Mandriva Linux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mandriva Linux  v  e 
Logotipo
Mandriva Linux 2011
Desenvolvedor Mandriva
Modelo do desenvolvimento Software Livre
Lançado em 23 de julho de 1998 (16 anos)
Versão estável 2011.0 (Hydrogen) / 29 de agosto de 2011; há 173 semanas e 1 dia
Versão em teste 'cooker' /
Língua natural Multilíngue
Família GNU
Núcleo Linux
Método de atualização urpmi
Gerenciamento de pacotes RPM
Interface KDE
Origem comum
Portal do Software Livre

Mandriva Linux é uma das maiores distribuições Linux da atualidade. Nasceu da fusão entre o antigo Mandrake Linux e a brasileira Conectiva.

A Empresa Francesa Mandriva dedica-se à distribuição e suporte do Sistema Operacional Mandriva Linux, tem sua sede administrativa em Paris e um centro de desenvolvimento em Curitiba no Brasil; o laboratório brasileiro recebe o nome de Mandriva Conectiva. A Mandriva também possui um escritório em San Diego, nos Estados Unidos. O Mandriva Linux conta também com um grande número de contribuidores pelo mundo e seu público-alvo engloba usuários iniciantes no mundo Linux assim como usuários mais experientes.

A empresa começou suas atividades em 7 de abril de 2005 ao juntar os ativos da empresa francesa Mandrake e a brasileira Conectiva SA. No mesmo ano, a Mandriva adquiriu também os ativos da Lycoris, responsável por outra distribuição Linux homônima, nos Estados Unidos, para usuários domésticos.

É distribuída através da licença GNU GPL e é possível baixar em imagens ISO, funcionando também como Live CD. A primeira versão foi baseada no Red Hat Linux, versão 5.1, e utiliza a interface gráfica KDE.

Características[editar | editar código-fonte]

As principais características do Mandriva Linux são:

Internacionalização[editar | editar código-fonte]

O idioma é escolhido no momento da instalação. São 74 idiomas disponíveis, entre eles o português brasileiro e o português europeu.

Problemas[editar | editar código-fonte]

O Linux Mandriva quando pirata (PowerPack pirata) não possibilita a adição de mídias específicas de software proprietário dessa versão, impossibilitando a atualização dos mesmos.

Instalação, controle e administração[editar | editar código-fonte]

O instalador do Mandriva Linux é possivelmente um dos mais amigáveis entre as distribuições Linux da atualidade, nele configurações podem ser realizadas tanto em modo gráfico quanto em modo texto, o Mandriva Linux dispõe de programas para manutenção do sistema chamados de Drakes, entre eles o Drakx11, para configurar a placa de vídeo e outros, o DiskDrake, para configurar as partições de disco rígido o Drakconnect, para configurar conexões de rede e internet, o Drak3d para configurar efeitos 3D na Área de Trabalho e muitos outros.

Software Atual[editar | editar código-fonte]

Todas as versões gratuitas do Mandriva chegaram agora ao fim de seu ciclo de vida e o código fonte disponibilizado foi bifurcado em outras distribuições, mais recentes, como Mageia, Rosa Linux e openMandriva.

Atualmente, existem disponíveis apenas edições não livres corporativas e de servidores, incluindo:

  • Mandriva Class
  • Mandriva Business Server
  • Mandriva CloudPulse

Software Descontinuado[editar | editar código-fonte]

O Mandriva Linux, que forma parte do grupo LSB (Linux Standard Base), disponibilizou em 2008 as seguintes versões: One; Free; PowerPack;

  • One

- Voltado para o uso desktop, o Mandriva One foi um live-cd instalável que foi desenvolvido para diminuir a curva de aprendizado dos usuários que estão migrando do Windows®. Esta versão traz uma interface gráfica atraente, simples, uma prática ferramenta de atualização e instalação de softwares e foi disponibilizada em cd. Foi um sistema totalmente funcional e incluiu alguns aplicativos de código fechado, como Java, Flash Player com plugin no Navegador, drivers de vídeo nVidia, ATI, drivers Wifi, codecs de multimídia entre outros. Atributos: instalação rápida, bastava clicar no ícone "Instalar" da Área de trabalho; Interface gráfica amigável, configuração e detecção automática de hardware; fácil acesso para drivers e partições com Windows; Firewall interativo e funcionava a partir do cd sem precisar instalar no disco rígido.

