Petrópolis (Porto Alegre)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Petrópolis
—  Bairro do Brasil  —
Petrópolis Porto Alegre.JPG
Município Porto Alegre
Área
 - Total 333 hectares
População
 - Total 35,069 hab (2 000)
15,469 homens
19,600 mulheres
    • Densidade 105 hab/ha/km2 
Taxa de crescimento (-) 0,3% (de 1991 a 2000)
Domicílios 13.172
Rendimento médio mensal 20,37 salários mínimos
Fonte: Não disponível

Petrópolis é um bairro nobre da cidade brasileira de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. Foi criado pela Lei n.º 2.022, de 7 de dezembro de 1959.[1]

Histórico[2] [editar | editar código-fonte]

A origem do bairro Petrópolis remonta à década de 1920. Ocupado inicialmente por chácaras, cujas áreas eram tomadas por laranjais, o bairro desenvolveu-se a partir do eixo viário conhecido como Caminho do Meio, assim chamado por localizar-se entre duas outras estradas rurais que saíam de Porto Alegre em direção aos atuais municípios de Viamão e de Gravataí. Tal caminho, hoje, corresponde à Avenida Protásio Alves.

Com zonas de alta e baixa altitudes também, o bairro tornou-se famoso por seu clima ameno e por suas colinas verdejantes (uma área na qual se realizavam, ainda na década de 1930, manobras e exercícios militares). Foram esses aspectos naturais que atraíram setores de classe média em ascensão, responsáveis pela povoação do local. Em 1937, a criação da linha de bondes Petrópolis, pela Companhia Carris, teve o efeito de consolidar esta ocupação. Sérgio da Costa Franco salienta, contudo, que o bairro "tinha suas gradações: era modesto ... de um modo geral, em todas as áreas de baixa altitude, mas valorizado e até opulento ... em suas construções das áreas altas"[3] .

A origem da denominação do bairro é incerta. Supõe-se que tenha sido uma homenagem ao município fluminense de mesmo nome, por parte dos colonos alemães que já ocupavam a região desde o início do século. Dentre estes primeiros habitantes destaca-se a figura de Willing Kuss, proprietário de terras responsável por uma série de loteamentos que deram início ao processo de povoamento do Petrópolis.

Uma característica do bairro são os nomes de vias públicas que homenageiam municípios gaúchos. Vale lembrar as ruas Carazinho, Bagé, Taquara, Montenegro, Lajeado, entre outras. Até o fim da década de 1930, também as mulheres eram homenageadas: ruas eram chamadas de Dona Marta, Dona Paula, Dona Inês e Dona Adélia. Boa parte dos antigos nomes foi alterada, em 1939, substituindo-se as "donas" por generais, juristas e médicos. Os nomes femininos nas ruas, segundo Ary Veiga Sanhudo, representavam "a preponderância da presença da mulher na vida silenciosa das localidades perdidas e abandonadas"[4] . Alguns nomes, no entanto, permaneceram: é o caso das ruas Dona Eugênia, Dona Alice e Dona Lúcia.

A expansão do bairro foi concluída nas décadas de 40 e 50, quando o desenvolvimento urbanístico e o aumento populacional foram intensificados.

Características atuais[editar | editar código-fonte]

Porto Alegre vista dos altos do bairro Petrópolis.

Atualmente, Petrópolis é uma região independente do Centro da cidade, com um comércio ativo e variado que se estende ao longo da Avenida Protásio Alves.

Pontos de referência[editar | editar código-fonte]

Áreas verdes
  • Praça Adair Figueiredo
  • Praça André Forster
  • Praça Bonita
  • Praça Breno Vignoli
  • Praça Buri
  • Praça Dr. Milton Krause
  • Praça Nações Unidas
  • Praça Tamandaré
Educação
Clubes
Outros

Limites atuais[editar | editar código-fonte]

Rua Vicente da Fontoura, da esquina da Avenida Protásio Alves até encontrar a Avenida Ipiranga; desta (talvegue do arroio Dilúvio), em direção oeste-leste, até encontrar o ponto de convergência desta avenida com a Rua General Tibúrcio; desta, pela Rua Eça de Queiroz, Rua Itaboraí até a Rua Machado de Assis; desta, até a Rua Felizardo; e, por esta, até encontrar a Rua Felizardo Furtado; desta, até o limite norte com o Jardim Botânico; e, por este limite, sempre por uma linha reta, seca e imaginária, na direção oeste-leste, até encontrar a Avenida Cristiano Fischer; desta, até a Avenida Protásio Alves; desta, até a Avenida Carlos Gomes;, desta, até a Avenida Dr. Nilo Peçanha; desta, na direção leste-oeste, até a Avenida Nilópolis; desta, até a Rua Jaime Teles; e, por esta via pública, até a Rua Passo da Pátria; desta, até a Rua Vicente da Fontoura, até encontrar a Avenida Protásio Alves.[carece de fontes?]

Seus bairros vizinhos são: Santa Cecília, Jardim Botânico, Rio Branco, Bela Vista, Três Figueiras e Jardim do Salso.[carece de fontes?]

Moradores famosos[editar | editar código-fonte]

Referências

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • ÁVILA, Luciano. Histórico – Petrópolis.
  • QUEVEDO, Maria Augusta; RIOS, Renata Lerina Ferreira. Petrópolis. Porto Alegre: Unidade Editorial da Secretaria Municipal da Cultura, 2002 (Memória dos bairros, 13).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Petrópolis (Porto Alegre)