Android

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Android
Android robot.svg
Android.svg
Produção Estados UnidosGoogle Inc.,
Open Handset Alliance
Família do SO Linux
Modelo Código aberto
Estado Ativo
Lançamento Lançamento interno da empresa 5 de novembro de 2007 (6 anos), Lançamento para o usuário 21 de outubro de 2008 (5 anos).
Versão estável 4.4.3 KitKat 14 de abril de 2014; há 1 semana [1]
Arquitetura(s) ARM, MIPS[2] , Power[3] , x86[4]
Gestão de pacotes APK, Google Play
Núcleo Monolítico (kernel Linux modificado)
Interface Gráfico
Licença Apache 2.0, patches do kernel Linux estão sob a GPL v2[5] )
Página oficial android.com

Android é um sistema operacional baseado no núcleo do Linux[6] para dispositivos móveis, desenvolvido pela Open Handset Alliance, liderada pelo Google Inc.[7] Segundo a Google, mais de 1 milhão e 500 mil aparelhos com este sistema operacional são ativados todos os dias,[8] sendo utilizado por vários fabricantes de celulares, como HTC, Samsung, Sony, Motorola, LG e Nokia ( Nokia X, X+ e XL ).

História[editar | editar código-fonte]

O Google desejava lançar um aparelho com serviços baseados em localização, mas não possuía plataforma para isso. Então, em agosto de 2005, adquiriu a Android Inc., uma pequena empresa em Palo Alto (Califórnia - EUA) que desenvolvia uma plataforma para celulares baseada em Linux, com o objetivo de ser uma plataforma flexível, aberta e de fácil migração para os fabricantes.[9] [10]

Em dezembro de 2006, com as noticias da BBC e The Wall Street Journal, surgiram mais especulações de que o Google estava entrando no mercado de telefones móveis. A imprensa reportou rumores de um telefone desenvolvido pelo Google (atualmente desenvolvido em parceria com a empresa de software Sun Corp.). Então, após dois anos de especulações, em 5 de Novembro de 2007 o Google anunciou o Android como uma plataforma e a criação da Open Handset Alliance (OHA), um conselho com mais de 33 empresas parceiras.[11]

Em 21 de outubro de 2008, o Android se transforma em Open Source, com código publicado como AOSP (Android Open Source Project).

Em 22 de Outubro de 2008, foi lançado comercialmente o primeiro aparelho móvel com o sistema Android, o HTC Dream ou G1.[12]

Em 2 de novembro de 2009, foi lançado o Motorola Droid ou Milestone, sendo considerado um dos melhores aparelhos com Android, com ótimas críticas, sendo um dos celulares mais vendidos.

Em 5 de Janeiro de 2010, o Google lança o primeiro celular com sua marca, o HTC Nexus One, sendo considerado o primeiro superphone devido processador de 1GHz. Mas suas vendas não foram bem, devido a o Google vendê-lo apenas online (sem associação às operadoras).

Em 27 de maio de 2010, Matias Duarte, antigo diretor da interface do WebOS, junta-se à equipa do Android após a compra da Palm pela HP[13] .

O primeiro tablet comercialmente disponível com Android 3.0 foi o Motorola Xoom, lançado em 24 de fevereiro de 2011 nos Estados Unidos.

Características[editar | editar código-fonte]

Screenshot da tela inicial do Android

Com o lançamento do SDK, características e especificações para o Android são facilmente distribuídas.[14] [15]

Handset layouts
A plataforma é adaptada tanto para dispositivos VGA maiores, gráficos 2D, bibliotecas gráficas 3D baseadas em OpenGL ES especificação 2.0 e os layouts mais tradicionais de smartphones.
Armazenamento
É utilizado SQLite para armazenamento de dados.
Mensagens
Tanto SMS como MMS são formas disponíveis de envio de mensagens.
Navegador
O navegador disponível no sistema é baseado no framework de Código aberto conhecido como WebKit.
Máquina Virtual Dalvik
Aplicações escritas em Java são compiladas em bytecodes Dalvik e executadas usando a Máquina Virtual Dalvik, que é uma máquina virtual especializada desenvolvida para uso em dispositivos móveis, o que permite que programas sejam distribuídos em formato binário (bytecode) e possam ser executados em qualquer dispositivo Android, independentemente do processador utilizado. Apesar de as aplicações Android serem escritas na linguagem Java, ela não é uma máquina virtual Java, já que não executa bytecode JVM. Atualmente, está disponível, em caráter experimental, uma nova máquina virtual chamada ART (Android RunTime) que promete otimizar o carregamento de aplicativos. O Android ART está disponível apenas no Android 4.4 'KitKat' e superiores.[16]
Multimídia
O sistema suporta formatos de áudio e vídeo como: MPEG-4, H.264, MP3, e AAC.
Suporte Adicional de Hardware
O Android é totalmente capaz de fazer uso de câmeras de vídeo, tela sensível ao toque, GPS, acelerômetros e aceleração de gráficos 3D.
Ambiente de desenvolvimento (SDK)
Inclui um emulador, ferramentas para debugging, memória e análise de performance. O Eclipse (IDE) (atualmente 3.4 ou 3.5) poderá ser utilizado por meio do plugin Android Develpment Tools (ADT).

