Teotônio Vilela Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Teotônio Vilela Filho
Teotônio Vilela Filho em 2006
62.º Governador de  Alagoas
Período de governo 1 de janeiro de 2007
em exercício
(2º mandato consecutivo)
Antecessor(a) Luís Abílio de Sousa Neto
Sucessor(a) Renan Filho
Senador por  Alagoas
Período de governo 1 de fevereiro de 1987
até 31 de dezembro de 2006
(3 mandatos consecutivos)
Vida
Nascimento 29 de janeiro de 1951 (63 anos)
Viçosa, AL
Dados pessoais
Cônjuge Cíntia Sampaio Vilela
Partido PMDB, PSDB
Religião Católico
Profissão economista

Teotônio Brandão Vilela Filho (Viçosa, 29 de janeiro de 1951) é um economista e político brasileiro.

É graduado em Economia pela Universidade de Brasília. Filho do ex-senador Teotônio Vilela, ajudou a produzir o documentário sobre ele O Evangelho Segundo Teotônio.

Então filiado ao PMDB, elege-se senador em 1986, sendo o mais jovem candidato até então eleito para o cargo. Seria reeleito em 1994 e 2002. Migrou para o PSDB onde se tornaria presidente nacional em 1996.[1]

Em 2006, candidata-se ao governo de Alagoas, com o apoio do ex-governador Ronaldo Lessa (PDT), que renunciara para disputar vaga no Senado Federal, tendo como vice o ex-secretário de saúde de Alagoas José Wanderley (PMDB). Elege-se em primeiro turno, vencendo o deputado federal e usineiro João Lyra (à época, no PTB).[2] Seu primeiro suplente João Tenório cumpriu o restante do mandato no Senado. Em 2010, desta vez tendo como vice o ex-deputado federal José Thomaz Nonô (DEM), foi reeleito em segundo turno, com pequena vantagem sobre Lessa, que rompeu com o mesmo em 2007.

Seu nome foi citado pela Operação Navalha, onde teria recebido R$ 150 mil do empresário Zuleido Veras em obras da construtura Gautama, conforme divulgado em reportagem da revista ISTOÉ[3] .

Em 2008, os deputados estaduais de Alagoas desautorizaram o STJ a processar e julgar Vilela Filho pelas acusações de formação de quadrilha, peculato e de três eventos de corrupção passiva na Operação Navalha. Após o fim de seu mandato em 2015, sem foro privilegiado ele poderá ser julgado e condenado pelos crimes a ele imputados.[4]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Luís Abílio de Sousa Neto
Governador de Alagoas
2007atualidade
Sucedido por


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.