Lafayette Rodrigues Pereira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lafayette Rodrigues Pereira Academia Brasileira de Letras
Nascimento 28 de março de 1834
Queluz Minas Gerais
Morte 29 de Janeiro de 1917 (82 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Jurista, proprietário rural, advogado, jornalista e político

Lafayette Rodrigues Pereira, o conselheiro Lafayette (Queluz, Minas Gerais, 28 de março de 1834Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 1917), foi um jurista, proprietário rural, advogado, jornalista e político brasileiro.

Foi primeiro-ministro do Brasil, de 24 de maio de 1883 a 6 de junho de 1884. Destacou-se por suas obras de direito denominadas Direito de Família e Direito das Coisas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu no município atualmente chamado de Conselheiro Lafaiete que então se chamava Queluz. Era filho do barão de Pouso Alegre, Antônio Rodrigues Pereira, e da baronesa Clara Lima Rodrigues.

Completos os estudos primários e secundários, partiu para São Paulo, matriculando-se na Faculdade de Direito em 1853. Como está registrado no ofício enviado pelo diretor da Faculdade, dr. Manuel Joaquim do Amaral Gurgel, ao ministro do Império, conselheiro Luís Pedreira do Couto Ferraz, Lafayette era o melhor estudante da turma, na qual figurava, entre outros nomes, o de Paulino José Soares de Sousa.

Ao chegar ao terceiro ano do curso, foi escolhido presidente efetivo do Ensaio Filosófico, colaborando na revista dessa associação.

Ao término dos estudos, em 1857, com vinte e tres anos, partiu para Ouro Preto, onde foi promotor público. Porém, no ano seguinte, já havia se mudado para a capital do Império. Foi trabalhar a princípio nos escritórios de advocacia de Andrade Figueira e Teixeira de Freitas.

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Durante seu tempo de advocacia e política, dedicou-se também ao jornalismo.

Fundou, com Pedro Luís e Flávio Farnese, o "Atualidade", jornal em que escreveu excelentes artigos, de 1858 a 1860. Esse órgão da imprensa carioca distinguiu-se entre os demais por sua feição política e literária e por adiantado liberalismo.

Nos anos seguintes, foi redator dos jornais "Le Brésil", "A Opinião Liberal" (1866), "Diário do Povo" (1866) e "A República" (de 1870 a 1874).

Atividades políticas[editar | editar código-fonte]

Exerceu a presidência das províncias do Ceará (1864-65) e a do Maranhão (1865-66).

Envolvimento com republicanos[editar | editar código-fonte]

Em 1868, o visconde de Itaboraí ascendeu ao Conselho da Coroa, fato que determinou novos rumos no cenário político brasileiro. Uma facção dos antigos Progressistas e dos Liberais históricos passou a buscar a solução da República.

Em 3 de dezembro de 1870 foi publicado no primeiro número do jornal "A República" o Manifesto Republicano redigido por Quintino Bocaiuva. Lafayette era a esse tempo o redator do jornal "A República" e aparecia como um dos seus signatários. Tendo já sido presidente das províncias do Ceará e Maranhão, Lafayette era um dos mais importantes signatários do documento. Posteriormente, afirmou que não tinha assinado pessoalmente o Manifesto Republicano, tendo apenas comparecido a uma primeira reunião em que assentaram as bases para criação do Clube Republicano. Entretanto, nesta mesma reunião, foi aclamado secretário da nova agremiação política.

Alinhamento com a monarquia[editar | editar código-fonte]

Em 1878, Lafayette aceitou ser ministro de Justiça do gabinete Sinimbu. Como era conhecido por suas simpatias republicanas, a sua atitude contraditória foi criticada no Senado e na Câmara. Lafayette defendeu-se explicando as razões pelas quais aceitou fazer parte do Ministério. Nesse episódio político, como em outros posteriores, Lafayette reafirmou-se, nas suas réplicas, como formidável orador e ironista incomparável.

O gabinete Sinimbu com Lafayette como ministro da Justiça começou a governar em 5 de Janeiro de 1878.

