Geraldo Alckmin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Geraldo Alckmin
Geraldo Alckmin em junho de 2014.
35º Governador de São Paulo São Paulo
Período 1º de janeiro de 2011
até atualidade
vice-governador Afif Domingos (2011-2015)
Marcio França (desde 2015)
Antecessor(a) Alberto Goldman
31º Governador de São Paulo São Paulo
Período 6 de março de 2001
até 31 de março de 2006
vice-governador Nenhum (2001-2003)
Cláudio Lembo (2003-2006)
Antecessor(a) Mário Covas
Sucessor(a) Cláudio Lembo
Vice-governador de São Paulo São Paulo
Período 1º de janeiro de 1995
até 6 de março de 2001
Governador Mário Covas
Antecessor(a) Aloysio Nunes
Sucessor(a) Cláudio Lembo
Secretário Estadual de Desenvolvimento de São Paulo São Paulo
Período 19 de janeiro de 2009
até 1º de abril de 2010
Governador José Serra
Antecessor(a) Alberto Goldman
Sucessor(a) Luciano Almeida
Deputado federal por São Paulo São Paulo
Período 15 de março de 1987
até 1 de janeiro de 1995
Deputado estadual de São Paulo São Paulo
Período 15 de março de 1983
até 15 de março de 1987
Prefeito de Pindamonhangaba Bandeira Pindamonhangaba SaoPaulo Brasil.svg
Período 15 de março de 1977
até 15 de março de 1982
Vereador de Pindamonhangaba Bandeira Pindamonhangaba SaoPaulo Brasil.svg
Período 15 de março de 1973
até 15 de março de 1977
Vida
Nascimento 7 de novembro de 1952 (62 anos)
Pindamonhangaba, São Paulo
Nacionalidade  brasileiro(a)
Progenitores Mãe: Míriam Penteado
Pai: Geraldo José Rodrigues Alckmin
Dados pessoais
Primeira-dama Maria Lúcia Alckmin
Partido PMDB (1976-1988)
PSDB (1988-atualidade)
Religião Católico
Profissão Médico, político

Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho (Pindamonhangaba, 7 de novembro de 1952) é um médico e político brasileiro. É o 35º e atual governador de São Paulo, cargo que ocupa pela quarta vez.

Nascido em Pindamonhangaba, Alckmin foi prefeito de sua cidade natal entre 1977-1982. Foi deputado estadual entre 1983-1987, e deputado federal entre 1987-1994. Entre 1995-2001 foi vice-governador, assumindo o cargo de governador em 2001, após a morte do então governador Mário Covas. Na eleição estadual de 2002 foi reeleito, ficando assim inelegível para concorrer a governador na eleição seguinte.

Alckmin renunciou ao cargo de governador em março de 2006 para concorrer à presidência na eleição do mesmo ano. Acabou indo para o segundo turno, sendo então derrotado pelo presidente Lula. Foi candidato na eleição municipal de São Paulo em 2008, tendo sido derrotado no primeiro turno. Em 2009 ocupou o cargo de secretário de desenvolvimento do estado de São Paulo. Ele foi eleito governador de São Paulo nas eleições estaduais de 2010 e reeleito em 2014.

Início de vida, educação e carreira[editar | editar código-fonte]

Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho nasceu em 7 de novembro de 1952 na cidade paulista de Pindamonhangaba, Vale do Paraíba. É filho de Geraldo José Rodrigues Alckmin e Míriam Penteado.[1] Geraldo Filho é sobrinho de José Geraldo Rodrigues de Alckmin, que foi ministro do Supremo Tribunal Federal. Segundo a revista Época, Geraldo recebia formação cristã da prelazia católica Opus Dei, tendo declarado à revista que o seu tio José Geraldo Rodrigues de Alckmin era do Opus Dei e seu pai franciscano.[2]

É casado com Lu Alckmin desde 1979, com quem tem três filhos: Sophia, Geraldo e Thomaz.[3] É formado pela Faculdade de Medicina de Taubaté (ligada a Universidade de Taubaté) com especialização em anestesiologia pelo Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual.[4] [5]

Início da carreira política[editar | editar código-fonte]

Alckmin filiou-se ao antigo Movimento Democrático Brasileiro (MDB) aos dezenove anos de idade, quando ainda estava no primeiro ano da faculdade de medicina. Iniciou a carreira política elegendo-se vereador no município paulista de Pindamonhangaba em 1972.[6] [7] Foi eleito com 1 447 votos, sendo o vereador mais votado entre os eleitos e o vereador proporcionalmente mais bem votado da cidade até hoje, com mais de 10% dos votos válidos.[8] [3] Alckmin foi escolhido presidente da Câmara Municipal logo em seu primeiro mandato.[9]

