Homofobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Homofobia (homo, pseudoprefixo de homossexual[1] , fobia do grego φόβος "medo", "aversão irreprimível"[2] ) é uma série de atitudes e sentimentos negativos em relação a pessoas homossexuais, bissexuais e, em alguns casos, contra transgêneros e pessoas intersexuais. As definições para o termo referem-se variavelmente a antipatia, desprezo, preconceito, aversão e medo irracional.[3] [4] [5] A homofobia é observada como um comportamento crítico e hostil, assim como a discriminação[3] [4] e a violência com base na percepção de que a orientação não heterossexual é negativa.

Entre as formas mais discutidas estão a homofobia institucionalizada (por exemplo, patrocinada por religiões[6] ou pelo Estado[7] ), a lesbofobia, a homofobia como uma intersecção entre homofobia e sexismo contra as lésbicas, e a homofobia internalizada, uma forma de homofobia entre as pessoas que experimentam atração pelo mesmo sexo, independentemente de se identificarem como LGBT.

Em um discurso de 1998, a autora, ativista e líder dos direitos civis, Coretta Scott King, declarou: "A homofobia é como o racismo, o anti-semitismo e outras formas de intolerância na medida em que procura desumanizar um grande grupo de pessoas, negar a sua humanidade, dignidade e personalidade."[8] Em 1991, a Anistia Internacional passou a considerar a discriminação contra homossexuais uma violação aos direitos humanos.[9]

Em maio de 2011, em referência ao Dia Internacional contra a Homofobia, a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, declarou:

"[...] Em última análise, a homofobia e a transfobia não são diferentes do sexismo, da misoginia, do racismo ou da xenofobia. Mas enquanto essas últimas formas de preconceito são universalmente condenadas pelos governos, a homofobia e a transfobia são muitas vezes negligenciadas. A história nos mostra o terrível preço humano da discriminação e do preconceito. Ninguém tem o direito de tratar um grupo de pessoas como sendo de menor valor, menos merecedores ou menos dignos de respeito. [...]"[10]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo é um neologismo criado pelo psicólogo George Weinberg, em 1971, numa obra impressa, combinando a palavra grega phobos ("fobia"), com o prefixo homo-, como remissão à palavra "homossexual".

Phobos (grego) é medo em geral. Fobia seria assim um medo irracional (instintivo) de algo. Porém, "fobia" neste termo é empregado, não só como medo geral (irracional ou não), mas também como aversão ou repulsa em geral, qualquer que seja o motivo.

Etimologicamente, o termo mais aceitável para a ideia expressa seria "Homofilofóbico", que é medo de quem gosta do igual.

Duas palavras são originárias de homofobia: (adj.) homofóbica e homofóbico (n.), termos designados para pessoas que apresentam atitudes homofóbicas ou que pensam dessa maneira.

Oposição ao termo[editar | editar código-fonte]

Alguns estudiosos da língua argumentam que o termo aponta de forma errónea para um motivo específico, fobia (medo irracional), tendo sido o seu sentido modificado para se referir a discriminação da homossexualidade, o que pode não ser o caso. No entanto numa situação similar a palavra xenofobia passou a ser utilizada coloquialmente para qualquer preconceito contra estrangeiros, extravasando assim o seu significado original.

Algumas pessoas preferem classificar o comportamento homofóbico apenas como o "repúdio da sociedade em relação a pessoas que se auto-excluem" ou "desajustamento social por busca do prazer individual" justificando assim a exclusão social das pessoas homossexuais pelo fato de serem diferentes da suposta norma. Outras não consideram homofobia o repúdio à relação homoerótica, alegando que a relação heteroerótica também pode causar repulsa aos homossexuais, justificando a sua discriminação pela discriminação da outra "classe". Há ainda o repúdio por motivos religiosos aos atos homossexuais mas não necessariamente se manifestando de forma directa contra as pessoas homossexuais.[11] Entretanto, ativistas e defensores das causas LGBT em geral indicam que atitudes similares foram utilizadas no passado para justificar a xenofobia, o racismo e a escravidão.

