Sarandi (Porto Alegre)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sarandi
—  Bairro do Brasil  —
Sarandi bairro Porto Alegre.JPG
Município Porto Alegre
Área
 - Total 944 hectares
População
 - Total 91,366 hab (2 014)
31,978 homens
59,388 mulheres
    • Densidade 3.176,84 habitantes por km²/km2 
Taxa de crescimento (+) 5,0% (de 1991 a 2014)
Domicílios 55.173
Rendimento médio mensal 2,64 (R$ 1,810,00) salários mínimos
Subprefeitura Região Norte
Fonte: Não disponível

Sarandi é um bairro da zona norte da cidade brasileira de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. Foi criado pela Lei 2022 de 7 de dezembro de 1959.

Histórico[1] [editar | editar código-fonte]

Antigamente denominado "Várzea do Gravataí", o território que compreende o bairro fazia parte da sesmaria de Jerônimo de Ornelas Meneses de Vasconcelos. No século XIX, várias estâncias e chácaras se estabeleceram na região e, a partir do século XX, instalaram-se muitos moradores. Entre as décadas de 1940 e 1950, a prefeitura municipal iniciou o saneamento e o loteamento do Sarandi, já então um bairro popular, criando as vilas Meneghetti, Leão, Parque, Elizabeth e Minuano.

Em 2008, o Bairro Sarandi, recebeu a comitiva presidencial do ex-Presidente Luís Inácio Lula da Silva, juntamente com seus vereadores, senadores e deputados estatuais do Rio Grande do Sul. A então, Ministra das Minas e Energia, Dilma Rusself estava presente no local, ao lado da ex-governadora, Yeda Crusius.

Características atuais[editar | editar código-fonte]

Situado no extremo da zona norte de Porto Alegre, o bairro fica próximo das cidades de Canoas, Alvorada e Cachoeirinha.

Predominantemente residencial e muito populoso, o Sarandi é considerado um bairro de classe média baixa. Algumas vilas do bairro estão em processo de regularização. É o primeiro bairro acessível para pessoas que vêm da rodovia BR 290 (Freeway) em direção a Porto Alegre.

O bairro Sarandi abriga um grande centro de eventos culturais e um dos maiores teatros da América Latina: o Teatro do Sesi[2] , no Centro de Convenções da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs).

A população do bairro, étnica e religiosamente, é bastante heterogênea: a primeira igreja católica do Sarandi, a Igreja São José Operário, foi fundada em 1953, mas atualmente há também templos evangélicos e afro-descendentes.

Atualmente, o Bairro Sarandi é um dos bairros mais prósperos de Porto Alegre. Em menos de 10 anos, foi destaque por sua infraestrutura, imóveis, prédios, bancos e empresas nacionais localizadas em boa parte do bairro. Tem um dos maiores índices de educação, saúde e desenvolvimento de renda familiar da Capital.

Acredita-se que nos próximos anos, o bairro se torne maior e com seu poder adquisitivo de classe média.

Limites atuais[editar | editar código-fonte]

Partindo pelo talvegue do Arroio Mangueira, na Estrada Baltazar de Oliveira Garcia; dessa, por aquele curso d'água, até encontrar a Avenida Assis Brasil; desta, por uma linha reta, seca e imaginária rumo ao norte, até encontrar a linha imaginária que divide a zona suburbana da rural (Lei 770, de l3/l2/59); por esta, até a Avenida Assis Brasil, na altura da Estrada Bernardino Silveira Amorim; por esta estrada, até encontrar o Arroio Feijó; subindo pelo talvegue deste, novamente, até encontrar a Estrada Baltazar de Oliveira Garcia; e, finalmente, por esta, em direção ao centro, até encontrar o Arroio Mangueira.[3]

Lei de Limites de Bairros (2013-2014)[editar | editar código-fonte]

No relação ao Sarandi, o anteprojeto da chamada Lei de Limites de Bairros o Sarandi aumentaria consideravelmente de tamanho e ganharia uma enorme área que, atualmente é sem denominação. [4]

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]