  • Free

- O Mandriva Free foi a versão "pura", conta somente com software livre, graficamente foi muito parecido com o One, tinha uma interface limpa e intuitiva, estando disponível em 1 DVD, a instalação era simples e você escolhia qual interface queria usar, entre KDE, GNOME, XFCE e podia optar por uma instalação personalizada, instalando somente os programas desejados. Se você usasse a versão Mandriva Free, adicionar repositórios de programas era indispensável se você quisesse coisas como Java, Flash Player, drivers Nvidia, drivers para Wireless, codecs multimídia e programas de código fonte fechado em geral, isso era muito fácil de se fazer no Mandriva Linux, bastando acessar o Centro de Controle e escolher "Configurar mídias fonte para instalação e atualização" na parte de gerenciamento de software. Recomendado para quem queria ter total controle sobre programas de código fonte fechado instalados em seu sistema.

  • PowerPack

- A versão paga trazia os codecs multimídia fluendo e tudo que você precisava sem ter que pegar nada da web, era uma versão que englobava as principais funcionalidades das versões Free e One, também trazia vários programas extras como o RealPlayer, Cedega, Skype, leitor de PDF Adobe entre outros. (Você podia adquirir uma caixinha customizada direto da França, que é onde fica a sede oficial da Mandriva ou comprar a versão Download (4.5GB), mais informações sobre como obter essa versão acesse http://store.mandriva.com).

Além das versões acima, havia ainda uma versão para dispositivos USB (Mandriva Flash), e uma versão mini, sem pacotes extras e que funcionava nas duas arquiteturas (32 e 64 bits), a versão mini era recomendada para usuários avançados. Os usuários de todas as versões dispunham de milhares de programas nos repositórios oficiais.

A diferença para outras distribuições é que o Mandriva Linux não se baseia em um único gerenciador de janelas, a interface padrão do sistema é o KDE, mas as ferramentas de administração estão escritas na linguagem de programação GTK, padrão do ambiente gráfico GNOME e do Xfce, que estão disponíveis para instalação, assim como outros ambientes gráficos como o Enlightenment, Fluxbox e Window Maker.

Para a administração dos programas, o Mandriva Linux utiliza o Urpmi, disponível tanto em formato gráfico (rpmdrake) quanto em formato texto. Os pacotes usados para a instalação são do tipo RPM e são automaticamente processados pelo Urpmi, o que facilita a instalação, desinstalação e atualização do sistema, por parte do usuário.

Base de usuários[editar | editar código-fonte]

Mandriva Linux 2010

O Mandriva Linux é direcionado tanto para o usuário comum quanto para o usuário avançado que prefere não gastar horas instalado e configurando a máquina, uma vez que os processos de configuração e instalação são automatizados e na maioria dos casos podem ser feitos em interface gráfica. Ao mesmo tempo, é uma distribuição bastante utilizada no meio corporativo, devido à estabilidade, alta capacidade de processamento e grande quantidade de recursos.

Desenvolvimento permanente[editar | editar código-fonte]

O Mandriva Linux está em desenvolvimento constante. Há uma versão de desenvolvimento conhecida como "Cooker". É pública, mas não recomendada para uso cotidiano por ser instável. Junto com esta distribuição, os membros da comunidade lançam os últimos pacotes RPM, sempre em versões bem atuais e que depois de muitos testes se tornarão a próxima versão estável do Mandriva Linux.