Em 1976, Alckmin foi eleito prefeito de Pindamonhangaba, tornando-se o mais jovem prefeito da cidade.[10] Ele venceu a eleição por uma diferença de 67 votos.[11] Como ainda precisava concluir a faculdade de medicina, seu pai foi nomeado chefe de gabinete da prefeitura, o que gerou acusações de nepotismo.[3]

Nas eleições estaduais de 1982, foi eleito deputado estadual de São Paulo com 96 232 votos.[12]

Deputado federal[editar | editar código-fonte]

Nas eleições de 1986, Alckmin foi eleito deputado federal constituinte com 125 127 votos.[13] [14] Em 1988, descontente com os rumos do PMDB, Alckmin, Franco Montoro, José Serra, Bresser Pereira, Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas e outros dissidentes fundam o Partido da Social Democracia Brasileira.[8]

Alckmin foi reeleito deputado federal nas eleições de 1990, desta vez com 55 639 votos, sendo o quarto mais votado dentre os candidatos do PSDB.[13] Neste segundo mandato, foi autor do projeto que transformou-se na Lei 8078/90, o Código de Defesa do Consumidor, que apresentou para apreciação do Congresso em 16 de novembro de 1988.[15] Foi relator, na Câmara dos Deputados, do projeto que converteu-se na Lei de Benefícios da Previdência Social.[14] Também foi autor de um dos projetos que se converteram na Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), e relator do projeto de lei que facilita e disciplina a doação de órgãos para transplantes.[14]

Vice-governador[editar | editar código-fonte]

Alckmin foi presidente estadual do PSDB de São Paulo entre 1991 a 1994.[4] Como presidente do partido, Alckmin fundou diretórios e atraiu aliados pelo interior do estado.[16] Esse trabalho despertou a atenção de Mario Covas, que o escolheu como seu candidato a vice-governador nas eleições estaduais de 1994. A chapa Covas-Alckmin venceu a eleição, derrotando em segundo turno Francisco Rossi.[16] [17]

No primeiro ano de seu mandato, Covas nomeou Alckmin para a presidência do Programa Estadual de Desestatização (PED). O PED era um programa complexo que previa a privatização de importantes empresas estatais e concessão de trechos de rodovias e ferrovias à iniciativa privada.[18] Naquele momento, o governo do estado passava por uma grande crise financeira, estando o Banespa, então o principal banco estatal do estado, sob intervenção do Banco Central do Brasil desde 31 de dezembro de 1994.[19] O governo também estava impedido de contrair novos empréstimos e rolar dívidas. O PED foi o único programa estadual que cumpriu todas as metas de privatização estipuladas pelo governo federal.[20]

Alckmin tornou-se também um dos principais articuladores políticos de Covas no interior paulista, principalmente no Vale do Paraíba e Litoral Norte, o que lhe garantiu a permanência como candidato a vice de Covas na campanha para a reeleição de 1998, onde ambos foram vitoriosos contra o então candidato Paulo Maluf.[carece de fontes?]

Em 2000, Alckmin licenciou-se do cargo de vice-governador, e, por indicação de Covas, foi o candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo. Semi-desconhecido na capital, partiu de índices de intenção de votos minúsculos para uma votação de 17,21%, ficando apenas 7 691 votos atrás do segundo colocado, Maluf (então no PPB), que foi para o segundo turno com Marta Suplicy (PT).[21] [22] Marta venceu a eleição,[23] e Alckmin voltou a ocupar o cargo de vice-governador. Esta foi a oitava eleição que Alckmin disputou, tendo sido a primeira em que foi derrotado.[21]

Primeiro mandato como governador (2001 - 2003)[editar | editar código-fonte]

Em 22 de janeiro de 2001, com o agravamento da saúde de Mário Covas,[24] Alckmin assumiu interinamente o governo do Estado de São Paulo.[25] A saúde de Covas ficou debilitada devido a um câncer na bexiga e teve piora rápida de seu estado de saúde, vindo a falecer por falência múltipla dos órgãos em 6 de março de 2001.[26] [27] Alckmin foi empossado definitivamente no cargo no mesmo dia, com um mandato que terminaria em 1º de janeiro de 2003.[25]

Segundo mandato como governador (2003 - 2006)[editar | editar código-fonte]

Eleições estaduais de 2002[editar | editar código-fonte]

Sua candidatura a reeleição em 2002 foi contestada por alguns partidos.[28] O PT e o PPB entraram com uma ação na justiça pedindo a invalidação de sua candidatura e de seu vice, Cláudio Lembo.[28] Os partidos argumentaram que Alckmin foi vice-governador por dois mandatos consecutivos e tornou-se governador após a morte de Covas, o que configuraria um terceiro mandato.[28] Apesar da controvérsia, Alckmin foi candidato pela coligação "São Paulo em Boas Mãos", formada por três partidos: PSDB, PFL e PSD.[29]