Motivações e classificações[editar | editar código-fonte]

A homossexualidade deve ser aceita na sociedade? Percentagem de entrevistados que responderam aceitar:
  81% - 90%
  71% - 80%
  61% - 70%
  51% - 60%
  41% - 50%
  31% - 40%
  21% - 30%
  11% - 20%
  1% - 10%
  Sem dados

A homofobia se manifesta de diferentes formas e vários diferentes tipos têm sido registrados, entre os quais estão a homofobia interiorizada, homofobia social, homofobia emocional, homofobia racionalizada, além de outros.[12] Há também ideias para classificar a homofobia, o racismo e o sexismo como um transtorno de personalidade intolerante.[13]

A homofobia nunca foi listada como parte de uma taxonomia clínica de fobias, nem no DSM ou no CID; a homofobia é normalmente usada em um sentido não-clínico.[14]

Homofobia institucionalizada[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

Várias religiões do mundo contêm ensinamentos anti-homossexuais, enquanto outras têm diferentes graus de neutralidade, ambivalência ou incorporam ensinamentos sobre os homossexuais como um terceiro gênero. Mesmo dentro de algumas religiões que geralmente desencorajam a homossexualidade, há também pessoas que vêem tal orientação sexual de forma positiva, sendo que algumas denominações religiosas chegam a abençoar casamentos homossexuais. Existem também as chamadas "religiões queer", dedicadas a servir as necessidades espirituais das pessoas LGBTQI. A teologia queer visa proporcionar um ponto contra a homofobia religiosa.[15]

Islã e charia[editar | editar código-fonte]
Mahmoud Asgari e Ayaz Marhoni sendo preparados para o enforcamento em Meshed, Irã.

Em alguns casos, a distinção entre a homofobia religiosa e a homofobia patrocinada pelo Estado não é clara, sendo um exemplo-chave os países e territórios que estão sob autoridades islâmicas. Todas as principais seitas islâmicas proíbem a homossexualidade, que é um crime nos termos do código de leis da charia e tratado como tal na maioria dos países muçulmanos. No Afeganistão, por exemplo, a homossexualidade levava à pena de morte sob o regime talibã. Após sua queda, a homossexualidade passou de um crime capital a uma infração punida com multas e penas de prisão. Em países como os Emirados Árabes Unidos, no entanto, a situação jurídica da homossexualidade não está clara.

Em 2009, a Associação Internacional de Gays e Lésbicas publicou um relatório intitulado Homofobia patrocinada pelo Estado 2009,[16] que se baseia em uma pesquisa realizada por Daniel Ottosson da Södertörn University College, em Estocolmo, na Suécia. Esta pesquisa constatou que dos 80 países ao redor do mundo que continuam a considerar a homossexualidade ilegal:[17] [18]

Em 2001, a Al-Muhajiroun, uma organização internacional que procura o estabelecimento de um califado islâmico global, emitiu uma fatwa declarando que todos os membros da Fundação Al-Fatiha (que luta pelos direitos de muçulmanos gays, lésbicas e transgêneros) eram murtadd, ou apóstatas, e condenou-os à morte. Por causa de ameaças provenientes de sociedades conservadoras, muitos membros do site da fundação ainda preferem ser anônimos, de modo a proteger sua identidade enquanto continuam uma tradição de sigilo.[22]

Homofobia patrocinada pelo Estado[editar | editar código-fonte]

Homossexualidade legal:
  União civil (ou outro tipo de parceria)1
  Reconhecimento de casamentos realizados em outras jurisdições
  Casamento reconhecido apenas em nível federal
  Não há uniões do mesmo sexo
Homossexualidade ilegal:
  Restrições à liberdade de expressão
  Punida, mas sem prisão
  Prisão

1Pode incluir leis ou decisões judiciais recentes que criaram reconhecimento legal para relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo, mas que ainda não entraram em vigor
 v  e 

A homofobia estatal inclui a criminalização e a penalização da homossexualidade, discurso de ódio vindo de membros do governo e outras formas de discriminação, perseguição e violência contra pessoas LGBT.

