Alfredo Bosi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Abril de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Alfredo Bosi Academia Brasileira de Letras
Nascimento 26 de agosto de 1936 (78 anos)
São Paulo
Nacionalidade  Brasileiro

Alfredo Bosi (São Paulo, 26 de agosto de 1936) é um professor universitário, crítico e historiador de literatura brasileira, membro da Academia Brasileira de Letras.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendente de italianos, Bosi é filho de Teresa Meli, salernitana, e Alfredo Bosi. Depois de graduar-se em Letras Neolatinas pela Universidade de São Paulo (USP), em 1960, recebeu uma bolsa para estudar na Itália, onde permaneceu por dois anos, na cidade de Florença.

De volta ao Brasil, tornou-se professor de língua e literatura italiana na USP, cargo que ocupou por dez anos.

Em 1964, escreveu a tese A Narrativa de Pirandello. Seis anos mais tarde, defendeu livre-docência com a tese Mito e Poesia em Leopardi.

Embora fosse professor de Literatura Italiana, Bosi sentia-se dividido por causa de seu grande interesse pela literatura brasileira, que o levou a escrever os livros Pré-Modernismo (1966) e História Concisa da Literatura Brasileira (1970). Em 1972, Bosi decidiu-se pelo ensino de literatura brasileira no Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

Foi vice-diretor do IEA - Instituto de Estudos Avançados da USP - de 1987 a 1997, ano em que passou, a partir do mês de dezembro, a ocupar o cargo de diretor. Entre outras atividades no IEA, coordenou o Programa Educação para a Cidadania (1991-96), integrou a comissão coordenadora da Cátedra Simón Bolívar (convênio entre a USP e a Fundação Memorial da América Latina), coordenou a Comissão de Defesa da Universidade Pública (1998) e presidiu a Comissão de Ética da USP (2000-04). Bosi é também editor da revista Estudos Avançados desde 1989.

Em 2003 foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira 12.

É casado com a psicóloga social, escritora e professora do Instituto de Psicologia da USP Ecléa Bosi, com quem tem dois filhos, José Alfredo, professor de Economia, e Viviana Bosi, atual professora do Departamento de Teoria Literária da FFLCH/USP.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • O pré-modernismo (Editora Cultrix, 1966);
  • História concisa da literatura brasileira (Cultrix, 1970 – 44ª ed., 2007;
  • Historia Concisa de la Literatura Brasileña, Fondo de Cultura Económica, México (1983 – 2ª ed., 2001);
  • O conto brasileiro contemporâneo (Cultrix, 1975 – 14ª ed., 2002);
  • As letras na Primeira República em O Brasil republicano (Difel, 1977);
  • O ser e o tempo da poesia (Cultrix, 1977; 6ª.ed., Companhia das Letras, 2000; Prêmio Associação Paulista dos Críticos de Arte 1978);
  • Reflexões sobre a arte (Editora Ática, 1985 – 7ª ed., 2002);
  • Céu, inferno (Ática, 1988; 34 Letras, 2004);
  • Dialética da colonização (Companhia das Letras, 1992 – 4ª ed., com posfácio, 2001; Culture Brésilienne. Une Dialectique de la Colonisation, Paris, L'Harmattan, 2000; Cultura Brasileña. Una dilectictica de la colonizacion, Salamanca, Ed. Universidad de Salamanca, 2005);
  • O tempo e os tempos em Tempo e história (Companhia das Letras, 1992);
  • Leitura de poesia (org. e apres., Ática, 1996);
  • Machado de Assis: O enigma do olhar (Ática, 1999; 4ª Edição, 2007);
  • Machado de Assis (Publifolha, 2002);
  • Literatura e resistência (Companhia das Letras, 2002).
  • Brás Cubas em três versões (Companhia das Letras, 2006).
  • Ideologia e Contraidelogia (Companhia das Letras, 2010).

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Lorbeerkranz.png Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras em 20 de março de 2003, ocupando a cadeira 12.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Lucas Moreira Neves
Lorbeerkranz.png ABL - cadeira 12
2003 — atualidade
Sucedido por