Carvalho Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde agosto de 2009)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Carvalho Pinto
19.º Governador de São Paulo São Paulo
Período de governo 31 de janeiro de 1959
até 31 de janeiro de 1963
Antecessor(a) Jânio Quadros
Sucessor(a) Ademar de Barros
Ministro da Fazenda do Brasil Brasil
Período de governo 21 de junho de 1963
até 19 de dezembro de 1963
Antecessor(a) Antônio Balbino
Sucessor(a) Hélio Bicudo
Vida
Nascimento 15 de março de 1910
São Paulo,SP
Morte 21 de julho de 1987 (77 anos)
São Paulo,SP
Nacionalidade  brasileiro(a)
Dados pessoais
Primeira-dama Iolanda Carvalho Pinto
Partido Arena
Profissão Professor

Carlos Alberto Alves de Carvalho Pinto (São Paulo, 15 de março de 1910 — São Paulo, 21 de julho de 1987) foi um político brasileiro e 19º governador do estado de São Paulo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Virgílio de Carvalho Pinto e de Virgília Rodrigues Alves Carvalho Pinto, tendo sido casado com Iolanda Amaral de Carvalho Pinto, com quem teve três filhos.

Sobrinho-neto de Rodrigues Alves, presidente da república entre 1902 e 1906, Carvalho Pinto formou-se em direito em 1931 pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Professor de Ciências das Finanças na Faculdade Paulista de Direito e advogado da prefeitura de São Paulo, ao lado dos juristas Cássio Egídio de Queirós Aranha e Oswaldo Aranha Bandeira de Mello. Entre 1938 e 1945 foi assessor jurídico dos prefeitos Prestes Maia e Abraão Ribeiro. Nesse mesmo período foi professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, lecionando também Ciência das Finanças. Na década seguinte aproximou-se de Jânio Quadros e exerceu o cargo de Secretário das Finanças do município de São Paulo em 1953 e entre 1955 e 1958 foi Secretário da Fazenda quando Jânio governou o estado de São Paulo. Sua atuação administrativa o credenciou como candidato ao governo do estado em 1958, sendo eleito com o apoio da coligação formada por PDC, UDN, PTN, PR e PSB, com um total de 1.312.017 votos (51% dos votos válidos), derrotando as candidaturas de Ademar de Barros (PSP) e Auro Soares de Moura Andrade (PST).

Governador de São Paulo[editar | editar código-fonte]

Seu governo, que decorreu de 1959 a 1963, orientou-se pelas diretrizes delineadas no seu PAGE (Plano de Ação do Governo do Estado). Tendo como um de seus principais secretários Plínio de Arruda Sampaio, foi o primeiro governador a estabelecer um planejamento orçamentário dos vários setores da administração pública. Iniciou a construção da Usina Hidrelétrica de Urubupungá, projetou as usinas Mário Lopes Leão, de Promissão, Paraitinga-Paraibuna e Usina Hidrelétrica Governador Pedro Viriato Parigot de Souza, de Capivari.

Além disso, realizou obras na Usina Hidrelétrica de Limoeiro, Usina Hidrelétrica de Euclides da Cunha, Usina Hidrelétrica Barra Bonita, Usina Hidroelétrica Armando Avellanal Laydner, Usina Hidrelétrica de Bariri, Usina Hidrelétrica de Caconde (originalmente chamada Graminha) e Usina Hidrelétrica de Chavantes. Criou a Universidade de Campinas, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e a Faculdade de Medicina de Botucatu, posteriormente incorporada à UNESP.

Ministro e Senador[editar | editar código-fonte]

Findo o seu mandato de governador, foi ministro da Fazenda durante a fase presidencialista do governo João Goulart, em 1963. Exerceu a função por poucos meses, não resistindo à pressão dos radicais que cercavam o presidente.

Instaurado o Regime Militar ingressou na ARENA e foi eleito senador da República por São Paulo em 1966, sendo derrotado por Orestes Quércia do MDB ao tentar a reeleição em 1974. Após a derrota no pleito, afastou-se definitivamente da vida pública.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Jânio Quadros
Governador de São Paulo
19591963
Sucedido por
Ademar de Barros
Precedido por
Francisco Clementino de San Tiago Dantas
Ministro da Fazenda do Brasil
1963
Sucedido por
Ney Neves Galvão
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.