Software proprietário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde agosto de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O Software proprietário, particular ou não livre é um software para computadores que é licenciado com direitos exclusivos para o produtor.[1] Conforme o local de comercialização do software este pode ser abrangido por patentes, direitos de autor assim como limitações para a sua exportação e uso em países terceiros. Seu uso, redistribuição ou modificação é proibido, ou requer que você peça permissão, ou é restrito de tal forma que você não possa efetivamente fazê-lo livremente..[2] A expressão foi criada em oposição ao conceito de software livre.

Em português, para software, o termo "proprietário" poderia ser considerado uma tradução equivocada do inglês "proprietary". Mas tornou-se usual e não deverá ser abandonado. Aplicando-se o termo a software, o sentido pretendido é de que o software "é pertencente a um proprietário" ou "particular"; e mais claro é ler "software proprietário" como "software privado" ou "software particular".

Limitações ao uso[editar | editar código-fonte]

Normalmente, a fim de que se possa utilizar, copiar, ter acesso ao código-fonte ou redistribuir, deve-se solicitar permissão ao proprietário, ou pagar para poder fazê-lo: será necessário, portanto, adquirir uma licença.

Termos similares[editar | editar código-fonte]

  • O fundador do movimento FSF, o norte americano Richard Stallman, por vezes utiliza o termo "software que subjuga o usuário"[3] para descrever o software proprietário.
  • O termo "non-free" — que em português pode ser traduzido como "não-livre" — é utilizado pelos desenvolvedores do projeto Debian, para descrever qualquer software no qual a licença não é compativél com a Debian Free Software Guidelines, e utilizam o termo "proprietary software" — em português usual: "software proprietário" — especificamente para o software não livre que não vem com o código fonte.
  • A iniciativa Open Source Initiative utiliza o termo "software proprietário" e "software código fechado" para se referir á mesma coisa.[4] [5]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Alguns softwares proprietários são o Microsoft Windows, o Microsoft Office, o RealPlayer, o Adobe Photoshop, o Mac OS, O iOS o WinZip, algumas versões do Unix, entre outros.

Referências

  1. Eric S. Raymond (29/12/2003). Software proprietário deve ser destinguido de software comercial. Página visitada em 5/8/2012.
  2. Categorias de Softwares Livres e Não-Livres - Projeto GNU - Free Software Foundation (FSF). Projeto GNU. Página visitada em 19 de julho de 2012.
  3. Stallman, Richard. gcc@gcc.gnu.org mailing list. http://gcc.gnu.org/ml/gcc/2009-02/msg00275.html. 
  4. Russell Nelson (2008-03-14). Who speaks for the Open Source Community?.
  5. Russell Nelson (2008-03-24). Patent owners and Open Source.

Ver também[editar | editar código-fonte]