Haroldo de Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde janeiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Haroldo de Campos
Nascimento 19 de agosto de 1929
São Paulo, SP
Morte 16 de agosto de 2003 (73 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação poeta e tradutor

Haroldo Eurico Browne de Campos (São Paulo, 19 de agosto de 1929 — São Paulo, 16 de agosto de 2003[1] ) foi um poeta e tradutor brasileiro. Haroldo fez seus estudos secundários no Colégio São Bento, onde aprendeu os primeiros idiomas estrangeiros, como latim, inglês, espanhol e francês. Ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, no final da década de 1940, lançando seu primeiro livro em 1949, O Auto do Possesso quando, ao lado de Décio Pignatari, participava do Clube de Poesia.

Em 1952, Décio, Haroldo e seu irmão Augusto de Campos rompem com o Clube, por divergirem quanto ao conservadorismo predominante entre os poetas, conhecidos como "Geração de 45". Fundam, então, o grupo Noigandres, passando a publicar poemas na revista do grupo, de mesmo título. Nos anos seguintes defendeu as teses que levariam os três a inaugurar em 1956 o movimento concretista, ao qual manteve-se fiel até o ano de 1963, quando inaugura um trajeto particular, centrando-se suas atenções no projeto do livro-poema "Galáxias".

Haroldo doutorou-se pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, sob orientação de Antonio Candido, tendo sido professor da PUC-SP, bem como na Universidade do Texas, em Austin.

Haroldo dirigiu até o final de sua vida a coleção Signos da Editora Perspectiva. "Transcriou" em português poemas de autores como Homero, Dante, Mallarmé, Goethe, Mayakovski, além de textos bíblicos, como o Gênesis e o Eclesiastes. Publicou, ainda, numerosos ensaios de teoria literária, entre eles A Arte no Horizonte do Provável (1969).

Faleceu em São Paulo, tendo publicado, pouco antes, sua transcriação em português da Ilíada, de Homero.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Xadrez de Estrelas (1976)
  • Signância: Quase Céu (1979)
  • Campos, Haroldo de. Galáxias. São Paulo: Editora 34, 1984. 127 pp. ISBN 8573263008. (Acompanha CD no qual o poeta Haroldo de Campos grava 16 poemas do livro GALÁXIAS, acompanhado pela cítara de Alberto Marsicano - produzido por Arnaldo Antunes)
  • A Educação dos Cinco Sentidos (1985)
  • Crisantempo (1998)
  • A Máquina do Mundo Repensada (2001)

Prêmios e homenagens[editar | editar código-fonte]

Sua biografia foi incluída na Enciclopédia Britânica em 1997.

Foi o ganhador do Prémio Octavio Paz de Poesía y Ensayo, no México, em 1999.

Nesse mesmo ano, as Universidades de Yale e de Oxford organizaram conferências sobre sua obra em comemoração de seus setenta anos.

Foi vencedor do prêmio Jabuti em 1991, 1993, 1994, 1999 e 2002.

Referências

  1. Biografia disponível online na seção educativa do UOL.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Paulo César Souza
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Tradução de Obra Literária

1991
Sucedido por
Ivo Barroso
Precedido por
João José Reis
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Estudos Literários (Ensaios)

1993
Sucedido por
Antonio Candido de Mello e Souza
Precedido por
Alberto da Costa e Silva e outros
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Poesia

1999
Sucedido por
Thiago de Mello e outros
Precedido por
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Tradução

2002
Sucedido por