Loja virtual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Loja virtual designa uma página na Internet com um software de gerenciamento de pedidos (carrinho de compras ou cesto de compras) na qual empresas oferecem e vendem seus produtos. Os clientes acessam o site, escolhem os produtos para aquisição e recebem estes produtos em casa. Para ser caracterizada como loja virtual, o site deve ter todo o processo feito pela internet, desde a escolha dos produtos até o pagamento.

Características[editar | editar código-fonte]

Uma loja virtual deve oferecer informações detalhadas e objetivas sobre o produto, uma vez que não possuem vendedores, e também ajudar o cliente a tomar a melhor decisão. Deve transmitir confiança, através de clareza e honestidade nas informações, com apoio e esclarecimento de dúvidas de forma rápida e garantia de devolução de produtos.

A principal característica de uma loja virtual é a presença de um carrinho de compras ou cesto de compras. Essa funcionalidade possibilita ao visitante adicionar produtos a um cesto de compras e finalizar o pedido num ambiente criptografado, onde seus dados pessoais e financeiros estarão protegidos.

Atualmente é muito simples ter uma loja virtual, há diversos softwares disponíveis no mercado, chamados plataformas de ecommerce. Alguns são gratuitos (open source) tais como Magento e OsCommerce, outros são pagos, cujos valores podem variar de R$ 50,00 a mais de R$ 10 mil mensais.

Algumas das formas de pagamento utilizadas nas transações são:

No Brasil, segundo dados da e-bit, até o final de 2009 17 milhões de de pessoas realizaram pelo menos uma compra na internet, são os chamados e-consumidores. Por isso, os grandes varejistas virtuais do país cada vez se consolidam mais em um mercado que ainda tem grande potencial de crescimento.

Em 2009, as vendas pela Internet apresentaram crescimento de 25% sobre 2008, somando R$ 10,5 bilhões, de acordo com dados da e-bit e da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Câmara-e.net). Em 2010 o faturamento do ecommerce no Brasil atingiu 14,8 bilhões de Reais.

As vendas pela internet representam também uma grande oportunidade para as pequenas empresas, uma vez que as ferramentas de marketing on-line possibilitam que briguem de igual para igual com os grandes varejistas[1] . Por isso, as lojas virtuais de pequeno porte são as que apresentam crescimento mais significativo, tirando cada vez mais quota de mercado dos grandes varejistas na internet.

Vantagens[editar | editar código-fonte]

Muitas empresas estão migrando parte de seus esforços para as vendas online. Algumas das vantagens:

  • Baixo custo de entrada: é possível abrir uma loja virtual sem gastar nada, usando plataformas de ecommerce open source.
  • Baixo custo de manutenção: ao contrário das lojas físicas, não precisa pagar aluguel, água, luz, telefone, comissão de vendedores, etc.
  • Possibilidade de vender produtos para qualquer lugar do mundo: é possível vender em diferentes moedas e receber pagamentos por cartão de crédito internacional.
  • Oferece comodidade para os consumidores comprarem sem sair de casa: aberta 24 horas por dia, sete dias por semana.
  • Para fabricantes, é uma forma de vender direto para o consumidor.

Referências

  1. Livro Como Abrir uma Loja Virtual de Sucesso. Editora Gramma (30 de Março de 2010).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.