Macho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Abril de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Símbolo internacional dos homens, os machos da espécie humana

Em biologia, os machos são definidos como os indivíduos de uma espécie que produzem o gâmeta (ou gameta, a célula reprodutiva) menor e geralmente móvel - o espermatozoide, nos animais ou o anterozoide nas plantas.

O oposto do macho em biologia é a fêmea

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra mas (genitivo: maris) era utilizada em latim para designar o sexo que gera filhos fertilizando óvulos do outro sexo. O diminutivo masculus aplicava-se aos cachorros do sexo masculino. Em latim vulgar, este diminutivo converteu-se em masclu, masculu, que tinha o sentido de pequeno macho ou machinho, no português de hoje. O processo completou-se com a transformação de masclu em macho e nos derivados másculo, masculino e outros.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

A existência de dois sexos parece ter sido escolhida de forma independente em diferentes linhagens evolutivas (ver convergência evolutiva). O padrão repetido é a reprodução sexual em espécies isógamas com dois ou mais tipos de acasalamento com gâmetas de forma e comportamento idêntico (mas diferentes no nível molecular) para espécies com anisogamias com gâmetas dos tipos masculino e feminino para espécies com oogamia em que o gâmeta feminino é muito maior do que a do sexo masculino e não tem capacidade de se mover. Não é um bom argumento de que esse padrão foi impulsionado pelas restrições físicas sobre os mecanismos pelos quais dois gâmetas se reúnem conforme o necessário para a reprodução sexual.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Macho
Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete Masculino.

Referências

  1. Dusenbery, David B. (2009). Living at Micro Scale, Chapter 20. Harvard University Press, Cambridge, Mass. ISBN 978-0-674-03116-6.
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.