Proporções globais[editar | editar código-fonte]

Atualmente o Android é o sistema operacional móvel mais usado no mundo. Em 2013 estava presente em cada 4 de 5 smartphones, possuindo 81% deste mercado, [17] sendo a versão predominante a "Jelly Bean" estando em mais da metade dos aparelhos. [18] Também em 2013, fora noticiado que mais de 1 Bilhão de aparelhos continham o Android [19] e que sua loja virtual de aplicativos já ultrapassara de 1 milhão de apps, jogos e etc [20]

Super usuário ativo no Android[editar | editar código-fonte]

Ativar o root (superusuário) é simples, no entanto esse processo pode ocasionar problemas com a garantia, devido a o usuário ter acesso a configurações que podem danificar o aparelho.

Um dos principais objetivos se ativar o superusuário é usar aplicativos que requerem acesso mais avançado que o normal disponibilizado pela fábrica, como, por exemplo, aplicativos que fazem overclock/underclock, sistema antifurto, distribuidores de conexão móvel (hotspot) via wi-fi. O processo é reversível e se chama unroot.

O Android já é o sistema operacional para aparelhos móveis mais customizável, porém, ao se fazer root, o leque de possibilidades se abre ainda mais.

ROMs personalizadas[editar | editar código-fonte]

Logo da ROM CyanogenMod.

As ROMs personalizadas são muito procuradas, pois modificam todo o sistema em busca de melhora no desempenho e no uso da memória. Devido a modificações na ROM original do aparelho, é necessário ter acesso root.

As mais famosas são: CyanogenMod, AOKP, Miui.

Pode-se encontrar milhares de outras ROMs alternativas para aparelhos Android, já que o código fonte do Android é livre e qualquer um pode modificar.

As ROMs personalizadas são uma alternativa que traz muitas melhorias para o aparelho, pois você pode modificar praticamente tudo e, com isso, melhorar o desempenho do aparelho.

Versões[editar | editar código-fonte]

Diagrama da arquitetura do Android.

As diferentes versões de Android têm, desde a versão 1.5, nomes de sobremesas ou bolos (em inglês) e seguem uma lógica alfabética:

. 1.0: Astro (Voltado principalmente para negócios, esta versão tinha como principais características suporte a navegadores HTML, reprodução de vídeos via YouTube, além de serviços como GTalk, Gmail, Google Maps e Google Sync. Logo em sua primeira versão, implantou a janela de notificações, além de já possuir o Android Market para o download e atualização de apps.)

  • 1.5: Cupcake (Abril de 2009, com a última revisão oficial em maio de 2010)
  • 1.6: Donut (Setembro de 2009, com a última revisão oficial em maio de 2010)
  • 2.0 - 2.1: Eclair (Janeiro de 2010, com a última revisão oficial em maio de 2010)
  • 2.2: FroYo (Frozen Yogurt - Maio de 2010, com a última revisão oficial em julho de 2011)
  • 2.3: Gingerbread (versão lançada em 6 de dezembro de 2010)
  • 3.0 - 3.2: Honeycomb (Lançada especialmente para tablets em Janeiro de 2011)[21]
  • 4.0: Ice Cream Sandwich (Anunciada oficialmente em 19 de outubro de 2011)[22]
  • 4.1 - 4.2 - 4.3: Jelly Bean (Versão principal, lançada em 27 de junho de 2012, com atualização recebida em 24 de julho de 2013)
  • 4.4: KitKat (última versão, lançada em 31 de outubro de 2013 junto com o novo smartphone do Google Nexus 5)[23]

Licenciamento[editar | editar código-fonte]

O Android está disponível como código aberto desde 21 Outubro de 2008. O Google publicou todo o código sob a licença Apache. No entanto, ele depende de uma autorização do próprio Google para poder acessar a biblioteca de aplicativos, Play Store.

No licenciamento para se conseguir um certificado válido para a Play Store, o celular deve passar por testes para verificar se ele é compatível, em hardware, com os aplicativos disponibilizados pela loja.

Estatísticas de utilização[editar | editar código-fonte]

Fragmentação da utilização das versões. Dados obtidos durante 14 dias encerrado no dia 02 outubro de 2013[24]

Dados obtidos em Março de 2014 revelam que atualmente a versão mais usada do Android é a Jelly Bean, com 62%, seguida da Gingerbread, com 19%.

