Giuseppe Ungaretti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Giuseppe Ungaretti
Giuseppe Ungaretti jovem soldado
Nome completo Giuseppe Ungaretti
Nascimento 10 de fevereiro de 1888
Egito Alexandria
Morte 2 de junho de 1970 (82 anos)
Itália Milão
Nacionalidade  Itáliana
Ocupação escritor e poeta
Principais trabalhos La guerra,1947
Poesie disperse (1915-1927), 1959

Vita d'un uomo. Tutte le poesie, 1969

Gênero literário Hermetismo

Giuseppe Ungaretti (Alexandria, 8 de fevereiro de 1888Milão, 2 de junho de 1970) foi um poeta italiano. Foi professor da Universidade de São Paulo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

De pais italianos, Ungaretti nasceu no Egito, para onde sua família se havia mudado temporariamente porque o pai trabalhou na construção do canal de Suez. Estudou por dois anos na Sorbonne de Paris e colaborou con Giovanni Papini y Ardengo Soffici na revista "Lacerba". Em 1914 voltou à Italia e se engajou voluntariamente como soldado na Primeira Guerra Mundial, com o objetivo de compartilhar o destino de seus contemporâneos. Combateu na província de Trieste, na frente do Carso, uma das mais duras durante a Guerra, e em seguida na França.

A juventude[editar | editar código-fonte]

Em 1916 publicou em italiano o conjunto de poemas Il porto sepolto, onde reflete suas experiências na guerra, onde encontrou a parte mais sofrida da humanidade, a da dor cotidiana; em 1919 publica uma segunda obra chamada Allegria di naufragi, onde mostra uma poesia nova, afastada da retórica e do barroquismo de Gabriele D'Annunzio.

Durante sua estada em Paris, Ungaretti conviveu com o filósofo Henri Bergson. Suas principais leituras no período foram Leopardi, Baudelaire e Nietzsche.

Anos 1930-1940[editar | editar código-fonte]

No período entre-guerras colaborou assiduamente com revistas e trabalhou como profesor de línguas. Seu primeiro emprego fixo foi no Brasil, entre 1936 e 1942, quando deu aulas de italiano na Universidade de São Paulo. Também neste período, sofreu a perda de seu filho de 9 anos.

Ainda durante a Segunda Guerra Mundial, voltou à Itália onde, em função de sua fama como poeta, foi nomeado em 1942 professor da Universidade de Roma, posto em que se manteve até 1958.

A evolução artística de Ungaretti segue un itinerário que vai da paisagem à humanidade, à revelação religiosa, ao impacto do contato com a poderosa natureza brasileira, à dor pela morte de seu filho e ao retorno a Roma durante a Segunda Guerra Mundial. Estes dois últimos acontecimentos são a origen de sua obra Il dolore, publicada en 1947. Através do desespero, o poeta descobre a responsabilidade humana e a fragilidade de suas ambições. Ungaretti, em meio ao pessimismo com que contempla a trágica condição humana, encontra uma mensagem de esperança para os homens.

Anos 1960[editar | editar código-fonte]

Os últimos vinte e cinco anos de sua vida representam um exame crítico do passado e traduzem uma forte ânsia de renovação.

Pouco antes de morrer, Mondadori organizou uma coletânea com todas as suas poesias, intitulada Vita di un uomo. Pode-se perceber, pelo título, como a poesia de Ungaretti é amplamente autobiográfica. Apesar de não poder ser considerado um membro oficial da escola hermética italiana, é considerado um dos seus fundadores e inspiradores principais. Dela fizeram parte importantes poetas italianos, como Eugenio Montale e Salvatore Quasimodo.

Morreu em Milão em 2 de junho de 1970.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • "Il porto sepolto" (1916)
  • "Allegria di naufragi" (1919)
  • "La guerre" (1919)
  • "L'allegria" (1931)
  • "Sentimento del tempo" (1933)
  • "Traduzioni" (1936)
  • "Poesie disperse" (1945)
  • "Il dolore" (1947)
  • "La terra promessa" (1950)
  • "Un grido e paesaggi" (1952)
  • "Il taccuino del vecchio" (1960)
  • "Vita di un uomo" (obra poética completa, 1969)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.