Talking Heads

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Talking Heads
Talking Heads ao vivo em Toronto, Canadá no dia 13 de maio de 1978
Informação geral
Origem Nova Iorque, Nova Iorque
País  Estados Unidos
Gênero(s) Pós-punk
New wave[1]
Worldbeat
Dance rock
Art punk
Rock experimental
Funk
Período em atividade 19741991
Gravadora(s) Sire Records
EMI Records
Integrantes David Byrne
Jerry Harrison
Tina Weymouth
Chris Frantz

Os Talking Heads foram uma banda surgida em Nova Iorque, EUA, no dia 8 de setembro de 1974, entre os movimentos punk e new wave. Formada pelo guitarrista e vocalista David Byrne, e por Chris Frantz, Tina Weymouth e Jerry Harrison, a banda ganhou notoriedade por fundir o rock e o new wave com a world music, principalmente ritmos africanos.

David Byrne, nascido em Dumbarton, Escócia, em 1952, além do trabalho com o grupo, compôs trilhas para artistas como Twyla Tharp e Robert Wilson, nomes da dança e do drama respectivamente, além do filme O Último Imperador (de 1987, realizado por Bernardo Bertolucci) pelo qual ganhou um Oscar. Também dirigiu o filme "True Stories" (de 1986) e produziu diversos álbuns de música caribenha e brasileira (incluindo trabalho com Tom Zé e Margareth Menezes), notadamente "Rei Momo" (de 1989) e um vídeo documentário sobre o candomblé chamado "The House of Life" (também de 1989).

O grupo existiu de 1974 até 1991. O Talking Heads fez a sua história com a mistura do punk, rock, funk, new wave e world music.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

O grupo foi formado em 1974 durante os estudos na "Rhode Island School of Design". No início, o grupo era apenas David Byrne (vocal, guitarra) e Chris Frantz (bateria), que tocavam e compunham (entre as músicas da época, pode-se citar "Psycho Killer" e "Warning Sign") sob o nome de "The Artistics", jocosamente chamado de "The Autistics". Em 1974, a namorada de Chris, Tina Weymouth (baixo), juntou-se a eles e então David mudou o nome da banda para Talking Heads.

A primeira grande apresentação da banda ocorreu no dia 8 de junho de 1975, quando fizeram a abertura do show dos Ramones no lendário CBGB's Club, em Nova Iorque. Em 1976 acrescentaram mais um membro, Jerry Harrison (guitarrista e tecladista), um ex-membro dos The Modern Lovers outra grande referência novaiorquina. Rapidamente o grupo se articulou e conseguiu fechar um contrato como a Sire Records (associada da Warner Bros).

1977-1980[editar | editar código-fonte]

O primeiro compacto da banda é lançado em 1977, "Love → Building on Fire".[3] De setembro de 1977 data o primeiro álbum, Talking Heads: 77[4] que já mostrava o rock e o punk misturados com sons experimentais, por influência de grupos como Velvet Underground e da nova aspiração de Cleveland, Pere Ubu. As músicas "Uh-Oh, Love Comes to Town", "Psycho Killer" e "Pulled Up" foram lançadas como singles.[3]

Em 1978, chega o segundo trabalho do grupo, More Songs About Buildings and Food[5] , numa colaboração com o produtor inglês Brian Eno, conhecido pelo seu trabalho com Roxy Music, David Bowie e Robert Fripp. Brian Eno se tornou uma espécie de "quinto elemento" do grupo e passou a colaborar com novos estilos musicais. É dessa época o cover de Al Green, "Take Me to the River". Este álbum teve uma melhor recepção pela crítica, o que deu certo nome à banda.

As experiências musicais continuaram com o trabalho de 1979, Fear of Music[6] , cujo foco estava no flerte com o clima dark do pós-punk rock. A música "Life During Wartime" ficou famosa nesse momento.

Em 1980, lançam Remain in Light[7] e passam a ter uma maior influência da world music, principalmente ritmos africanos. O trabalho "Once in a Lifetime" marca esse processo.

