Paulo Egydio Martins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde janeiro de 2013)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paulo Egydio Martins
24.º Governador de São Paulo São Paulo
Período de governo 15 de março de 1975
até 15 de março de 1979
Antecessor(a) Laudo Natel
Sucessor(a) Paulo Maluf
Ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil Brasil
Período de governo 13 de janeiro de 1966
até 15 de março de 1967
Antecessor(a) Daniel Agostinho Faraco
Sucessor(a) Macedo Soares
Ministro do Trabalho do Brasil Brasil
Período de governo 18 de julho de 1966
até 1 de agosto de 1966
Antecessor(a) Walter Barcelos
Sucessor(a) Gonzaga Nascimento
Vida
Nascimento 2 de maio de 1928 (86 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade  brasileiro(a)
Dados pessoais
Cônjuge Brasília Martins
Partido PSDB (atualmente)
Profissão Empresário

Paulo Egydio Martins (São Paulo, 2 de maio de 1928) é um empresário brasileiro, funcionário público e político.

Formou-se pela Escola Nacional de Engenharia da Universidade do Brasil (atual UFRJ), no Rio de Janeiro, em 1951. Foi superintendente do Departamento de Engenharia e depois, gerente geral da Byington & Cia. Iniciou sua carreira pública na esfera federal, quando foi ministro da Indústria e Comércio do governo do presidente Humberto Castelo Branco. Era grande acionista do Banco Comind e atualmente é diretor-presidente da Itaucorp S.A.

Governo[editar | editar código-fonte]

Paulo Egydio foi o décimo-segundo governador do estado de São Paulo, eleito indiretamente durante o governo de Ernesto Geisel, pelo então colégio eleitoral.

Enfrentou, logo no início de sua gestão, as epidemias de meningite meningocócica e de encefalite, a primeira, na região metropolitana da Grande São Paulo e, a segunda, no Litoral Sul, vencendo-as com sucesso.

Foi no governo de Paulo Egydio que o jornalista Vladimir Herzog, diretor de jornalismo da TV Cultura, canal de televisão da Fundação Padre Anchieta e vinculada ao governo do estado, foi assassinado por integrantes de organizações da ditadura militar brasileira, em 1975. Seu secretário de Cultura, José Mindlin, afastou-se do governo pouco tempo depois desse episódio. A violenta repressão a uma manifestação estudantil da PUC, em 1977, sob as ordens do coronel Erasmo Dias, também foi outro episódio autoritário de sua gestão.

Durante seu governo, Paulo Egydio inaugurou obras viárias importantes, como a Rodovia dos Bandeirantes e a pista ascendente da Rodovia dos Imigrantes. Paulo Egídio também foi responsável pela assinatura do acordo entre o Ministério da Aeronáutica e o governo do estado em 4 de maio de 1976, que mais tarde ergueria o Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos, na década de 1980.

Na área de saneamento básico, Paulo Egydio realizou o maior plano de saneamento básico do país de até então: através da Sabesp, dobrou a capacidade de tratamento de água na região metropolitana de São Paulo, aumentando a cobertura de atendimento de água em regiões onde o serviço ainda não estava disponível e diminuiu a mortalidade infantil. Paulo Egydio também estimulou a Sabesp a aumentar a quantidade de municípios do interior e litoral atendidos pela empresa em serviços de água e esgotos, garantindo maiores padrões de qualidade à população e a garantia de um melhor atendimento ambiental para estes municípios, muitos deles carentes. Uma frase marcante foi "Minha maior obra será enterrada e o povo não se lembrará".

Na área da saúde, Paulo Egydio construiu, no conjunto do Hospital das Clínicas da USP, o prédio dos ambulatórios, o Instituto do Coração e o Instituto da Criança, bem como 67 laboratórios de pesquisa. Construiu o Hospital Universitário do Butantã e o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto.

Na área de educação, inaugurou a Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Não conseguiu emplacar seu candidato, o prefeito Olavo Setúbal, para a sucessão no governo estadual. Acabou transmitindo o cargo para Paulo Maluf.

Tendo integrado a Aliança Renovadora Nacional, o Partido Popular e o Partido do Movimento Democrático Brasileiro, atualmente se encontra filiado ao PSDB. Lançou, em 2007, sua autobiografia, intitulada Paulo Egydio Conta e editada pela Fundação Getúlio Vargas, com base nos depoimentos dados ao Centro de Documentação da mesma instituição.

Paulo Egydio construiu a rodovia que liga R. Dutra a Campos do Jordao, construiu a rodovia que sai da estrada Velha Campos do Jordao / S J dos Campos ao Sul de Minas, passando por Sao Bento do Sapucai, construiu o Auditorio Claudio Santoro,(A empresa responsavel foi a CONSTRUBASE) em Campos do Jordao.Estas duas últimas obras foram inauguradas pelo sucessor, mas foi ele que construi integralmente.

Precedido por
Daniel Agostinho Faraco
Ministro da Indústria e Comércio do Brasil
19661967
Sucedido por
Edmundo de Macedo Soares e Silva
Precedido por
Walter Peracchi Barcelos
Ministro do Trabalho e Previdência Social do Brasil
1966
Sucedido por
Luís Gonzaga do Nascimento e Silva
Precedido por
Laudo Natel
Governador de São Paulo
19751979
Sucedido por
Paulo Maluf

Ligações externas[editar | editar código-fonte]