Sergey Brin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sergey Mihailovich Brin
Сергей Михайлович Брин
Nascimento 21 de Agosto de 1973 (41 anos)
Moscou,  União Soviética
Nacionalidade Rússia russo e
Povo dos Estados Unidos norte-americano
Fortuna Aumento $18,7 Bilhões USD (2012)[1]
Cônjuge Anne Wojcick (divorciada)
Ocupação Co-fundador e Presidente de Tecnologia da Google Inc.
Assinatura
Sergey Brin google signature.svg

Sergey Mihailovich Brin, mais conhecido como Sergey Brin, (Moscou, 21 de agosto de 1973) é co-fundador e atual presidente de tecnologia do Google, o site de busca mais popular da internet. Filho de pais judeus, Sergey Brin emigrou em 1979 para os Estados Unidos juntamente com a família, fugindo ao anti-semitismo da União Soviética. Seu pai, Mihail Brin, começou a trabalhar na Universidade de Maryland, no College Park, onde continua até hoje e sua mãe, Eugenia Brin, trabalha atualmente como especialista na NASA. Sergey formou-se em Matemática e Ciências da Computação com honras pela Universidade de Maryland. Sergey é MBA honorário pelo Instituto de Empresa.

Atualmente está afastado do programa de doutorado em Ciência da Computação na Universidade de Stanford, onde obteve seu título de mestre. Onde, também, se juntou a Larry Page e juntos pesquisaram e desenvolveram o Google, uma empresa com valor de mercado estimado em 125 bilhões de dólares, fundada em 1998, dividindo a responsabilidade pela empresa entre ambos desde então.

Em 2012 a Revista Forbes classificou Sergey Brin como a 24° pessoa mais rica do mundo, com 18,7 bilhões de dólares.[2]

Infância e educação[editar | editar código-fonte]

Sergey Brin nasceu em Moscou, na União Soviética, filho de pais judeus, Michael Brin e Eugenia Brin, ambos graduados da Universidade Estadual de Moscou. Seu pai é um professor de matemática na Universidade de Maryland, e sua mãe é uma cientista de pesquisa da NASA 's Goddard Space Flight Center.

Infância na União Soviética[editar | editar código-fonte]

Em 1979, quando Brin tinha seis anos, sua família sentiu a necessidade de emigrar para os Estados Unidos. Em uma entrevista com Mark Malseed, autor de The Google Story, o pai de Sergey explica como se sentiu "forçado a abandonar seu sonho de se tornar um astrônomo, mesmo antes de chegar à faculdade. Oficialmente, o anti-semitismo não existia na URSS, mas, na realidade, a liderança do Partido Comunista barrava os judeus de chegarem na alta hierarquia profissional, negando-lhes o acesso às universidades (ambos os pais são graduados da Universidade Estadual de Moscou). Judeus foram excluídos do departamentos de Física, em particular ... " Ele, portanto, mudou seus estudos para a matemática, onde recebeu quase sempre nota A. No entanto, ele disse: "Ninguém iria me considerar para a pós-graduação, porque eu era judeu." A família Brin vivia em um pequeno apartamento de três quartos, com 35 metros quadrados no centro de Moscou, que também era compartilhado com a avó paterna de Sergey. Sergey conta que "eu sabia há muito tempo que meu pai não foi capaz de prosseguir na carreira que queria", mas Sergey apenas entendeu os detalhes anos mais tarde, depois que eles tinham se estabelecido na América. Ele entendeu como, em 1977, depois que seu pai retornou de uma conferência de matemática em Varsóvia, Polônia, e disse que era hora da família emigrar. "Não podemos ficar mais aqui", disse à sua esposa e à sua mãe. Na conferência, ele pode "misturar-me livremente com os colegas dos Estados Unidos, França, Inglaterra e Alemanha, e descobriu que seus irmãos intelectuais do Ocidente 'não eram monstros." E acrescentou: "Eu era o único na minha família que havia decidido que era realmente importante sair ...".

A mãe de Sergey estava menos disposta a deixar sua casa em Moscou, onde tinham passado sua vida inteira. Malseed escreve: "Por Genia, a decisão em última instância, seria de Sergey. Enquanto o marido confessa que ele estava pensando muito sobre seu próprio futuro do que de seu filho, para ela era 80/20 sobre o futuro de Sergey ". Eles solicitaram formalmente seu visto de saída, em setembro de 1978, e, como resultado seu pai "foi prontamente demitido." Por razões relacionadas, sua mãe também teve que deixar seu emprego. Pelos próximos oito meses, sem qualquer renda fixa, eles foram forçados a aceitar empregos temporários enquanto esperavam, não sabendo se seu pedido de visto seria concedido. Durante este tempo, seus compartilharam a responsabilidade por cuidar dele e seu pai ensinou-lhe programação de computadores. Em maio de 1979, foram concedidos os vistos de saída oficial e assim foram autorizados a deixar o país.

Em uma entrevista em outubro de 2000, Brin disse, "Eu sei os tempos difíceis que meus pais passaram lá, e sou muito agradecido de terem me trazido para os Estados Unidos." Uma década antes, no verão de 1990, algumas semanas antes de seu aniversário de 17 anos, seu pai levou um grupo de talentosos alunos do ensino médio de matemática, incluindo Sergey, em um programa de intercâmbio de duas semanas na União Soviética. "Como Sergey recorda, a viagem despertou o medo de infância em relação à autoridade" e lembra que seu "primeiro impulso de enfrentamento da opressão soviética tinha sido jogar pedras em um carro da polícia." Malseed acrescenta: "No segundo dia da viagem, enquanto o grupo visitou um sanatório no campo, aos arredores de Moscou, Sergei chamou seu pai de lado, olhou-o nos olhos e disse: 'Obrigado por levar-nos todos para fora da Rússia."