Governos passados[editar | editar código-fonte]

Na China, o comportamento homossexual foi proibido em 1949. Quando Mao Tsé-Tung chegou ao poder, o governo chinês considerava a homossexualidade como uma "desgraça social ou uma forma de doença mental" e "durante a Revolução Cultural Chinesa (1966-1976), as pessoas que eram homossexuais enfrentaram seu pior período de perseguição na história da China." Apesar de não haver nenhuma lei na República Popular comunista contra a homossexualidade, "a polícia regularmente persegue gays e lésbicas." Outras leis foram usadas para julgar as pessoas homossexuais, em que elas eram "acusadas ​​de vandalismo ou de perturbar a ordem pública."[23]

A União Soviética, sob o governo de Vladimir Lenin, descriminalizou a homossexualidade em 1922, muito antes de muitos outros países europeus. O Partido Comunista Russo efetivamente legalizou o aborto, o divórcio e a homossexualidade quando aboliu todas as velhas leis czaristas e o código soviético criminal inicial manteve essas políticas sexuais liberais no lugar.[24] No entanto, algumas figuras de esquerda têm considerado a homossexualidade uma "doença burguesa", um movimento de direita ou uma "doença do Ocidente."[25] A emancipação de Lenin foi revertida uma década mais tarde por Joseph Stalin e a homossexualidade permaneceu ilegal nos termos do artigo 121 até a era Yeltsin.

Governos atuais[editar | editar código-fonte]

O governo da Coreia do Norte condena o que chama de "cultura gay ocidental" como um vício causado pela decadência da sociedade capitalista e denuncia-a como a promoção do consumismo, classismo e da promiscuidade.[26] Na Coreia do Norte, a "violação das regras da vida coletiva socialista" pode ser punida com até dois anos de prisão.[27] No entanto, segundo o governo norte-coreano, "como um país que adotou a ciência e o racionalismo, a Coreia do Norte reconhece que muitas pessoas nascem com a homossexualidade como um traço genético e os trata com o devido respeito. Os homossexuais na Coreia do Norte nunca foram objeto de repressão, como em muitos regimes capitalistas ao redor do mundo."

Robert Mugabe, o líder do Zimbábue, tem travado uma campanha violenta contra pessoas homossexuais, argumentando que antes da colonização, os zimbabuanos não se envolviam em atos homossexuais.[28] Sua primeira grande condenação pública da homossexualidade aconteceu em agosto de 1995, durante a Feira Internacional do Livro do Zimbábue.[29] Ele disse em uma audiência:. "Se você vir pessoas desfilando como lésbicas e gays, deve-se prendê-los e entregá-los à polícia!"[30] Em setembro de 1995, o parlamento do Zimbábue introduziu uma legislação proibindo atos homossexuais.[29] Em 1997, um tribunal considerou Canaan Banana, predecessor de Mugabe e o primeiro presidente do Zimbábue, culpado de 11 acusações, de sodomia a indecência.[31] [32]

Homofobia interiorizada[editar | editar código-fonte]

Direitos dos homossexuais
Rainbow flag breeze.jpg

Cronologia
dos direitos homossexuais


Direitos
Leis ao redor do mundo
Casamento homossexual
União civil
Adoção LGBT
Homoparentalidade
Movimentos civis LGBT


Tópicos relacionados
Homofobia
Heterossexismo
Violência contra pessoas LGBT


Portal LGBT.svg Portal LGBT

Homofobia interiorizada (ou homofobia egodistônica) refere-se ao sentimento negativo em relação a si mesmo por causa da homossexualidade.[33] [34] Este termo tem sido criticado porque manter atitudes negativas não envolve, necessariamente, uma fobia e p "estigma internalizado" é às vezes usado como alternativa.[33] A orientação sexual egodistônica causa um grave desconforto com a desaprovação de sua própria orientação sexual. Tal situação pode causar extrema repressão dos desejos homossexuais.[35]

Em outros casos, uma luta consciente interna pode ocorrer por algum tempo, muitas vezes usando crenças religiosas ou sociais profundamente arraigadas contra um forte desejo sexual e emocional. Essa discordância muitas vezes provoca a depressão clínica, sendo a taxa de suicídio muito elevada entre os adolescentes gays (até 30% das tentativas de suicídios de jovens não-heterossexuais) tem sido atribuída a esse fenômeno.[36] A psicoterapia, como a psicoterapia afirmativa gay, e a participação em grupos de minorias sexuais, podem ajudar a resolver o conflito interno entre as identidades religiosa e sexual de uma pessoa.[33]

O rótulo da homofobia internalizada é às vezes aplicado a comportamentos conscientes ou inconscientes, quando um observador sente a necessidade de promover ou estar de acordo com as expectativas da heteronormatividade ou do heterossexismo. Isso pode incluir extrema repressão e negação juntamente com comportamento forçado heteronormativo, com o propósito de aparecer ou tentar se sentir "normal" ou "aceito". Isso também pode incluir um comportamento menos evidente, como fazer suposições sobre o sexo do parceiro romântico de uma pessoa ou dos papéis sobre gênero. Alguns também aplicam este rótulo à pessoas LGBT que apoiam políticas de "compromisso", como as que acreditam que a união civil é uma alternativa aceitável para o casamento homossexual.

