Solidariedade (partido político)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Solidariedade
Número no TSE 77
Presidente Paulo Pereira da Silva
Fundação 24 de setembro de 2013 (1 ano)
Sede Brasília, DF
Ideologia Trabalhismo
Social-democracia.
Espectro político Centro-esquerda
Deputados federais (2014)[1]
15 / 513
Cores Laranja e Azul
Site
solidariedade.org.br

O Solidariedade é um partido político brasileiro, aprovado pelo TSE em setembro de 2013, cuja sigla é SD (SDD também é usada).[2]

Seu presidente nacional e principal articulador é Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, sindicalista e presidente licenciado da Força Sindical.[3]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Com boa parte de seus dirigentes advindos do movimento sindical brasileiro, o Solidariedade nasceu alinhado às bandeiras dos trabalhadores do País e dos movimentos sociais.[4]

Dirigentes do Solidariedade pediram seu registro no Tribunal Superior Eleitoral em junho de 2013 e tiveram o partido aprovado em sessão do TSE de 24 de setembro de 2013.[4] [5] [6] [7]

Ideologia[editar | editar código-fonte]

Segundo o presidente nacional do partido, Paulinho da Força, a ideologia do Solidariedade é de centro-esquerda. Colaboram para esse posicionamento o histórico de boa parte dos líderes que pertencem ao partido e são oriundos de movimentos sociais, da luta sindical e de partidos de centro-esquerda.[8]

Eleições de 2014[editar | editar código-fonte]

As primeiras eleições do Solidariedade estão sendo as eleições gerais de 2014, nas quais são votados o presidente da república, os governadores, os senadores, os deputados federais e os deputados estaduais. Na votação para presidente, o SD apoiou Aécio Neves (PSDB), candidato de oposição governo Dilma Rousseff. No primeiro turno, integrou a coligação Muda Brasil, formada também por PSDB, DEM, PEN, PMN, PTN, PTC, PTB e PTdoB (9 partidos).[9]

Nas eleições de 2014, o SD lançou poucos candidatos a governador, vice, senador (e suplentes), pois em quase todos os Estados fazia parte de coligações grandes, em que os partidos negociavam entre si os cargos da chapa. O SD só lançou um candidato a governador e teve somente quatro candidatos a vice-governador. Para o cargo de senador, a sigla tampouco obteve muito espaço nas coligações, logrando apenas um candidato a titular, dois a primeiros suplentes e um a segundo suplente. No Pará havia a possibilidade de o SD ter uma candidata a senadora e também os suplentes, mas estes foram indeferidos pelo TSE por problemas na documentação.

Os seguintes candidatos foram cadastrados em 2014, alguns aprovados pelo TSE, outros sob análise desse Tribunal.[9]

Candidato a governador pelo SD

Candidatos a vice-governadores pelo SD

  • AM - Henrique Oliveira (coligação Fazendo Mais por Nossa Gente - 16 partidos; o titular é do PROS)
  • AP - Wagner Gomes (coligação Juntos pelo Desenvolvimento, pela Paz e pela Vida - 4 partidos; o titular é do PSD)
  • GO - Armando Vergílio (coligação Amor por Goiás - 7 partidos; o titular é do PMDB)
  • RS - Cassiá Carpes (coligação Esperança que Une o Rio Grande - 4 partidos; a titular é do PP)

Candidato a senador pelo SD

  • TO - Eduardo Gomes (coligação A Mudança que a Gente Vê - 17 partidos)

Candidatos a 1os suplentes de senadores pelo SD

  • AL - Dra. Eudócia (coligação Juntos com o Povo pela Melhoria de Alagoas - 9 partidos; o titular é do DEM)
  • MT - Manoel de Souza (coligação Viva Mato Grosso - 6 partidos; o titular é do PSD)

Candidato a 2o suplente de senador pelo SD

  • DF - Fadi Faraj (coligação Somos Todos Brasília - 4 partidos; o titular é do PDT)

Apesar de ter só um candidato a governador pela própria sigla, em todas as 27 unidades federativas o SD apoiou algum candidato ao cargo, direta ou indiretamente. Somente em Rondônia não esteve na coligação majoritária (para governador), porém esteve na coligação proporcional (para deputados) associada ao candidato a governador pelo PSDB.

O partido participou formalmente de dez coligações majoritárias que apoiam candidatos a governadores cujos partidos apoiaram nacionalmente a candidatura de Aécio Neves à Presidência da República: oito do PSDB (AC, MG, MS, PA, PB, SC, SP e PR), um do DEM (BA) e um do próprio SD (TO).

O SD apoiou também 12 candidatos de partidos que nacionalmente apoiaram a candidatura de Dilma Roussef (PT) à reeleição: 4 do PMDB (ES, GO, RJ e RN), 2 do PT (CE e PI), 2 do PSD (AP e MT), 2 do PP (AL e RS), 1 do PCdoB (MA) e 1 do PROS (AM). No DF, em PE e em RR o SD apoiou candidatos a governador do PSB e, em SE, apoiou o candidato do PSC (que lançou o Pastor Everaldo a presidente).[9]

Participação do partido nas eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Candidato a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos  % Colocação
2014 Aécio Neves (PSDB) Aloysio Nunes (PSDB) PSDB, PMN, SD, DEM, PEN, PTN, PTB, PTC e PTdoB 51.036.040 48,36

Referências

  1. Bancada da Eleição de 2014 para Deputado Federal (Titulares) Câmara dos Deputados.
  2. Informações sobre o Solidariedade Tribunal Superior Eleitoral.
  3. Apesar de suspeitas, TSE aprova a criação de mais 2 partidos políticos no país - Folha de S.Paulo, 24 de setembro de 2013
  4. a b TSE aprova registro do Solidariedade. Acesso em 25 de setembro de 2013
  5. Diretório Nacional do Solidariedade pede registro de estatuto no TSE - JusBrasil, julho de 2013
  6. [1] - O Povo, 02 de setembro de 2013
  7. Enquanto Marina sofre para criar a Rede, novo partido Solidariedade conta os dias para sair do papel - R7, 28 de agosto de 2013
  8. 'Solidariedade' mais perto do PT - Rede Bom Dia, 09 de janeiro de 2013
  9. a b c TSE - Estatísticas Eleitorais 2014 TSE. Visitado em 10 de outubro de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre política é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.