Educação na América[editar | editar código-fonte]

Brin foi à escola primária na Escola Montessori Paint Branch em Adelphi, Maryland, mas ele recebeu educação complementar em casa, seu pai, um professor do departamento de matemática na Universidade de Maryland, o que alimentou o seu interesse pela matemática e sua família o ajudou a manter vivo o domínio da língua Russa. Em setembro de 1990, após ter freqüentado o ensino médio Eleanor Roosevelt High School, Brin foi matriculado na Universidade de Maryland, em College Park para estudar ciência da computação e matemática, onde recebeu seu diploma de bacharel em ciências da computação, com mérito, em maio de 1993.

Brin começou seus estudos de pós-graduação em Ciência da Computação na Universidade de Stanford em uma bolsa de pós-graduação da National Science Foundation. Em 1993, era estagiário na Wolfram Research, fabricante do Mathematica (software). À época em que escrevemos, Sergey em licença de estudos de seu doutorado(Ph.D.) na Universidade de Stanford.

Desenvolvimento do motor de busca[editar | editar código-fonte]

Durante uma orientação para novos alunos em Stanford, ele conheceu Larry Page. Em uma recente entrevista para a revista The Economist, Brin, brincando, disse: "Nós somos ambos do tipo de detestável". Eles pareciam discordar na maioria dos assuntos. Mas, depois de passar algum tempo juntos, "nos tornamos alma-gêmea intelectual e amigos íntimos." O foco de Brin foi o desenvolvimento de sistemas de classificação de dados (data-mining) enquanto que Page estava em aprofundar "o conceito de se inferir a importância de um trabalho de pesquisa a partir de suas citações em outros trabalhos." Juntos, os dois foram autores do que é considerado a sua contribuição decisiva, um trabalho intitulado "The Anatomy of a Large-Scale Hypertextual Web Search Engine.", ou A Anatomia de um motor de buscas para hipertexto web de larga escala.

Combinando suas ideias, eles "abarrotaram seus dormitórios com computadores baratos" e testaram os seus sistemas do novo motor de busca na web. Seu projeto cresceu rápido o suficiente "para causar problemas de infra-estrutura de computação de Stanford." Mas eles perceberam que tinham conseguido criar um motor superior para pesquisar a web e suspenderam seus estudos de doutorado para trabalhar mais em seu sistema.

Como Larry Malseed escreveu, "pedindo dinheiro aos membros do corpo docente, familiares e amigos, Sergey e Larry juntaram o suficiente para comprar alguns servidores e para alugar a famosa garagem em Menlo Park. ... [Logo após], o co-fundador da Sun Microsystems, Andy Bechtolsheim, escreveu um cheque de US$ 100.000 para a "Google Inc." O único problema era que a "Google Inc." ainda não existia, não tinha sido formalmente criada. Durante duas semanas, enquanto lidavam com a papelada, os jovens não tinham como descontar o cheque."

A revista The Economist descreve como Brin encara a vida, assim como Page, como uma visão resumida pelo lema do Google "de tornar a informação do mundo universalmente acessível e útil a todos". Pouco tempo depois de os dois "cozinharem seu motor para pesquisas na web, eles começaram a pensar sobre a informação que está hoje fora da web", como a digitalização de livros, e divulgação de informações de saúde.

Prêmios e reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Produziu mais de uma dúzia de trabalhos acadêmicos, que incluem: Extraindo Padrões e Relações da WWW; Data Mining Dinâmico: Uma Nova Arquitetura de Dados com Alta Dimensionalidade, que foram publicadas em conjunto com Larry Page; Técnicas Escalonáveis para Exploração de Estruturas Casuais; Contagem Dinâmica de Conjuntos de Itens e Regras Derivadas para Dados de Transações de Compra e Além das Transações de Compra: Generalizando Regras de Associação para Correlações.

Em 2003, tanto Brin como Page receberam o MBA honorário do IE Business School, "para que incorporem o espírito empreendedor e dinamismo de comando para a criação de novas empresas ...". Em 2004, eles receberam o prêmio da Fundação Marconi, o Maior "Prêmio em Engenharia", e foram eleitos Fellows (membro honorário) da Fundação Marconi na Universidade de Columbia. "Ao anunciar a sua seleção, John Jay Iselin, presidente da Fundação, parabenizou os dois homens pela sua invenção que mudou fundamentalmente a forma como a informação é recuperada hoje." Juntaram-se a um quadro "seleto dos 32 pioneiros mais influentes do mundo da tecnologia de comunicação ..."

Em fevereiro de 2009, Brin foi empossado na Academia Nacional de Engenharia, que é "uma das mais altas distinções concedidas a um engenheiro ... [e] homenageia aqueles que deram contribuições importantes para pesquisa na prática de engenharia...". Ele foi selecionado especificamente, "para a liderança no desenvolvimento de indexação e recuperação rápida de informações relevantes a partir da World Wide Web".

Também foi orador no World Economic Forum and the Technology, Entertainment and Design Conference.

Em 2014, foi eleito pela Forbes, o 17 mais rico do mundo, com uma fortuna avaliada em US$32,8 bilhões.[3]

Vida no Google[editar | editar código-fonte]

Sergey ainda divide com Larry Page responsabilidade pelas operações diárias da empresa e pelo laboratório X, laboratório de inovação responsável pelo Google Glass, o Loon, para usar balões para levar conexão de internet a pontos afastados do mundo e o carro autônomo.[4] Dentre as atividades de pesquisa de Sergey estão inclusos mecanismos de busca, extração de informações de fontes não estruturadas e data mining em grandes conjuntos de texto e dados científicos.

Referências