Alguns argumentam que a maioria das pessoas que são homofóbicas têm algum sentimento reprimido quanto a sua própria homossexualidade. Em 1996, um estudo controlado com 64 homens heterossexuais (cujo metade alegou ser homofóbico), realizado pela Universidade da Geórgia, descobriu que homens que eram classificados como homofóbicos (medido pelo Índice de Homofobia)[37] eram consideravelmente mais propensos a ter respostas mais eréteis quando expostos à imagens homoeróticas que os homens não-homofóbicos.[35]

Homofobia social[editar | editar código-fonte]

O medo de ser identificado como gay pode ser considerado como uma forma de homofobia social. Teóricos, incluindo Calvin Thomas e Judith Butler, têm sugerido que a homofobia pode ser enraizada no medo que um indivíduo tem de ser identificado como gay. A homofobia nos homens está relacionada com a insegurança sobre a sua própria masculinidade.[38] [39] Por este motivo, a homofobia é muito presente em esportes e na subcultura de seus partidários, que são considerados estereótipicamente "machos", como o futebol ou o rugby.[40]

Estes teóricos têm argumentado que uma pessoa que expressa pensamentos e sentimentos homofóbicos não tão o faz somente para comunicar suas crenças sobre a classe de pessoas homossexuais, mas também para distanciar-se desta classe e de seu status social. Assim, distanciando-se de gays, eles estão reafirmando o seu papel como um heterossexual em uma cultura heteronormativa, assim, tentando impedir que o rotulem e o tratem como uma pessoa gay. Esta interpretação faz alusão à ideia de que uma pessoa pode postular oposição violenta ao "outro" como um meio de estabelecer sua própria identidade como parte da maioria e assim ganhando a validação social.

Nancy J. Chodorow afirma que a homofobia pode ser vista como um método de proteção da masculinidade do sexo masculino.[41] Várias teorias psicanalíticas explicam a homofobia como uma ameaça para um indivíduo com impulsos em relação a pessoas do mesmo sexo, se esses impulsos são iminentes ou meramente hipotéticos. Esta ameaça inicia a formação da repressão, negação ou reação.[42]

Manifestações homofóbicas[editar | editar código-fonte]

Demonstração homofóbica de membros da Igreja Batista de Westboro em Ohio, Estados Unidos.

O insulto homofóbico pode ir do bullying, difamação, injúrias verbais ou gestos e mímicas obscenos mais óbvios até formas mais subtis e disfarçadas, como a falta de cordialidade e a antipatia no convívio social, a insinuação, a ironia ou o sarcasmo, casos em que a vítima tem dificuldade em provar objetivamente que a sua honra ou dignidade foram violentadas.

Alegadamente, um tipo desses ataques insidiosos mais largamente praticado pelos homófobos (pode dizer-se que em nível mundial, mas com particular incidência nas sociedades mediterrânicas, tradicionalmente machistas)[43] e que funciona como uma espécie de insulto codificado e impune, é o de assobiar, entoar, cantarolar ou bater palmas (alto ou em surdina, dependendo do atrevimento do agressor) quando estão na presença do objecto do seu ataque, muitas vezes perante terceiros. Esta forma de apupar, humilhar, amesquinhar ou intimidar alguém parece ter raízes muito antigas. A Bíblia refere, a respeito do atribulado Job: "O vento leste (...) bate-lhe palmas desdenhosamente e, assobiando, enxota-o do seu lugar"

Violência[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, o FBI informou que 17,6% dos crimes de ódio relatados à polícia em 2008, basearam-se em vista a orientação sexual. 57,5% destes ataques foram contra homens gays.[44] O assassinato, em 1998, de Matthew Shepard, um estudante gay, é um dos incidentes mais notórios dos Estados Unidos.[45]

