Government Communications Headquarters

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Modelo do edifício sede do GCHQ em Cheltenham.

O Government Communications Headquarters (GCHQ) é um serviço de inteligência britânico encarregado da segurança e da espionagem e contraespionagem nas comunicações, atividades tecnicamente conhecidas como SIGINT (Inteligência de sinais) O órgão também é responsável pela garantia de informação ao Governo Britânico e as Forças Armadas daquele país. Está sediado em Cheltenham.[1]

Faz parte do grupo de cinco Estados chamados de os "Cinco Olhos":Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido.[2] [3] [4]

Atividades[editar | editar código-fonte]

CESG (Communications-Electronics Security Group) é o braço do GCHQ que trabalha para proteger as comunicações e sistemas de informação do governo e áreas críticas de infra-estrutura nacional do Reino Unido.

O GCHQ, inicialmente chamado Government Code and Cypher School (GCCS ou GC&CS), foi criado após a Primeira Guerra Mundial a partir da Bletchley Park e como resultado da fusão da Room 40 (serviço de criptografia da Marinha Real Britânica) e do MI-8 (serviço de criptografia do Exército Britânico). Em 1946 adotou a sigla GCHQ que mantém até hoje.[5]

Durante a Segunda Guerra Mundial, participou ativamente na luta contra o nazismo, sendo o responsável pela gestão do projeto Enigma que usava a criptografia para proteger e, consequentemente, descriptografar as mensagens inimigas das forças alemãs.[6]

Parcerias[editar | editar código-fonte]

Através do tratado UKUSA o GCHQ compartilha informações com a National Security Agency (NSA), agência de segurança americana, mantendo atividades no Reino Unido recolhendo e analisando informações para o projeto Echelon.[7]

O GCHQ possui uma estação na Ilha de Ascensão, de onde também é feita a interceptação dos sinais de rádio e de satélite advindos de boa parte da América do Sul e da África, atraés do sistema Echelon. Há estações de interceptação de sinais de satélite existentes na ilha, além do grande do grande número de antenas de rádio e de satélite espalhadas por toda a Ilha de Ascensão.

Em 2013, as revelações por Edward Snowden confirmaram e acrescentaram informações sobre as atividades de espionagem do GCHQ e o programa para Exploração Global das Telecomunicações mostrou a ligação do GCHQ como o sistema de Vigilância global da NSA.

Participaçāo no sistema de Vigilância global da NSA[editar | editar código-fonte]

O sistema de vigilância global da NSA foi revelado em junho de 2013 no jornal The Guardian, baseada em documentos revelados por Edward Snowden e são participantes também os demais Estados signatários do Tratado de Segurança UK-USA conhecido como "Cinco Olhos" (Five Eyes - em inglês). Os membros participantes são: Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido.[1] [2] .

Através de vários programas, entre eles o programa de vigilância telefônica chamado Exploração Global das Telecomunicações, a agência de inteligência britânica colabora e participa ativamente do sistema de Vigilância global da Agência de Segurança Nacional.[3] [4] [5] [6] [7] [8] .

A existência do programa Exploração Global das Telecomunicações do GCHQ foi revelada ao mesmo tempo que a de seu programa irmão, o programa de vigilância "Dominando a Internet"[9] .

Revelações da vigilância global em 2014[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2014, o The Intercept publicou informações sobre a colaboração do GCHQ com a NSA que mostraram que o GCHQ omitiu mesmo dos membros do Parlamento britânico a extensão de suas atividades conjuntas com a NSA. As revelações levaram os parlamentares britânicos e exigirem uma revisão rigorosa das atividades clandestinas do órgão uma vez que na primeira vez que isto foi feito o GCHQ não forneceu dados sobre as proporções reais da sua participação na vigilância global com a NSA.[10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]