Nas pesquisas iniciais, Alckmin estava atrás do ex-governador Paulo Maluf.[30] Alckmin passou a liderar as pesquisas de intenções de votos após a segunda semana de setembro de 2002.[31] Nas vésperas do primeiro turno, que foi realizado em 6 de outubro, pesquisas indicavam Alckmin na primeira colocação, seguido por Maluf e José Genoino empatados tecnicamente na segunda colocação.[31]

No primeiro turno Alckmin conseguiu 7,5 milhões de votos (38,28%), classificando-se para o segundo turno, juntamente com José Genoino.[32] No segundo turno, Alckmin tinha vantagens consideráveis em todas as pesquisas que foram realizadas.[33] Os resultados das pesquisas confirmaram-se e Alckmin foi reeleito, tendo 12 008 819 votos (58,64%), cerca de 3,5 milhões de votos a mais que Genoino.[34]

Governo[editar | editar código-fonte]

Alckmin com o governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto em 2006.

Avaliação[editar | editar código-fonte]

Segundo pesquisas realizadas pelo Datafolha em 4 de janeiro de 2004, Alckmin foi considerado o segundo melhor governador do país, tendo recebido nota 7,1 (numa escala de 0 a 10), perdendo somente para o governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB), que havia recebido 7,2.[35] Segundo outra pesquisa do mesmo instituto, divulgada em 17 de março de 2006, Alckmin conseguiu manter a alta popularidade e obteve o melhor índice de aprovação de seu mandato: 68% da população considerou a administração ótima ou boa, 23% regular e apenas 6% ruim ou péssima. A nota média do governo Alckmin subiu para 7,3. Segundo o próprio instituto e considerando pesquisas realizadas entre 1995 a 2006, poucos foram os governadores que alcançaram avaliação positiva tão alta quanto a de Alckmin.[36]

Renúncia[editar | editar código-fonte]

Alckmin deixou o governo do estado em 30 de março de 2006 devido à data-limite para sua desincompatibilização, tendo em vista a candidatura à Presidente da República. Passou o cargo para o vice-governador Cláudio Lembo (PFL) em uma cerimônia realizada no Palácio dos Bandeirantes.[37]

Campanha presidencial em 2006[editar | editar código-fonte]

Em 14 de março de 2006, Alckmin foi escolhido como o candidato do PSDB na eleição presidencial de 2006,[38] A escolha ocorreu após a desistência do prefeito paulistano José Serra, preferido pela cúpula do partido.[39] [40]

Alckmin e o candidato a vice José Jorge durante a formalização da aliança entre PSDB e PFL para a eleição presidencial.

Seu programa de governo, intitulado "Caminhos para o desenvolvimento", enfatizava o crescimento econômico com redução de impostos.[41] Objetivava também melhorar os seguintes aspectos: educação, saúde, segurança pública e inclusão social. Pretendia oferecer transparência e eficiência em sua gestão, em um verdadeiro "choque gerencial e de decência".[42] Em seus discursos, Alckmin criticava parlamentares petistas, citando principalmente o chamado "mensalão".[43]

O candidato a vice-presidente da chapa de Alckmin ficou para ser escolhido pelo PFL, em uma convenção que foi realizada em maio de 2006.[44] [45] Nesta convenção, haviam dois candidatos: os senadores José Jorge, de Pernambuco, e José Agripino, do Rio Grande do Norte. O PFL organizou um colégio eleitoral composto por deputados federais, senadores, governadores, prefeitos de capitais e outros membros da executiva nacional que não cumpriam mandato. Esse colégio eleitoral escolheu, por 51 votos, o senador José Jorge, que venceu Agripino por uma diferença de seis votos.[45] [46]

No primeiro turno, muitos já davam como certa a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva,[47] do Partido dos Trabalhadores, pois este aparecia com mais de 51% das intenções de voto nas pesquisas de institutos como Ibope,[48] Vox Populi[49] e Datafolha.[50] Até que, em setembro, poucas semanas antes das eleições, estourou um escândalo envolvendo pessoas ligadas à campanha do presidente: o Escândalo do Dossiê, uma operação montada para comprar um dossiê contra Alckmin e José Serra.[51] [52] O dossiê seria comprado em São Paulo, dos chefes da Máfia das Ambulâncias, Darci e Luiz Vedoin, por 1,7 milhão de reais — R$ 1,168 milhão e mais US$ 248 mil.[53] [54]

Família Alckmin vestindo camisetas promocionais durante a campanha eleitoral.