Em 2009, de acordo com o Grupo Gay da Bahia (GGB), 198 pessoas foram mortas por motivos homofóbicos no Brasil.[46] Em 2010, jovens homossexuais foram agredidos na Avenida Paulista, em São Paulo.[47]

Grupos homofóbicos[editar | editar código-fonte]

Há diversos grupos, políticos ou culturais que se opõem à homossexualidade. Geralmente quanto mais um grupo político se encontra à direita no espectro político maior a dose de preconceito contra pessoas homoafetivas. Dependendo da forma como aplicam a sua oposição (que varia do "não considerar um comportamento recomendável" até à "pena de morte"[48] ) pode ser considerados "fundamentalistas" ou não. As manifestações desta oposição podem ter consequências directas para pessoas não homossexuais[49] .

Em muitos casos esta oposição tem reflexos legais, novamente variando entre leis que diferenciam entre casais do mesmo sexo e casais do sexo oposto, até países em que se aplica a pena de morte a homens que tenham sexo com homens.

No entanto, há alguns grupos dentro das ideologias e religiões apresentadas que apoiam ativamente os direitos das pessoas GLBT. Da mesma forma existem indivíduos homossexuais, associações e grupos LGBT que podem, mesmo assim, manifestar-se de forma considerada homofóbica em determinados contextos.

Esforços para combater a homofobia[editar | editar código-fonte]

Leis antidiscriminação baseada na orientação sexual em todo o mundo:
  Países com leis antidiscriminação
  Países onde a homossexualidade é ilegal
  Sem dados/Sem legislação específica sobre o tema

A maioria das organizações internacionais de direitos humanos, como a Human Rights Watch e a Anistia Internacional, condenam as leis que tornam as relações homossexuais consentidas entre adultos um crime. Desde 1994, a Comissão de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas também determinou que tais leis violam o direito à privacidade garantido na Declaração Universal dos Direitos Humanos e no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Em 2008, a Igreja Católica emitiu um comunicado em que "insta os Estados para acabar com as sanções penais contra os homossexuais." A declaração, entretanto, foi dirigida a rejeitar uma resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas que teria justamente pedido o fim das sanções contra os homossexuais no mundo.[50] Em março de 2010, o Comitê de Ministros do Conselho da Europa aprovaram uma recomendação sobre as medidas para combater a discriminação em razão da orientação sexual ou identidade de gênero, descritas pelo Secretário-Geral do Conselho da Europa como o primeiro instrumento jurídico no mundo que trata especificamente de uma das formas mais duradouras e difíceis de combater a discriminação.[51]

Um manifestante anti-homofobia em uma manifestação em Paris, em 2005.

Para combater a homofobia, a comunidade LGBT usa eventos como as paradas do orgulho gay e o ativismo político (veja orgulho gay). Estas manifestações são criticadas por alguns[quem?] como contra-produtivas, uma vez que as paradas do orgulho gay podem mostrar o que poderia ser visto como sexualidade mais "extrema": aspectos de fetiche e variante de gênero da cultura LGBT. Uma forma de resistência organizada à homofobia é o Dia Internacional contra a Homofobia,[52] celebrado pela primeira vez em 17 de maio de 2005 em atividades relacionadas em mais de 40 países.[53] Os quatro maiores países da América Latina (Argentina, Brasil, México e Colômbia) desenvolvem campanhas de mídia de massa contra a homofobia desde 2002.[54]

Além da expressão pública, a legislação tem sido concebida de forma controversa, opondo-se a homofobia, como em leis como o discurso de ódio, crime de ódio e leis contra a discriminação com base na orientação sexual.

O sucesso da estratégia preventiva contra o preconceito homofóbico e o bullying nas escolas têm incluído ensinar os alunos sobre figuras históricas que eram gays ou que sofreram discriminação por causa de sua sexualidade.[55]

Alguns argumentam que o preconceito antiLGBT é imoral e vai acima e além dos efeitos sobre essa classe de pessoas. Warren J. Blumenfeld argumenta que essa emoção ganha uma dimensão além de si mesma, como uma ferramenta de conservadores de extrema-direita e grupos religiosos fundamentalistas e como um fator restritivo sobre as relações de gênero quanto ao peso associado com a realização de cada papel em conformidade.[56] Além disso, Blumenfeld, afirmou:

Cquote1.svg O preconceito anti-gay faz os jovens a enveredar por um comportamento sexual mais cedo, a fim de provar que são heterossexuais. O preconceito anti-gay contribuiu significativamente para a propagação da epidemia da AIDS. O preconceito anti-gay evita a possibilidade de criar programas de educação sexual eficazes e honestos que poderiam salvar vidas de crianças e prevenir doenças sexualmente transmissíveis. Cquote2.svg

Legislação em países lusófonos[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Protesto contra a homofobia em Brasília.