Repositórios[editar | editar código-fonte]

Nem todos os programas da distribuição cabem no CD/DVD. Por isso, é recomendado ao usuário adicionar repositórios oficiais, adicionando-os, milhares de programas ficarão ao seu dispor para instalação no Gerenciador de Programas.

Principais repositórios[editar | editar código-fonte]

Acesse o site http://easyurpmi.zarb.org e adicione repositórios com apenas dois cliques.

Adicionando Mídias[editar | editar código-fonte]

Para adicionar mídias basta você ir até o menu do Mandriva e executar o rpmdrake (Instalar e remover programas)ir em opções-Gerenciador de Mídias-Adicionar-Conjunto Completo de Mídias.

Histórico da Distribuição[editar | editar código-fonte]

Conectiva[editar | editar código-fonte]

  • 1997 - Conectiva Red Hat Linux Parolin 1.0
  • 1998 - Conectiva Red Hat Linux Marumbi 2.0
  • 1998 - Conectiva Linux Guarani 3.0
  • 1999 - Conectiva Linux Servidor (Intel) 1.0
  • 1999 - Conectiva Linux Servidor (Compaq Alpha)
  • 1999 - Conectiva Linux 4.0
  • 1999 - Conectiva Linux 4.2 Servidor
  • 2000 - Conectiva Linux 5.0
  • 2000 - Conectiva Linux 5.1 Servidor
  • 2000 - Conectiva Linux 6.0 Desktop
  • 2000 - Conectiva Linux 6.0 Servidor
  • 2001 - Conectiva Linux 7.0 Desktop
  • 2001 - Conectiva Linux 7.0 Servidor
  • 2002 - Conectiva Linux 8.0 Desktop
  • 2002 - Conectiva Linux 8.0 Servidor
  • 2002 - Conectiva Linux Enterprise Edition (UL)
  • 2003 - Conectiva Linux 9 Professional
  • 2003 - Conectiva Linux 9 Standard
  • 2004 - Conectiva Linux 10 Edição Desktop
  • 2004 - Conectiva Linux 10 Professional

Mandrake[editar | editar código-fonte]

  • 1998 - Mandrake Linux 5.1 Venice
  • 1998 - Mandrake Linux 5.2 Leelo
  • 1999 - Mandrake Linux 5.2 Leeloo
  • 1999 - Mandrake Linux 5.3 Festen
  • 1999 - Mandrake Linux 6.0 Venus
  • 1999 - Mandrake Linux 6.1 Helios
  • 2000 - Mandrake Linux 7.0 Air
  • 2000 - Mandrake Linux 7.1 Helium
  • 2000 - Mandrake Linux 7.2 Odyssey
  • 2001 - Mandrake Linux 8.0 Traktopel
  • 2001 - Mandrake Linux 8.1 Vitamin
  • 2002 - Mandrake Linux 8.2 Bluebird
  • 2002 - Mandrake Linux 9.0 Dolphin
  • 2003 - 2004Mandrake Linux 9.1 Bamboo
  • 2003 - Mandrake Linux 9.2 FiveStar
  • 2004 - Mandrake Linux 10.0 Community and Official
  • 2004 - Mandrake Linux 10.1 Community
  • 2004 - Mandrake Linux 10.1 Official

Mandriva[editar | editar código-fonte]

  • 04/2005 - Mandriva Linux 10.2 Limited Edition 2005
  • 08/2005 - Mandriva Linux 2006
  • 10/2006 - Mandriva Linux 2007
  • 04/2007 - Mandriva Linux 2007 Spring (também conhecida como 2007.1)
  • 10/2007 - Mandriva Linux 2008
  • 04/2008 - Mandriva Linux 2008 Spring (também conhecida como 2008.1)
  • 10/2008 - Mandriva Linux 2009
  • 04/2009 - Mandriva Linux 2009 Spring (também conhecida como 2009.1)
  • 10/2009 - Mandriva Linux 2010
  • 08/2011 - Mandriva Linux 2011[1]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]