Distribuição Nível API  %
4.4.x KitKat 19 2,5%
4.1.x - 4.2.x - 4.3.x Jelly Bean 16-17-18 62%
4.0.x Ice Cream Sandwich 14-15 15.2%
3.2.x Honeycomb 13 0.1%
2.3.x Gingerbread 10 19%
2.2.x Froyo 8 1.2%

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
Bugdroid feito com latas em Nova Iorque.
  • O mascote do Android é um robô e seu nome é Bugdroid.[25]
  • Os nomes de versões do Android seguem ordem alfabética: Cupcake, Donut, Eclair, Froyo, Gingerbread, Honeycomb, Ice Cream Sandwich, Jelly Bean, e KitKat. Ninguém do Google até hoje revelou quais eram os nomes das duas primeiras versões com A (possívelmente chamada de "Astro") e B e se recusam terminantemente a falar sobre o assunto.[26]
  • Desde a versão 2.3 do Android, a Gingerbread, há um easter egg escondido nas configurações do dispositivo. Para encontrá-lo, é preciso acessar Configurações > Sobre o Telefone > Versão Android.[27]
  • Primeiramente a versão 4.4 seria chamada de "Key Lime Pie" (Torta de Limão) mas a Google fez um acordo com a Nestlé e a versão 4.4 do Android recebeu o nome de KitKat .[28]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.androidpit.com.br/android-4-4-3-nexus-5
  2. MIPS Technologies, Inc (2009). Android on MIPS, "MIPS Technologies" (em inglês). Acessado em 2011-05-21.
  3. PPCDroid (2010). PPCDroid, "PPCDroid" (em inglês). Acessado em 2011-05-21.
  4. Android-x86 (2010). Android-x86, "Android x86" (em idioma). Acessado em data.
  5. Licenses. Android Open Source Project. Open Handset Alliance. Página visitada em 2010-06-10.
  6. Steven J. Vaughan-Nichols. Android/Linux kernel fight continues (em Inglês). Página visitada em 7 de Setembro de 2010.
  7. Philosophy and Goals (em Inglês). Página visitada em 30 de Junho de 2012.
  8. http://www.noteshared.com/2013/04android-tem-mais-15-milha-de-novos.html
  9. Google Buys Android for Its Mobile Arsenal. Businessweek.com (2005-08-17). Página visitada em 2010-10-29.
  10. Sayed Y.Hashimi, Satya Komatinemi. Pro Android. [S.l.]: APress. p. 3. ISBN 978-1-4302-1596-7
  11. "Dossiê Android: 3 anos de vida, e muitas datas para serem lembradas [História do Android]", mobilidade.fm. Página visitada em 2009-05-19.
  12. "T-Mobile Unveils the T-Mobile G1 - the First Phone Powered by Android", HTC. Página visitada em 2009-05-19. AT&T's first device to run the Android OS was the Motorola Backflip.
  13. Matias Duarte nouveau venu dans la team Android !. Frandroid.com (27 mai 2010). (em francês)
  14. Google. What is Android? (em Inglês). Página visitada em 20 de Março de 2008.
  15. Engadget. Google's Android OS early look SDK now available (em Inglês). Página visitada em 20 de Março de 2008.
  16. http://source.android.com/devices/tech/dalvik/art.html
  17. http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2013/10/no-mundo-4-cada-5-smartphones-vendidos-rodam-o-sistema-android.html
  18. http://www.tecmundo.com.br/android/46596-jelly-bean-esta-em-mais-de-50-dos-dispositivos-android.html
  19. http://wwww.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?id=1405494&tit=Android-atinge-1-bilhao-de-aparelhos-e-lanca-versao-44
  20. www.tecmundo.com.br/android/42365-android-atinge-marca-de-1-milhao-de-apps.htm
  21. Honeycomb version d’Android après Gingerbread Android France, 20 aout 2010 (em francês)
  22. Google apresenta o Android 4.0 "Ice Cream Sandwich" - Notícias - PC WORLD. pcworld.uol.com.br. Página visitada em 19 de abril de 2012.
  23. [http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2013/10/google-lanca-nexus-5-primeiro-rodar-o-novo-android-kitkat.html 31/10/2013 18h05 - Atualizado em 31/10/2013 18h05 Google lança Nexus 5, primeiro a rodar o novo Android KitKat]. globo.com. Página visitada em 01 de novembro de 2013.
  24. Platform Versions. Android Developers. Página visitada em 2010-12-01.
  25. 4 mascotes famosos que você não sabia que tinham nome. Página visitada em 07/06/2013.
  26. O porquê dos nomes das versões do Android. Página visitada em 05/12/2012.
  27. Easter Eggs são encontrados nas configurações dos dispositivos Android.
  28. google faz acordo com nestle e android 4.4 se chamara kitkat. Página visitada em 04/09/2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
 ver·editar  Portal do LinuxTux.svg


Arch  · Debian  · Fedora  · Ubuntu  · Mandriva  · Linux Mint  · OpenSUSE  · PCLinuxOS  · Puppy  · Sabayon  · Slackware Linux  · Kurumin  · Big Linux  · Poseidon Linux  · Ekaaty Linux  · DreamLinux