Em 1879, o eleitorado mineiro colocou o seu nome na lista tríplice em que D. Pedro II deveria escolher um senador. Embora não fosse o mais votado da lista, o imperador escolheu o ministro Lafayette, vindo a sua nomeação em 22 de novembro de 1879. Lafayette "escorregava para cima", diziam os adversários políticos.

Presidente do Conselho de Ministros[editar | editar código-fonte]

Em 24 de maio de 1883, a convite do Imperador, o senador Lafayette organizou o seguinte gabinete no qual ele era o presidente do Conselho (Primeiro-ministro) e ministro da Fazenda:

O gabinete Lafayette teve duração de um ano e doze dias, e foi marcado, sobretudo, por fatos da chamada questão militar, pela qual o ministro da Guerra, Rodrigues Júnior, foi obrigado a afastar-se do cargo.

Em 6 de junho de 1884, o gabinete Lafayette foi substituído pelo gabinete Dantas. Lafayette passou então a servir ao Brasil em outros setores: como senador, conselheiro de Estado, diplomata e, sobretudo, grande jurista e escritor que sempre fora.

Atividades diplomáticas[editar | editar código-fonte]

Em 1885 foi nomeado ministro em missão especial no Chile, para servir de árbitro nas reclamações italianas, inglesas e francesas motivadas pela Guerra do Pacífico entre o Chile, de um lado, e o Peru e a Bolívia, do outro.

Em 1889, foi de novo acreditado ministro em missão especial, de parceria com Amaral Valente e Salvador de Mendonça, na delegação do Brasil à primeira Conferência Internacional Americana. Abandonou o posto em 17 de novembro de 1889 por não aceitar a renovação dos seus poderes pelo Governo Provisório da República recém-proclamada. Deixou, dessa forma, de assinar os atos finais que criaram a União Internacional das Repúblicas Americanas, depois União Panamericana.

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Devido às suas obras de Direito, foi eleito em 1908 para ocupar a cadeira 23 da Academia Brasileira de Letras, a qual tinha sido ocupada anteriormente por Machado de Assis.

Sua filha, Corina Lafayette, casou-se com José Bonifácio de Andrada e Silva, da família do Patriarca da Independência, e que se tornaria um importante diplomata brasileiro.

Morreu em 1917. Suas cinzas foram levadas para repousar ao lado dos restos mortais de seus pais, sepultados na igreja matriz de Nossa Senhora da Conceição, localizada na praça Barão de Queluz, centro de Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais.

Referências Bilbiográficas[editar | editar código-fonte]

  • VAMPRÉ, Spencer. Memórias para a historia da Academia de São Paulo: 2ªed., Brasilia, INL, Conselho Nacional de Cultura, 1977.

Obras[editar | editar código-fonte]

As suas obras denominadas Direito de Família e Direito das Coisas tornaram-se clássicos do estudo de Direito no Brasil, tendo sido utilizadas por várias gerações de estudantes.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Vicente Alves de Paula Pessoa
Presidente da província do Ceará
1864 — 1865
Sucedido por
Francisco Inácio Marcondes Homem de Melo
Precedido por
José Caetano Vaz Júnior
Presidente da província do Maranhão
1865 — 1866
Sucedido por
Miguel Joaquim Aires do Nascimento
Precedido por
Francisco Januário da Gama Cerqueira
Ministro da Justiça do Brasil
1878 — 1880
Sucedido por
Sousa Dantas
Precedido por
João Lustosa da Cunha Paranaguá
Primeiro-ministro do Brasil
24 de maio de 1883 — 6 de junho de 1884
Sucedido por
Sousa Dantas
Precedido por
João Lustosa da Cunha Paranaguá
Ministro da Fazenda do Brasil
1883 — 1884
Sucedido por
Sousa Dantas
Precedido por
Machado de Assis
Lorbeerkranz.png ABL - segundo acadêmico da cadeira 23
1908 — 1917
Sucedido por
Alfredo Pujol


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.