Atribui-se ainda ao não-comparecimento ao debate na Rede Globo entre os candidatos à presidência, ao qual compareceram Alckmin, Cristovam Buarque, e Heloísa Helena, uma queda nas intenções de voto em Lula.[55] [56] Em uma pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha sobre o debate da Globo, 45% dos entrevistados responderam que Alckmin foi o candidato que se saiu melhor, seguido por Heloísa Helena (24%) e Cristovam Buarque (10%).[55] Pela primeira vez em muito tempo, as pesquisas de intenção de voto demonstraram que Alckmin se aproximava do presidente nas pesquisas.[57] No primeiro turno, ocorrido no dia 1º de outubro, Alckmin e Lula foram ao segundo turno.[58] Lula recebeu mais de 46 milhões de votos, somando 48,6% dos votos válidos, enquanto Alckmin recebeu quase 40 milhões de votos, ficando com 41,63% dos votos válidos.[59] [60]

No segundo turno, Alckmin teve uma postura mais agressiva em relação à disputa, principalmente no primeiro debate. Desta vez, Lula compareceu a todos os debates.[61] [62] [63] Muitos analistas da imprensa consideraram que Alckmin venceu os debates do segundo turno,[64] mas, se vitoriosa, sua atuação não repercutiu nas pesquisas de intenção de voto, que apontavam o crescimento de Lula.[65] A vantagem deste foi atribuída por muitos aos boatos de que o tucano, se eleito, privatizaria empresas estatais como o Banco do Brasil, Petrobras e Caixa Econômica Federal,[66] e que acabaria com o programa Bolsa Família. No segundo turno, ocorrido no dia 29 de outubro, Lula reelegeu-se com mais de 58 milhões de votos, 60,82% dos votos válidos. Alckmin obteve 39,17% dos votos válidos, 2,4 milhões de votos a menos do que no primeiro turno.[59] [67] [68]

Atividades entre a campanha presidencial e o governo paulista[editar | editar código-fonte]

No segundo semestre de 2007, Alckmin viajou com a filha e a esposa para a cidade de Cambridge, em Massachusetts, nos Estados Unidos. Ele foi aluno visitante do Centro de Relações Internacionais de Weatherhead (em inglês, Fellow of the Weatherhead Center for International Affairs), cursando diversas disciplinas na John F. Kennedy School of Government, na Universidade Harvard.[69]

Eleição municipal de São Paulo em 2008[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2007, Alckmin liderava uma pesquisa realizada pelo Datafolha para a prefeitura de São Paulo em 2008. Nesta pesquisa, ele tinha 30% das intenções de votos, seguido por Marta Suplicy (24%), Paulo Maluf (11%), Gilberto Kassab (10%) e Luiza Erundina (9%).[70]

O PSDB estava dividido entre lançar a candidatura de Alckmin e apoiar a reeleição de Gilberto Kassab.[71] Na convenção do partido, realizada em julho de 2008, Alckmin recebeu o apoio de 89% dos militantes tucanos.[72] Sua coligação recebeu o nome de São Paulo na Melhor Direção e foi composta por cinco partidos.[73] O candidato a vice-prefeito foi o deputado estadual Campos Machado.[74]

Pesquisas de intenções de votos realizadas até julho de 2008 mostravam que Marta e Alckmin iriam para o segundo turno.[75] Com o início da propaganda gratuita de rádio e TV em agosto, Kassab passou a crescer nas pesquisas.[76] Nas vésperas da eleição, o Datafolha mostrou Alckmin com 20% das intenções de votos e fora do segundo turno.[77] No primeiro turno, realizado em 5 de outubro, Alckmin obteve 1,4 milhão de votos (22,48%), contra os 2 milhões (32,79%) de Marta e 2,1 milhões (33,61%) de Kassab.[78] [79] Alckmin e o PSDB declararam apoio a Kassab,[80] [81] que foi reeleito.[82]

Secretário estadual de Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em 19 de janeiro de 2009, o governador do estado de São Paulo, José Serra, anunciou Alckmin como o novo secretário estadual de Desenvolvimento, cargo que até então era ocupado pelo vice-governador, Alberto Goldman.[83] [84] Ele deixou a secretaria em 1º de abril de 2010 para concorrer ao governo do estado.[85]

Terceiro mandato como governador (2011 - 2014)[editar | editar código-fonte]

Eleições estaduais de 2010[editar | editar código-fonte]

Alckmin e José Serra em um evento eleitoral da campanha de 2010.

Na convenção do PSDB, realizada em 13 de junho de 2010, Alckmin foi oficializado como o candidato do partido ao governo de São Paulo.[86] Sua coligação, que recebeu o nome de "Unidos Por São Paulo", foi formada por seis partidos.[87] O candidato a vice-governador foi Guilherme Afif Domingos, do DEM.[88] A coligação teve como candidatos ao senado o ex-governador Orestes Quércia (PMDB), que acabou desistindo da candidatura para tratar de um câncer de próstata,[89] e o ex-secretário da Casa Civil de São Paulo Aloysio Nunes Ferreira, que foi eleito senador com a maior votação para o cargo na história do país.[90]

Alckmin foi eleito governador no primeiro turno com 11,5 milhões de votos (50,63% dos votos válidos), derrotando o senador Aloizio Mercadante (PT), que obteve oito milhões de votos (35,23%).[91] [92]

No mesmo ano, Alckmin foi considerado pela revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano,[93] destaque que recebeu também no ano seguinte.[94]

Alckmin durante o Fórum Econômico Mundial de 2011.

