Haroldo de Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde janeiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Haroldo de Campos
Nascimento 19 de agosto de 1929
São Paulo, SP
Morte 16 de agosto de 2003 (73 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação poeta e tradutor

Haroldo Eurico Browne de Campos (São Paulo, 19 de agosto de 1929 — São Paulo, 16 de agosto de 2003[1] ) foi um poeta e tradutor brasileiro.

Haroldo fez seus estudos secundários no Colégio São Bento, onde aprendeu os primeiros idiomas estrangeiros, como latim, inglês, espanhol e francês. Ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, no final da década de 1940, lançando seu primeiro livro em 1949, O Auto do Possesso quando, ao lado de Décio Pignatari, participava do Clube de Poesia.

Em 1952, Décio, Haroldo e seu irmão Augusto de Campos rompem com o Clube, por divergirem quanto ao conservadorismo predominante entre os poetas, conhecidos como "Geração de 45". Fundam, então, o grupo Noigandres, passando a publicar poemas na revista do grupo, de mesmo título. Nos anos seguintes defendeu as teses que levariam os três a inaugurar em 1956 o movimento concretista, ao qual manteve-se fiel até o ano de 1963, quando inaugura um trajeto particular, centrando-se suas atenções no projeto do livro-poema "Galáxias".

Haroldo doutorou-se pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, sob orientação de Antonio Candido, tendo sido professor da PUC-SP, bem como na Universidade do Texas, em Austin.

Haroldo dirigiu até o final de sua vida a coleção Signos da Editora Perspectiva. "Transcriou" em português poemas de autores como Homero, Dante, Mallarmé, Goethe, Mayakovski, além de textos bíblicos, como o Gênesis e o Eclesiastes. Publicou, ainda, numerosos ensaios de teoria literária, entre eles A Arte no Horizonte do Provável (1969).

Faleceu em São Paulo, tendo publicado, pouco antes, sua transcriação em português da Ilíada, de Homero.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Xadrez de Estrelas (1976)
  • Signância: Quase Céu (1979)
  • Campos, Haroldo de. Galáxias. São Paulo: Editora 34, 1984. 127 pp. ISBN 8573263008. (Acompanha CD no qual o poeta Haroldo de Campos grava 16 poemas do livro GALÁXIAS, acompanhado pela cítara de Alberto Marsicano - produzido por Arnaldo Antunes)
  • A Educação dos Cinco Sentidos (1985)
  • Crisantempo (1998)
  • A Máquina do Mundo Repensada (2001)

Prêmios e homenagens[editar | editar código-fonte]

Sua biografia foi incluída na Enciclopédia Britânica em 1997.

Foi o ganhador do Prémio Octavio Paz de Poesía y Ensayo, no México, em 1999.

Nesse mesmo ano, as Universidades de Yale e de Oxford organizaram conferências sobre sua obra em comemoração de seus setenta anos.

Foi vencedor do prêmio Jabuti em 1991, 1993, 1994, 1999 e 2002.

Referências

  1. Biografia disponível online na seção educativa do UOL.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Paulo César Souza
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Tradução de Obra Literária

1991
Sucedido por
Ivo Barroso
Precedido por
João José Reis
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Estudos Literários (Ensaios)

1993
Sucedido por
Antonio Candido de Mello e Souza
Precedido por
Alberto da Costa e Silva e outros
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Poesia

1999
Sucedido por
Thiago de Mello e outros
Precedido por
Jabuti 01.jpg
Prêmio Jabuti - Tradução

2002
Sucedido por