Governo de Ocupação Sionista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antissemitismo
Judenstern

Antissemitismo e Antijudaísmo
História  · Linha do tempo  · Bibliografia

Manifestações de antissemitismo
Movimentos de antiglobalização  · Árabes  · Cristianismo  · Islamismo  · Nation of Islam e antissemitismo  · Novo antissemitismo  · Antissemitismo racial  · Antissemitismo religioso  · Antissemitismo secundário  · antissemitismonas universidades  · Antissemitismo ao redor do mundo

Alegações
Deicídio · Libelos de sangue · Assassinatos rituais
Envenenamento de poços · Dessacramento de hóstias
Lobby judaico · Bolchevismo judaico · Imposto kosher
Caso Dreyfus
Governo de Ocupação Sionista
Negação do Holocausto

Publicações antissemitas
Sobre os judeus e suas mentiras Os Protocolos dos Sábios de Sião
O Judeu Internacional
Mein Kampf
A Cultura da Crítica

Perseguições
Expulsões · Guetos · Pogroms
Chapéu judeu · Judensau
Estrela amarela · Inquisição Espanhola
Segregação · Holocausto
Nazismo · Neonazismo

Oposição ao antissemitismo
Anti-Defamation League
Community Security Trust
Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia  · Instituto Stephen Roth
Wiener Library · SPLC · SWC
UCSJ · SKMA · Yad Vashem

Categorias
Antissemitismo · História judaica

Governo de Ocupação Sionista (em inglês: Zionist Occupation GovernmentZOG) é uma teoria da conspiração antisemita que defende que os judeus controlam secretamente um determinado país, enquanto o governo oficial é apenas um regime fantoche.[1] A expressão é usada por grupos antissemitas como os supremacistas nos Estados Unidos e na Europa, os ultranacionalistas na Rússia e na Polônia e diversos outros grupos de extrema-direita.

A palavra "sionista" na expressão deriva da ideologia do sionismo, o movimento dentro do grupo judaico que apóia a criação de um Estado nacional judeu na Terra de Israel. O termo ZOG é utilizado para definir os países fora da área de controle de Israel e tem a intenção de mostrar os judeus como conspiradores que têm como aspiração o controle do mundo, assim como no famoso texto Os Protocolos dos Sábios de Sião, forjado pela polícia secreta russa durante o reinado do czar Nicolau II.

História[editar | editar código-fonte]

Uma das primeiras aparições do termo ocorreu no artigo de 1976 "Welcome to ZOG-World", atribuído ao neo-nazista estadunidense Eric Thomson. O termo foi extensamente publicizado em 27 de dezembro de 1984 em um artigo publicado pelo The New York Times sobre roubos cometidos pelo grupo supremacista The Order nos estados da Califórnia e de Washington. Conforme o jornal, os crimes "foram cometidos para angariar dinheiro para uma guerra contra o governo dos Estados Unidos, que o grupo chama de 'ZOG', ou Governo de Ocupação Sionista".[2]

The Order é um desdobramento do Aryan Nations, uma organização fundada no início da década de 1970 por Richard G. Butler, que havia sido associado a outro grupo antissemita, denominado Church of Jesus Christ–Christian, desde a década de 1950. Ambos os grupos têm origem em ativistas antissemitas como Gerald L. K. Smith e têm interagido com o Ku Klux Klan.

O termo foi amplamente divulgado na literatura do Aryan Nations. Em dezembro de 1984 a revista Newsweek informou que o Aryan Nations havia montado um sistema de quadro de avisos denominado "Rede da Liberdade da Nação Ariana" no qual oferecia informações como a localização dos escritórios do Partido Comunista e dos "informantes do ZOG".

Em 1985, o grupo radical de Oregon Posse Comitatus anunciou: "Nossa nação está agora completamente sob o controle do governo internacional invisível dos judeus". Em 1988, o filme Atraiçoados, sobre uma agente do FBI que se apaixona por um supremacista, ajudou a publicizar o termo.

Em 1996, o Aryan Nations publicou em seu sítio oficial na internet uma "Declaração de Independência Ariana", onde afirma que "a história do atual Governo de Ocupação Sionista dos Estados Unidos da América é uma história de repetidas injúrias e usurpações". Desde então, o uso do termo se espalhou para todo o mundo. Os neo-nazistas suecos, por exemplo, defendem que o Governo de Ocupação Sionista Sueco está importando imigrantes para "diluir o sangue da raça branca". O website Jew Watch acusa várias nações do Ocidente de serem governadas por ZOGs.[3]

Referências

  1. Berlet, Chip (2004-10). "Zog Ate My Brains". New Internationalist (372). Acesso em 2010-12-09.
  2. King, Wayne (1984-12-27). "Links of Anti-semitic Band Provoke 6-state Parley". The New York Times (The New York Times Company): p. 7.
  3. "Jewish Occupied Governments". Jew Watch. Acesso em 2008-01-09.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]