Governo[editar | editar código-fonte]

Alckmin assumiu o governo de São Paulo pela terceira vez em 1º de janeiro de 2011. A posse ocorreu durante uma cerimônia realizada na Assembleia Legislativa do Estado.[95]

Protestos gerais em 2013[editar | editar código-fonte]

Sua administração enfrentou, em 2013, greves na educação e na saúde.[96] [97] Após o reajuste nas passagens dos trens metropolitanos e do metrô, iniciaram-se grandes manifestações de protestos, que também aconteceram por todo o Brasil, e que tiveram várias causas e objetivos. Este reajuste foi posteriormente suspenso por Alckmin e pelo prefeito de São Paulo Fernando Haddad.[98]

Avaliação[editar | editar código-fonte]

Em março de 2011, uma pesquisa do Datafolha mostrou que 48% dos paulistas consideravam o governo de Alckmin como ótimo ou bom, 29% consideravam como regular e 14% como ruim ou péssimo.[99] Em junho de 2013, 52% consideravam sua gestão como ótima ou boa, 31% como regular e 15% como péssima.[99]

Durante a onda de manifestações de junho a julho de 2013, o Datafolha indicou que o número de cidadãos que aprovavam a sua administração caiu, enquanto os que reprovavam aumentou. A pesquisa inicial sobre o desempenho de Alckmin frente aos protestos mostrou que pouco mais da metade dos habitantes da capital reprovavam a sua atuação. Esses índices caíram sucessivamente nas pesquisas posteriores.[100] [101] No final de 2013, sua popularidade teve um leve aumento, indo a 41% de ótimo ou bom.[102]

Quarto mandato como governador (2015 - 2018)[editar | editar código-fonte]

Eleições estaduais de 2014[editar | editar código-fonte]

Aécio Neves e Alckmin durante uma entrevista a poucos dias do primeiro turno.

O diretório estadual tucano oficializou a candidatura de Alckmin à reeleição em 29 de junho de 2014.[103] A coligação encabeçada por ele recebeu o nome de "Aqui é São Paulo" e foi composta por catorze partidos.[104] Segundo a coluna Painel da Folha de São Paulo, o nome da coligação pretende "apelar ao orgulho paulista", afirmando que o estado é mais bem-sucedido que o restante do país.[105] O candidato a vice-governador foi o deputado federal Márcio França, do Partido Socialista Brasileiro.[106] A coligação teve como candidato ao senado o ex-governador José Serra, que foi eleito.[107]

Alckmin liderou todas as pesquisas de intenções de votos realizadas.[108] [109] No primeiro turno, ocorrido em 5 de outubro de 2014, ele foi reeleito com 12,2 milhões de votos (57,31%), sendo o segundo maior percentual de votos desde a redemocratização. A diferença em relação ao segundo colocado, Paulo Skaf, foi de 7,6 milhões de votos.[110] Alckmin venceu em 644 das 645 cidades paulistas.[111] Sua vitória garantiu o sexto mandato consecutivo do PSDB no comando do Palácio dos Bandeirantes.[112]

Governo[editar | editar código-fonte]

Foto oficial do quarto gabinete de Alckmin.

Alckmin tomou posse pela quarta vez como governador de São Paulo em 1º de janeiro de 2015.[113] Ele foi empossado em cerimônia solene na Assembleia Legislativa, juntamente com o vice-governador eleito, Márcio França, e com os 25 secretários.[114]

