Pardal Mallet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pardal Mallet Academia Brasileira de Letras
Nome completo João Carlos de Medeiros Pardal Mallet
Nascimento 9 de dezembro de 1864
Bagé
Morte 24 de novembro de 1894 (29 anos)
Caxambu
Nacionalidade  Brasileiro
Progenitores Pai: João Nepomuceno de Medeiros Mallet
Ocupação Jornalista e romancista

João Carlos de Medeiros Pardal Mallet (Bagé, 9 de dezembro de 1864Caxambu, 24 de novembro de 1894) foi jornalista e romancista brasileiro, patrono da cadeira número 30 da Academia Brasileira de Letras.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho do general João Nepomuceno de Medeiros Mallet e neto do marechal Emílio Mallet, patrono da artilharia do Exército, ambos participantes da Guerra do Paraguai.

Pardal Mallet foi um menino precoce, aprendendo a ler sozinho. Antes de completar dez anos, já ensaiava alguns escritos. Foi aluno exemplar, com certa inclinação para idiomas estrangeiros tendo aprendido na infância inglês e francês. Concluiu os estudos iniciais na sua terra natal mudando posteriormente para o Rio para ingressar na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Em 1884, interrompeu o curso porque um seu professor, o Visconde de Saboia, o ameaçou reprovar, caso não abandonasse suas ideias republicanas manifestadas em artigos publicados em jornais cariocas. Convicto de suas opiniões, abandonou definitivamente a faculdade para dedicar-se à literatura e ao jornalismo.

Mudou-se, ao que se consta, para São Paulo onde se matriculou na Faculdade de Direito de São Paulo e posteriormente se dirigiu para o Recife em cuja faculdade concluiu o curso. Na ocasião de receber o diploma, negou-se a prestar juramento, alegando ser republicano e nada dever aos mestres, que segundo ele, "jamais lhes ouvira a palavra". A situação desagradável foi contornada graças a Joaquim Nabuco, que o defendeu.

Durante sua estada em Pernambuco publicou os romances Hóspede e Meu Álbum, ambos de 1887. No ano seguinte sai o romance Lar.

De volta ao Rio de Janeiro, passou a frequentar as rodas boêmias tendo como companheiros Olavo Bilac, Raul Pompeia, Coelho Neto, Luís Murat, José do Patrocínio, Artur Azevedo, Émile Rouéde, Aluísio Azevedo e Paula Ney.

Fervoroso adepto das ideias republicanas, tornou-se redator-chefe, em 1888, do jornal A Cidade do Rio, de José do Patrocínio, mas no ano seguinte rompeu com o amigo e protetor alegando divergências políticas. Em 1889 teve sério litígio com Olavo Bilac, terminando a questão num duelo em que saiu ferido na barriga.[1] Entretanto, ambos depois se reconciliaram.

Com o advento da República, fez dura oposição ao governo do Marechal Floriano, fazendo parte da Revolta da Armada, acabando preso e desterrado em Tabatinga, no Amazonas em 1893. Decretada a anistia, voltou para o Rio de Janeiro. Antes dos 30 anos, morreu de tuberculose em Caxambu, onde tentara se recuperar inutilmente.

Hóspede e Lar foram reeditados em um só volume pela Academia Brasileira de Letras em 2008.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • 1887 Meu Álbum, contos
  • 1887 Hóspede, romance
  • 1888 Lar, romance, Rio de Janeiro, Typ. Central
  • 1889 A pandilha, costumes gaúchos
  • 1890 O Esqueleto, romance, (com Olavo Bilac)
  • 1894 Pelo divórcio, panfleto

Referências

  1. OS DUELOS DE OLAVO BILAC - Notas Biográficas Acessado em 5 de julho de 2011

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante de. Enciclopédia de literatura brasileira. São Paulo: Global.
Precedido por
Lorbeerkranz.png ABL - patrono da cadeira 30
Sucedido por
Pedro Rabelo
(fundador)