1981-1991[editar | editar código-fonte]

Após lançar quatro LPs em 4 anos, o Talking Heads fica 3 anos produzindo apenas um e nesse ínterim lançam o trabalho ao vivo The Name of This Band Is Talking Heads[8] .

Durante esse período, David Byrne lança dois trabalhos solo: My Life in the Bush with Ghosts, com Brian Eno; e a trilha sonora da peça de balé The Catherine Wheel. Chris Frantz e Tina Weymouth, influenciados pelo soul, dance e funk também formam um projeto alternativo, o Tom Tom Club, e lançam o primeiro álbum, que leva o nome da banda. Nessa época perdem o produtor Brian Eno, que passa a se dedicar à banda irlandesa U2.

Speaking in Tongues foi lançado em 1983[9] , um trabalho mais comercial que gerou o primeiro grande sucesso da banda no Top 10 americano, "Burning Down the House". A turnê desse trabalho, intitulada "Stop Making Sense" e considerada uma das melhores da história do rock, foi a última da banda. O documentário desta tour foi filmado pelo então novato Jonathan Demme que anos depois ganharia o Oscar de melhor diretor por O Silêncio dos Inocentes. Em Stop Making Sense, álbum ao vivo de 1984, além de "Burning Down the House" temos uma poderosa versão para "Psycho Killer".

Após o lançamento de 1982 outros 3 trabalhos foram criados: em 1985 Little Creatures[10] , em 1986 True Stories[11] e em 1988 Naked[12] . True Stories, trilha sonora para um estranhíssimo filme dirigido pelo proprio Byrne teve como hits "Radiohead" (que inclusive deu nome ao grupo inglês liderado por Thom Yorke, o Radiohead) e a contagiante "Wild Wild Life".

Com o passar do tempo, a banda cada vez mais passou a ficar em segundo plano, sob os pés do líder David Byrne. Após um espaço de 3 anos sem gravações e shows foi dada a "sentença definitiva". No dia 2 de dezembro de 1991, David Byrne anunciou o fim do grupo Talking Heads durante uma entrevista no Los Angeles Times. David Byrne seguiu numa errática carreira solo mas o grupo até hoje é uma referência de rock experimental, pop e criativo influenciando bandas atuais como Arcade Fire, The Killers, Clap Your Hands Say Yeah e, mais recentemente, artistas inspirados pelo worldbeat, como Vampire Weekend e Yeasayer.

Membros[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Erica Starr. The Everything Rock Drums Book with CD: From Basic Rock Beats and Syncopation to Fills and Drum Solos - All You Need to Perform Like a Pro. Everything Books; 2009. ISBN 1-59869-627-0. p. 10.
  2. Biografia de Talking Heads (em Inglês) Allmusic.com.
  3. a b Talking Heads - Discografia em Discogs.com (em Inglês) Discogs.com. Página visitada em 24 Julho 2011.
  4. Talking Heads - Talking Heads: 77 > Review (em Inglês) Allmusic.com. Página visitada em 24 Julho 2011.
  5. Talking Heads - More Songs About Buildings and Food > Review (em Inglês) Allmusic.com. Página visitada em 24 Julho 2011.
  6. Talking Heads - Fear of Music > Review (em Inglês) Allmusic.com. Página visitada em 24 Julho 2011.
  7. Talking Heads - Remain in Light > Review (em Inglês) Allmusic.com. Página visitada em 24 Julho 2011.
  8. Talking Heads - The Name of This Band Is Talking Heads > Review (em Inglês) Allmusic.com. Página visitada em 24 Julho 2011.
  9. Talking Heads - Speaking in Tongues > Review (em Inglês) Allmusic.com. Página visitada em 24 Julho 2011.
  10. Talking Heads - Little Creatures > Review (em Inglês) Allmusic.com. Página visitada em 24 Julho 2011.
  11. Talking Heads - True Stories > Review (em Inglês) Allmusic.com. Página visitada em 24 Julho 2011.
  12. Talking Heads - Naked > Review (em Inglês) Allmusic.com. Página visitada em 24 Julho 2011.