Cronologia sumária[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. GERALDO ALCKMIN FILHO - PSDB Câmara dos Deputados do Brasil. Visitado em 29 de agosto de 2013.
  2. Eliane Brum e Ricardo Mendonça (16 de janeiro de 2006). O Governador e a Obra Época. Visitado em 29 de agosto de 2013.
  3. a b c Candidatos - Presidente - Geraldo Alckmin Folha Online (12 de agosto de 2006). Visitado em 29 de agosto de 2013.
  4. a b Geraldo Alckmin Ig. Visitado em 26 de agosto de 2013.
  5. GERALDO ALCKMIN (PSDB) G1 (21 de agosto de 2006). Visitado em 29 de agosto de 2013.
  6. Geraldo Alckmin é eleito governador de SP União dos Vereadores do Estado de São Paulo. Visitado em 29 de agosto de 2013.
  7. Ivy Farias (5 de outubro de 2008). Para especialistas, é melhor que Alckmin se alie a Kassab no segundo turno e a Serra em 2010 Agência Brasil. Visitado em 29 de agosto de 2013.
  8. a b Cris Gutkoski (2006). Persistência de Alckmin continua sendo testada Uol. Visitado em 16 de agosto de 2013.
  9. Ficha do candidato: Geraldo Alckmin Folha de São Paulo. Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  10. Roney Domingos e Márcio Pinho (1º de janeiro de 2015). Governador Geraldo Alckmin toma posse para o 4º mandato em SP G1. Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  11. Caio Junqueira (3 de abril de 2006). Alckmin via sensibilidade social em Médici Valor Econômico Senado Federal do Brasil. Visitado em 29 de agosto de 2013.
  12. 10ª Legislatura 1983/1987 Assembleia Legislativa de São Paulo. Visitado em 29 de agosto de 2013.
  13. a b Informações Eleitorais: Total do Estado de São Paulo: Deputado Federal Eleito Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (16 de agosto de 2013). Visitado em 16 de agosto de 2013.
  14. a b c Confira a biografia de Geraldo Alckmin Folha de São Paulo (22 de janeiro de 2001). Visitado em 26 de agosto de 2013.
  15. Consulta ao sítio da Câmara Camara.gov.br.
  16. a b Católico, governador exibe perfil pragmático Folha de São Paulo (15 de março de 2006). Visitado em 26 de agosto de 2013.
  17. Tucanos vencem em SP, Rio e Minas; Britto ganha no RS Folha de São Paulo (16 de novembro de 1994). Visitado em 26 de agosto de 2013.
  18. Biografia de Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho El Diario Exterior. Visitado em 26 de agosto de 2013.
  19. Banespa e Banerj sofrem intervenção Folha de São Paulo (31 de dezembro de 1994). Visitado em 29 de agosto de 2013.
  20. Ajuste Fiscal e Retomada de Investimentos Governo do estado de São Paulo. Visitado em 29 de agosto de 2013.
  21. a b Apesar de derrotado, Alckmin vê lado positivo Folha de São Paulo (2 de outubro de 2000). Visitado em 29 de agosto de 2013.
  22. Resultado da Eleição - 1° turno, São Paulo Tribunal Superior Eleitoral. Visitado em 29 de agosto de 2013.
  23. SP elege Marta prefeita; PT governará seis capitais Folha de São Paulo (29 de outubro de 2013). Visitado em 29 de agosto de 2013.
  24. Saúde de Covas piora G1 (3 de janeiro de 2001). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  25. a b Rogério Gentile (6 de março de 2001). De estilo oposto a Covas, Alckmin assume Estado Folha de São Paulo. Visitado em 24 de agosto de 2013.
  26. Marcelo Favalli (6 de março de 2001). Covas morre por falência múltipla dos órgãos Terra. Visitado em 24 de agosto de 2013.
  27. Morre em SP o governador Mário Covas Diário de Cuiabá (7 de março de 2001). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  28. a b c Leia recurso que defende legalidade de candidatura de Alckmin Conjur (25 de julho de 2002). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  29. Estatística das Eleições 2002 - Divulgação de Candidaturas: Geraldo Alckmin Tribunal Superior Eleitoral. Visitado em 23 de janeiro de 2014.
  30. São Paulo - Resultados: Próximo governo Folha de São Paulo (2002). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  31. a b Pesquisas - Eleições 2002 Uol (2002). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  32. 2002 - Governador - São Paulo - 100% apurado Uol (2002). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  33. Pesquisas - Eleições 2002 - 2º turno Uol (2002). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  34. Eleições estaduais - São Paulo Uol (2002). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  35. Ranking de Governadores em janeiro de 2004, segundo o Datafolha Folha de São Paulo (2004). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  36. Pesquisa de Opinião Pública do Instituto Datafolha Folha de São Paulo (17 de março de 2006 sobre a avaliação do governo Geraldo Alckmin). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  37. Alckmin transmite cargo de governador a Cláudio Lembo Governo do Estado de São Paulo (31 de março de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  38. Alckmin é o escolhido pelo PSDB para enfrentar Lula Tribuna do Norte (15 de março de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  39. Cátia Seabra (14 de março de 2006). PSDB escolhe Alckmin como candidato à Presidência, dizem tucanos Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  40. Cátia Seabra e Tathiana Barbar (14 de março de 2006). PSDB confirma Alckmin como candidato e elogia desprendimento de Serra Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  41. PSDB lança esboço do programa de governo de Alckmin Reuters Terra (11 de junho de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  42. Alckmin promete ‘praticar "indulgência zero",’ começando pelos políticos O Estado de São Paulo (12 de junho de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  43. Andrea Matais (23 de agosto de 2006). Folha de S. Paulo - Alckmin eleva o tom e diz que governo Lula é um "desastre" na questão ética Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  44. PFL decide escolher vice no fim de maio O Mossoroense (2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  45. a b Natuza Nery (18 de maio de 2006). PFL escolhe senador José Jorge como candidato a vice de Alckmin Uol. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  46. Adriano Machado (19 de maio de 2006). José Jorge é o indicado do PFL para vice de Alckmin Tribuna do Norte. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  47. Lula e Alckmin vão disputar segundo turno Jornal do Senado Senado Federal (2 de outubro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  48. Pesquisa Ibope diz que Lula seria reeleito no primeiro turno Meio Norte.com (26 de julho de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  49. VOX POPULI: COM 51%, LULA VENCERIA NO 1º TURNO Agência Estado G1 (21 de setembro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  50. Lula seria reeleito no primeiro turno, aponta Datafolha Uol (12 de setembro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  51. Hudson Corrêa e Felipe Neves (15 de setembro de 2006). PF prende chefe dos sanguessugas por tentativa de chantagem Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  52. Hudson Corrêa (15 de setembro de 2006). Empresário sanguessuga queria vender fotos de tucanos por R$ 2 mi, diz PF Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  53. Andrea Matais (15 de setembro de 2006). PF prende empresário sanguessuga e apreende R$ 1,7 mi com integrante do PT Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  54. Andrea Matais (15 de setembro de 2006). Ministro diz que há mais provas contra Serra além de denúncia dos Vedoin Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  55. a b Na véspera da eleição, Lula tem 50% dos votos válidos Datafolha (30 de setembro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  56. Kennedy Alencar e Pedro Dias Leite (2 de outubro de 2006). Lula atribui revés a dossiê e falta no debate Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  57. Pesquisa nacional realizada pelo Ibope e divulgada em 30 de setembro Ibope (1 de outubro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  58. Lula e Alckmin vão disputar o 2° turno Folha de São Paulo (2 de outubro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  59. a b Consulta de Resultados Eleitorais, eleições 2006 Tribunal Superior Eleitoral (20 de fevereiro de 2013). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  60. Alckmin evita vitória de Lula e leva decisão para o segundo turno Uol (2 de outubro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  61. Carolina Glycerio (9 de outubro de 2006). Tom agressivo de Alckmin surpreende tucanos e petistas BBC Brasil. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  62. Cris Gutkoski e Daniel Pinheiro (8 de outubro de 2006). Lula e Alckmin fazem debate na TV com duros ataques Uol. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  63. Carolina Glycerio (24 de outubro de 2006). Alckmin retoma estilo agressivo; Lula responde com tom irônico em debate na TV Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  64. Postura mais agressiva de Alckmin agradou, diz especialista O Estado de São Paulo (9 de outubro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  65. Lula amplia vantagem sobre Alckmin Folhapress Diário de Cuiabá (12 de outubro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  66. Coordenador de Alckmin acusa Lula de espalhar boatos; Lula alerta para privatizações Folha de São Paulo (10 de outubro de 2006). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  67. Alexandre Caverni (29 de outubro de 2006). Lula tem 58 milhões de votos e Alckmin fica abaixo do 1o turno Reuters Uol. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  68. Haroldo Ceravolo Sereza (29 de outubro de 2006). Alckmin perdeu cerca de 2,4 milhões de votos do 1º para o 2º turno Uol. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  69. Alckmin retorna ao Brasil no domingo após realizar curso nos EUA Folha de São Paulo (1 de junho de 2007). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  70. Alckmin lidera disputa pela Prefeitura em SP, diz Datafolha O Estado de São Paulo (12 de agosto de 2007). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  71. Elaine Patricia Cruz (22 de junho de 2008). Convenção do PSDB define candidatura de Alckmin para prefeitura de São Paulo Agência Brasil. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  72. Candidatos a prefeito votam em SP G1 (5 de outubro de 2008). Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  73. Alckmin recebe apoio de Aécio antes mesmo de Serra G1 (7 de agosto de 2008). Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  74. PTB-SP define Campos Machado como vice de Alckmin Diário do Nordeste (9 de junho de 2008). Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  75. Thiago Faria (3 de junho de 2006). Marta e Alckmin lideram disputa pela Prefeitura de São Paulo, aponta pesquisa Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  76. SP: Kassab vai para 2º turno com Marta Terra (5 de outubro de 2008). Visitado em 1º de dezembro de 2015.
