João Gilberto Noll

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

João Gilberto Noll (Porto Alegre, 15 de abril de 1946) é um escritor brasileiro. Em 1992, escreve seu primeiro texto para teatro, "Quero Sim", Dirigida por Marcos Barreto e encenada por Luciano Souza(Ganhador do Sated RS de melhor ator) e Marco Beck.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Noll realizou o curso de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde foi colega de Caio Fernando Abreu, porém concluiu seus estudos na Faculdade Notre Dame do Rio de Janeiro. No Rio de Janeiro, ele trabalhou como jornalista e, em São Paulo, como revisor.

Em 1980, publicou o livro de contos O Cego e a Dançarina, pelo qual recebeu diversos prêmios, tais como revelação do ano, da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), ficção do ano, do Instituto Nacional do Livro, e o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro.

Um dos contos desse livro de estreia, Alguma coisa urgentemente, foi adaptado pelo cinema brasileiro sob o título Nunca fomos tão felizes, em 1983. Harmada, sob a direção de Maurice Capovilla em 2003, e Hotel Atlântico, direção de Suzana Amaral em 2009, também foram adaptados para o cinema.

O autor também foi selecionado para figurar no livro Os cem melhores contos brasileiros do século, em 2000.

Noll foi bolsista e professor convidado da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos. Também foi escritor residente no King's College, em Londres, em 2004. A partir de sua experiência na Inglaterra, ele escreveu o livro Lorde.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • O Cego e a Dançarina (1980) - Prêmio Jabuti/1981: categoria autor revelação / literatura adulta
  • A Fúria do Corpo (1981)
  • Bandoleiros (1985)
  • Rastros de Verão (1986)
  • Hotel Atlântico (1989)
  • O Quieto Animal da Esquina (1991)
  • Harmada (1993) - Prêmio Jabuti/1994: categoria romance
  • A Céu Aberto (1996) - Prêmio Jabuti/1997: categoria romance
  • Contos e Romances Reunidos (1997)
  • Canoas e Marolas (1999)
  • Berkeley em Bellagio (2002) - Finalista do Prêmio Portugal Telecom/2003
  • Mínimos Múltiplos Comuns (2003) - Prêmio Jabuti/2004: categoria contos e crônicas
  • Lorde (2004) - Prêmio Jabuti/2005: categoria romance
  • A Máquina do Ser (2006)
  • Acenos e Afagos (2008) - 2º lugar do Prêmio Portugal Telecom/2009
  • O nervo da noite (2009/juvenil)
  • Sou eu! (2009/juvenil)
  • Anjo das Ondas (2010)
  • Solidão Continental (2012)

Prêmio Jabuti[editar | editar código-fonte]

João Gilberto Noll já recebeu o Prêmio Jabuti em cinco ocasiões: 1981, 1994, 1997, 2004 e 2005.

Precedido por
Mário Leônidas Casanova
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Autor revelação - Literatura Adulta

1981
Sucedido por
Marilene Felinto
Precedido por
Rachel de Queiroz / João Silvério Trevisan / José J. Veiga / Moacyr Scliar / Silviano Santiago
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Romance

1994
Sucedido por
Jorge Amado / João Silvério Trevisan / José Roberto Torero
Precedido por
Ivan Ângelo / Rodrigo Lacerda / Carlos Heitor Cony
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Romance

1997
Sucedido por
Carlos Heitor Cony / Márcio Souza / Sérgio Sant'Anna

Enlaces[editar | editar código-fonte]

Site do escritor: http://www.joaogilbertonoll.com.br