempo e o Vento, chamado O Arquipélago, mas acaba dando início a México, narrando sua viagem àquele país. Outra tentativa de finalizar O Arquipélago ocorre em janeiro de 1958, infrutífera. Em abril do mesmo ano, ele relata ter sentido algum problema no coração.

Década de 1960 e 1970[editar | editar código-fonte]

Pôster de Érico Veríssimo em seus últimos anos.

Em 1961, Érico sofreu seu primeiro infarto do miocárdio. Após um repouso absoluto, volta a trabalhar na obra O Arquipélago. Quando decide viajar à Grécia com a esposa em 1962, Érico entrega O Arquipélago pronto para ser publicado. No dia 12 de outubro de 1963, vítima de câncer de pulmão, faleceu a mãe de Érico, aos setenta e oito anos. No ano seguinte, Luis Fernando Verissimo, inesperadamente, casou-se com Lúcia Helena Massa, e eles também deram três netos a Veríssimo.

Em 1965, Érico publicou o romance O Senhor Embaixador, no qual refletia sobre os descaminhos da América Latina. Ganhou então o Prêmio Jabuti, na categoria romance, da Câmara Brasileira de Livros. Publica sua autobiografia em 1966, O Escritor diante do Espelho, que é ampliada mais tarde.

No romance Incidente em Antares, de 1971, Érico traçou um apanhado da história do Brasil desde os primeiros tempos e enveredou pelo fantástico, com uma rebelião de cadáveres durante uma greve de coveiros na fictícia cidade de Antares. Em 1972, na comemoração dos quarenta anos de lançamento de seu primeiro livro, Érico relançou Fantoches, com desenhos e notas de sua autoria.

Em 1973, publica o primeiro volume de Solo de Clarineta, sua segunda e ampliada autobiografia. O enfarte que vitimou Veríssimo em novembro de 1975 impediu-o de completar o segundo volume de sua autobiografia, programada para ser uma trilogia, além de um romance que se chamaria A Hora do Sétimo Anjo.[2] No ano seguinte, foi publicado postumamente o segundo volume de Solo de Clarineta, organizado por Flávio Loureiro Chaves.

Por ocasião do falecimento de Érico, Carlos Drummond de Andrade publicou o poema A falta de Erico Verissimo.

Obra[editar | editar código-fonte]

Os livros de Érico Veríssimo foram traduzidos para o alemão, espanhol, finlandês, francês, holandês, húngaro, indonésio, inglês, italiano, japonês, norueguês, polonês, romeno, russo, sueco e tcheco.

Contos[editar | editar código-fonte]

  • Fantoches
  • As mãos de meu filho
  • O ataque
  • Os devaneios do general
  • Chico

Romances[editar | editar código-fonte]

Novela[editar | editar código-fonte]

  • Noite (a publicação em Portugal contém ainda "A Sonata", uma pequena história sobre um solitário professor de música que se vê transportado ao passado, ao ano de seu nascimento, onde se apaixona por uma bela mulher) – 1954

Literatura infantojuvenil[editar | editar código-fonte]

Narrativas de viagens[editar | editar código-fonte]

Autobiografias[editar | editar código-fonte]

  • O escritor diante do espelho – 1966 (em "Ficção Completa")
  • Solo de clarineta – Memórias (1º volume) – 1973
  • Solo de clarineta – Memórias 2 – 1976 (ed. póstuma, organizada por Flávio L. Chaves)

Ensaios[editar | editar código-fonte]

  • Brazilian Literature – an Outline – 1945
  • Mundo velho sem porteira – 1973
  • Breve história da literatura brasileira – 1995 (tradução de Maria da Glória Bordini)

Biografia[editar | editar código-fonte]

  • Um certo Henrique Bertaso – 1972

Compilações[editar | editar código-fonte]

Suas obras foram compiladas em três ocasiões:

  • Obras de Erico Verissimo – 1956 (17 volumes)
  • Obras completas – 1961 (10 volumes)
  • Ficção completa – 1966 (5 volumes)

Traduções[editar | editar código-fonte]

Romances
Contos
  • Psicologia (Psychology), de Katherine Mansfield – 1939 (Revista do Globo)
  • Felicidade (Bliss), de Katherine Mansfield – 1940
  • O meu primeiro baile (Her First Ball), de Katherine Mansfield – 1940 (Revista do Globo)

Documentário sobre o autor[editar | editar código-fonte]

Adaptações de obras[editar | editar código-fonte]

Para o cinema[editar | editar código-fonte]

Para a televisão[editar | editar código-fonte]

Prêmios e títulos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Seu nome de registro foi grafado Erico Lopes Verissimo, sem os acentos nas proparoxítonas, em desacordo com as normas ortográficas. Pelo Formulário Ortográfico de 1943, em vigor no Brasil, a grafia dos nomes de pessoas já falecidas deve obedecer aos preceitos aplicados aos nomes comuns.

Referências

  1. a b c d e Érico Veríssimo. R7. Brasil Escola. Página visitada em 17 de dezembro de 2012.
  2. a b c d e Érico Veríssimo (em português). UOL - Educação. Página visitada em 17 de dezembro de 2012.
  3. Clic RBS - {{subst:Número2palavra2|100}} anos de Erico Verissimo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Érico Veríssimo
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Érico Veríssimo
Precedido por
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Personalidade Literária do Ano
1965
Sucedido por
Antonio Candido
Precedido por
José Candido de Carvalho
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Romance
1966
Sucedido por
José Mauro de Vasconcelos
Precedido por
Caio Prado Júnior
Intelectual do Ano (UBE)
1967
Sucedido por
Menotti Del Picchia