  77. Ivan Richard (1 de outubro de 2006). Datafolha indica disputa entre Marta e Kassab no segundo turno, com pouca chance para Alckmin, em São Paulo Agência Brasil. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  78. Kassab e Marta vão disputar segundo turno em SP; veja discurso dos candidatos Folha de São Paulo (6 de outubro de 2008). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  79. Kassab e Marta vão disputar 2º turno em São Paulo G1 (5 de outubro de 2008). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  80. Roney Domingos (6 de outubro de 2008). PSDB de SP anuncia apoio a Kassab no 2º turno G1. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  81. Alckmin declara apoio a Kassab Reuters Veja (14 de outubro de 2008). Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  82. Gilberto Kassab é reeleito prefeito em SP G1 (26 de outubro de 2008). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  83. José Alberto Bombig e Fernando Barros de Mello (19 de janeiro de 2009). Alckmin é o novo secretário de Desenvolvimento de Serra Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  84. Geraldo Alckmin assume secretaria em São Paulo Clicrbs (19 de janeiro de 2009). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  85. Débora Miranda (29 de março de 2010). Alckmin afirma que sai da Secretaria de Desenvolvimento na quinta-feira G1. Visitado em 23 de janeiro de 2014.
  86. Daniel Roncaglia (13 de junho de 2010). PSDB lança Geraldo Alckmin candidato ao governo paulista Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  87. Geraldo Alckmin (2010) Uol (2010). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  88. Detalhes do Registro de Candidatura - Vice-Governador Tribunal Superior Eleitoral. Visitado em 16 de agosto de 2014.
  89. Renata Lo Prete (5 de setembro de 2010). Quércia desiste de candidatura ao Senado para tratar câncer Folha de São Paulo. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  90. Ricardo Setti (3 de outubro de 2010). Com 11 milhões de votos, Aloysio Nunes (PSDB) é o senador mais votado da história Veja. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  91. Piero Locatelli (3 de outubro de 2010). Geraldo Alckmin é eleito e mantém hegemonia tucana em São Paulo IG. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  92. Apuração completa - Governador Folha de São Paulo (3 de outubro de 2010). Visitado em 18 de agosto de 2013.
  93. (11 de dezembro de 2010) "Época - NOTÍCIAS - Os 100 brasileiros mais influentes de 2010". Época. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  94. (10 de dezembro de 2011) "Época - NOTÍCIAS - Os 100 brasileiros mais influentes de 2011". Época. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  95. (1º de janeiro de 2011) "Alckmin toma posse e promete trabalhar 'não apenas por São Paulo, mas pelo Brasil'". Visitado em 17 de agosto de 2013.
  96. Gabriela Vieira e Ricardo Chapola (5 de junho de 2013). Greve afeta 14 hospitais estaduais na capital, diz sindicato O Estado de São Paulo. Visitado em 4 de julho de 2013.
  97. Viana, Julia Basso (19 de abril de 2013). Professores decidem greve em assembleia na Avenida Paulista (em português) Portal G1. Visitado em 4 de julho de 2013.
  98. Haddad e Alckmin anunciam redução das tarifas para R$ 3 em SP Terra (19 de junho de 2013). Visitado em 17 de agosto de 2013.
  99. a b Após protestos, aprovação de Alckmin e Haddad cai Folha de São Paulo (1 de julho de 2013). Visitado em 8 de dezembro de 2013.
  100. Aprovação de Alckmin cai de 52% para 38%, aponta Datafolha G1 (1 de julho de 2013). Visitado em 4 de julho de 2013.
  101. Após protestos, aprovação de Alckmin e Haddad cai Folha de São Paulo (1 de julho de 2013). Visitado em 4 de julho de 2013.
  102. Alckmin tem leve reação após protestos Folha de São Paulo (2 de dezembro de 2013). Visitado em 8 de dezembro de 2013.
  103. Tatiana Santiago (29 de junho de 2014). PSDB oficializa candidatura de Alckmin à reeleição ao governo de SP G1. Visitado em 16 de agosto de 2014.
  104. Registro de Candidatura Governador Tribunal Superior Eleitoral. Visitado em 16 de agosto de 2014.
  105. Campanha de Alckmin terá mote "Aqui é São Paulo"; Serra é chamado a falar Folha de São Paulo (27 de junho de 2014). Visitado em 2 de janeiro de 2014.
  106. Registro de Candidatura Vice-Governador Tribunal Superior Eleitoral. Visitado em 16 de agosto de 2014.
  107. Ex-governador José Serra é eleito senador pelo Estado de São Paulo Folha de São Paulo (5 de outubro de 2014). Visitado em 2 de janeiro de 2015.
  108. Alckmin é reeleito e garante 6º mandato consecutivo do PSDB em SP Uol (5 de outubro de 2014). Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  109. Geraldo Alckmin é reeleito governador de SP Zero Hora (5 de outubro de 2014). Visitado em 2 de janeiro de 2015.
  110. Paulo Saldaña (5 de outubro de 2014). Geraldo Alckmin é reeleito governador de SP com 57% dos votos O Estado de São Paulo. Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  111. Alckmin só foi derrotado em uma das 645 cidades paulistas R7 (6 de outubro de 2014). Visitado em 2 de janeiro de 2015.
  112. Geraldo Alckmin é reeleito em São Paulo Ig (5 de outubro de 2014). Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  113. Débora Melo e Janaina Garcia (1º de janeiro de 2015). Alckmin assume 4º mandato e não cita crise hídrica em SP Terra. Visitado em 1º de janeiro de 2015.
  114. Alckmin empossa 25 secretários de estado, em SP Globo News (1º de janeiro de 2015). Visitado em 1º de janeiro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Precedido por
Alberto Goldman
Governador de São Paulo
2011 — atualidade
Sucedido por
-
Precedido por
Mário Covas
Governador de São Paulo
2001 — 2006
Sucedido por
Cláudio Lembo
Precedido por
Aloysio Nunes Ferreira Filho
Vice-governador de São Paulo
1995 — 2001
Sucedido por
Cláudio Lembo