No Brasil, além da Constituição de 1988 proibir qualquer forma de discriminação de maneira genérica, várias leis estão sendo discutidas a fim de proibirem especificamente a discriminação aos homossexuais.

A Constituição Federal brasileira define como “objetivo fundamental da República” (art. 3º, IV) o de “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade, ou quaisquer outras formas de discriminação[57] . A expressão "quaisquer outras formas" refere-se a todas as formas de discriminação não mencionadas explicitamente no artigo, tais como a orientação sexual, entre outras.

O Projeto de Lei da Câmara (PLC) 122/2006[58] , atualmente em tramitação no Congresso[59] , propõe a criminalização dos preconceitos motivados pela orientação sexual e pela identidade de gênero, equiparando-os aos demais preconceitos já objeto da Lei 7716/89[60] . Esse projeto foi iniciado na Câmara dos Deputados, de autoria da deputada Iara Bernardi e que ali tramitou com o número 5003/2001[61] , que na redação já aprovada propunha, além da penalização criminal, também punições adicionais de natureza civil para o preconceito homofóbico, como a perda do cargo para o servidor público, a inabilitação para contratos junto à administração pública, a proibição de acesso a crédito de bancos oficiais, e a vedação de benefícios tributários[62] .

Protesto à favor dos direitos LGBT em frente ao Congresso Nacional do Brasil.

Segundo pesquisa telefônica conduzida pelo DataSenado em 2008 com 1120 pessoas em diversas capitais, 70% dos entrevistados são a favor da criminalização da homofobia no Brasil. A aprovação é ampla em quase todos os segmentos, no corte por região, sexo e idade. Mesmo o corte por religião mostra uma aprovação de 54% entre os evangélicos, 70% entre os católicos e adeptos de outras religiões e 79% dos ateus.[63]

No estado de São Paulo, a lei estadual 10.948/2001 estabelece multas e outras penas para a discriminação contra homossexuais, bissexuais e transgêneros. São puníveis pessoas, organizações e empresas, privadas ou públicas (art. 3º). A lei proíbe, em razão da orientação sexual (art. 2º): violências, constrangimentos e intimidações, sejam morais, éticas, filosóficas ou psicológicas; a vedação de ingresso a locais públicos ou privados abertos ao público; selecionar o atendimento; impedir ou sobretaxar a hospedagem em hotéis ou motéis, assim como a compra, venda ou locação de imóveis; demitir do emprego ou inibir a admissão. A lei também pune quem "proibir a livre expressão e manifestação de afetividade", se estas forem permitidas aos demais cidadãos. As penalidades são as seguintes (art. 6º): advertência; multa de 1000 a 3000 Ufesp (unidade fiscal), ou até 10 vezes mais para grandes estabelecimentos; suspensão ou cassação da licença estadual de funcionamento; além de punições administrativas (art. 7º) para as discriminações praticadas por servidores públicos estaduais no exercício de suas funções[64] [65] .

Portugal[editar | editar código-fonte]

De acordo com o artigo 240 do novo Código Penal português, em vigor desde 15 de setembro de 2007[66] , qualquer forma de discriminação com base em orientação sexual (seja ela sobre homossexuais, heterossexuais ou bissexuais) é crime. Da mesma forma são criminalizados grupos ou organizações que se dediquem a essa discriminação assim como as pessoas que incitem a mesma em documentos impressos ou na Internet. E esta lei aplica-se igualmente a outras formas de discriminação como religiosa ou racial. Além disso, o artigo 132, II, "f", do novo Código Penal, define como circunstância agravante o homicídio qualificado por motivo de ódio, inclusive no tocante à orientação sexual.[67] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal LGBT

