Machismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.

Machismo é o conceito que supervaloriza as caracteristícas físicas e culturais associadas com o sexo masculino em denegração as características associdas ao sexo feminino, com forte senso de orgulho masculino. É associado com a "responsabilidade do homem em promover proteção e defender sua família.[1]

A palavra "chauvinista" foi originalmente usada para descrever alguém fanaticamente leal ao seu país, mas a partir do movimento de libertação da mulher, nos anos 60, passou a ser usada para descrever os homens que mantém a crença na inferioridade da mulher, especialmente nos países de língua inglesa. No espaço lusófono, a expressão "chauvinista masculino" (ou, simplesmente, "chauvinista") também é utilizada, mas "machista" é muito mais comum.[2]

Na América Latina, há autores que identificam o machismo com a "outra face do marianismo".[3]

Introdução histórica[editar | editar código-fonte]

Representação pré-histórica de deusa da fertilidade

Nas sociedades pré-históricas, o papel social da mulher era bastante valorizado, sendo muito cultuado na forma de deidades relacionadas à fertilidade, abundância e fartura.[carece de fontes?] Em 2006, análises na Caverna de Cosquer constataram que a grande maioria das impressões de mãos pré históricas nas paredes da gruta, eram em sua maioria mãos femininas, de forma que, segundo os especialistas Jean Michel Chazine e Arnaud Noury, percebe-se que não havia distinção hierárquica entre as atividades desempenhadas pelos homens (como a caça) e pelas mulheres (como a agricultura), tendo ambas a mesma valoração.[4] Também não se percebia no Paleolítico qualquer diferenciação entre os ritos funerários entre homens e mulheres.[carece de fontes?] Entretanto, já a partir das sociedades consideradas basilares da civilização ocidental, como as da Grécia e Roma, o papel da mulher na sociedade já havia sido fortemente reduzido frente ao do homem, de forma que agora o indivíduo do sexo feminino jamais alcançaria pleno exercício de direitos sociais e políticos como se fazia no sexo masculino.[carece de fontes?] Na Roma Antiga a mulher vivia sob tutela perpétua, jamais gozando de autonomia patrimonial ou política, ficando sob o gerenciamento do pater familias, do marido ou de um tutor, caso ausentes os dois.[carece de fontes?]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Machismo

Referências

  1. Morales, Edward. S. Gender roles among Latino gay and bisexual men: Implications for family and couple relationships. In, J. Laird & R. J. Green (Eds.), Lesbians and gays in couples and families: A handbook for therapists. pp. 272-297. San Francisco: Jossey-Bass. 1996. Retrieved 23 December 2013.
  2. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Temas de Filosofia. 2ª edição. São Paulo: Moderna, 1998.
  3. Zaira Ary, Masculino y femenino en el imaginario católico: de la Acción Católica a la Teología de la Liberación, Annablume Editora, São Paulo 2000.
  4. A mulher na pré-história. Visitado em 21 de Julho de 2014.


Ícone de esboço Este artigo sobre antropologia ou um antropólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.