Referências

  1. Maria João Matos (10/12/2010). Sobre a formação de homofóbico e homofobia. Página visitada em 1/07/2011.
  2. Novo Dicionário Aurélio -3a. edição, 2004
  3. a b webster.com (2008). Página visitada em 2008-01-29.
  4. a b homophobia. Dictonary.com. Dictonary.com (2008). Página visitada em 2008-01-29.
  5. "European Parliament resolution on homophobia in Europe", Texts adopted Wednesday, 18 de janeiro de 2006 – Strasbourg Final edition- "Homophobia in Europe" at "A" point
  6. Religião e Homofobia
  7. International Lesbian and Gay Association. "Homofobia do Estado"
  8. Chicago Defender, April 1, 1998, front page
  9. Correio Braziliense. Há 20 anos, a OMS tirou a homossexualidade da relação de doenças mentais: Uma conquista celebrada por organizações sociais de todo o planeta. Página visitada em 7 de dezembro de 2010.
  10. Organização das Nações Unidas (ONU): No Brasil, 250 pessoas foram assassinadas em ataques homofóbicos ou transfóbicos em 2010, alerta ONU (10 de maio de 2011). Página visitada em 6 de janeiro de 2012.
  11. [1]
  12. The Riddle Homophobia Scale from Allies Committee website, Department of Student Life, Texas A&M University
  13. Guindon MH, Green AG, Hanna FJ. (April 2003). "Intolerance and Psychopathology: Toward a General Diagnosis for Racism, Sexism, and Homophobia". Am J Orthopsychiatry 73 (2): 167–76. DOI:10.1037/0002-9432.73.2.167. PMID 12769238.
  14. Treichler, Paula A.. (October 1987). "AIDS, Homophobia, and Biomedical Discourse: An Epidemic of Signification". AIDS: Cultural Analysis/Cultural Activism 43 (Winter): 31–70. OCLC 17873405.
  15. Queer Spirituality.
  16. ILGA: 2009 Report on State Sponsored Homophobia (2009)[ligação inativa]
  17. ILGA:7 countries still put people to death for same-sex acts.
  18. Homosexuality and Islam – ReligionFacts.
  19. a b ILGA: Lesbian and Gay Rights in the World (2009).
  20. Steven Eke. "Iran ’must stop youth executions’", 28 de julho de 2005. “A Human Rights Watch apela ao Irã para acabar com as execuções de menores, depois de alegações de que dois rapazes foram executados por serem gays.”
  21. Whitaker, Brian. "Arrests at Saudi ’gay wedding’", 18 de março de 2005. “Saudi executions are not systematically reported, and officials deny that the death penalty is applied for same-sex activity alone.”
  22. Aldrich, Robert. Gay life and culture : a world history. [S.l.]: Universe, 2006. ISBN 9780789315113
  23. "History of Chinese homosexuality", Shanghai Star, 01/04/2004. Página visitada em 3 de julho de 2009.
  24. Hazard, John N. Unity and diversity in socialist law. [S.l.]: [New York] Russian Institute, School of International Affairs, Columbia University, 1965. OCLC 80991633
  25. Hekma, Gert; Oosterhuis, Harry; Steakley, James D. Gay men and the sexual history of the political left. [S.l.]: Harrington Park Press, 1995. ISBN 9781560230670
  26. Global Gayz. Gay North Korea News & Reports 2005. Cópia arquivada em 18/10/2005.. Acessado em 5 de maio de 2006
  27. Spartacus International Gay Guide, página 1217. Bruno Gmunder Verlag, 2007.
  28. Ember, Carol R; Ember, Melvin. Encyclopedia of sex and gender : men and women in the world's cultures. [S.l.]: Kluwer Academic/Plenum Publishers, 2004. p. 213. ISBN 9780306477706
  29. a b Epprecht, Marc. Hungochani : the history of a dissident sexuality in southern Africa. [S.l.]: Montreal, 2004. p. 180. ISBN 9780773527515
  30. Under African Skies, Part I: 'Totally unacceptable to cultural norms' Kaiwright.com
  31. Veit-Wild, Flora; Naguschewski, Dirk. In: Flora. Body, sexuality, and gender. [S.l.]: Rodopi, 2005. p. 93. ISBN 9789042016262
  32. Canaan Banana, president jailed in sex scandal, dies The Guardian
  33. a b c Appropriate Therapeutic Responses to Sexual Orientation.
  34. Herek, G M; Cogan, J C; Gillis, J R; Glunt, E K. Correlates of Internalized Homophobia in a Community Sample of Lesbians and Gay Men. [S.l.: s.n.], 1998. 17–26 p. vol. 2. OCLC 206392016
  35. a b Adams HE, Wright LW, Lohr BA. (August 1996). "Is homophobia associated with homosexual arousal?". J Abnorm Psychol 105 (3): 440–5. DOI:10.1037/0021-843X.105.3.440. PMID 8772014. Summarized in an American Psychological Association press release, August 1996: "New Study Links Homophobia with Homosexual Arousal".
  36. Sexual Orientation and Gender Identity — Discrimination and Conflicts[ligação inativa] from Planned Parenthood
  37. Index of Homophobia: W. W. Hudson and W. A. Ricketts, 1980.
  38. Masculinity Challenged, Men Prefer War and SUVs.
  39. Homophobia and Hip-Hop. PBS. Página visitada em 30/03/2009.
  40. "Fans' culture hard to change".
  41. Nancy J. Chodorow. Statement in a public forum on homophobia by The American Psychoanalytic Foundation, 1999
  42. West, D.J. Homosexuality re-examined. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1977. ISBN 0816608121
  43. Há uma cena do filme italiano Stromboli (1950) de Roberto Rossellini em que o personagem do marido (supostamente traído), ao regressar a casa pelas ruas da aldeia, é alvo dos insultos e cantilenas trocistas que lhe são implacável e sucessivamente dirigidas pelos vizinhos.
  44. "Crime in the United States 2008: Hate Crime", FBI, http://www2.fbi.gov/ucr/hc2008/victims.html, visitado em 17 de novembro de 2010 
  45. Matthew Shepard Foundation webpage. Matthew Shepard Foundation. Página visitada em 4 de outubro de 2009. Cópia arquivada em 29 de julho de 2008.
  46. O Globo. Número de assassinatos de gays no país cresceu 62% desde 2007, mas tema fica fora da campanha. Página visitada em 16 de outubro de 2010.
  47. Último Segundo. Grupo usou lâmpada fluorescente para agredir jovens em São Paulo. Página visitada em 17 de dezembro de 2010.
  48. www.godhatesfags.com
  49. EUA: Demonstrações de fundamentalistas cristãos em funerais obrigam a criar leis específicas
  50. Statement of the Holy See Delegation at the 63rd Session of the General Assembly of the United Nations on the Declaration on Human Rights, Sexual Orientation and Gender Identity. vatican.va (18 December 2008).
  51. Council of Europe to advance human rights for lesbian, gay, bisexual and transgender persons. coe.int (2010-04-01).
  52. "Towards an international Day against Homophobia", April 10, 2004
  53. "1st Annual International Day Against Homophobia to be Celebrated in over 40 Countries on May 17", May 12, 2005
  54. "Campaigns against Homophobia in Argentina, Brazil, Colombia, and Mexico. Pan American Health Organization.
  55. Lessons on gay history cut homophobic bullying in north London school. The Guardian (26 October 2010). Página visitada em 09 November 2010.
  56. Blumenfeld, Warren J. Homophobia : how we all pay the price. [S.l.]: Beacon Press, 1992. ISBN 9780807079195
  57. Constituição brasileira de 1988 (texto oficial) – ver artigo 3º, IV
  58. Projeto de Lei PLC-122/2006 - Texto do projeto (link oficial do Senado)
  59. Acompanhamento da tramitação do projeto PLC-122/2006 (site do Senado)
  60. [2]
  61. Projeto de Lei 5003-B/2001 Acompanhamento oficial da tramitação
  62. Projeto de Lei 5003-B/2001, Redação final (texto oficial)
  63. Pesquisa Nacional: Criminalização do preconceito ou discriminação contra homossexuais - Pesquisa do DataSenado (2008)
  64. Lei estadual (SP) 10.948/2001 - texto oficial (Assembléia Legislativa SP)
  65. Defensoria Pública do Estado de SP (pág. 2)
  66. Portugal: novo Código Penal mais gay-friendly
  67. Código Penal português (texto oficial) - Diário da República (www.dre.pt), 1ª série, no. 170, 04/09/2007 (ver páginas 57-58 do arquivo PDF)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Homofobia