Satanismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Série temática sobre o
Satanismo
Conceitos
Satanismo LaVey
Satanismo Teísta
História
Satanismo
Organização
Igreja de Satã
Símbolos
Baphomet
Livros, publicações e portais
Bíblia Satânica
Rituais satânicos
Bruxaria satânica
The Church of Satan
A Vida Secreta de um Satanista
Satanistas proeminentes
Anton LaVey
Blanche Barton
Peter H. Gilmore
Peggy Nadramia
Divindades símbolicas
Satanás
Lúcifer
Beliel
Leviatã
Conceitos relacionados
Materialismo
Individualismo
Caminho da Mão Esquerda
Maioridade moral
Hedonismo
O pentagrama apontando para baixo é um símbolo do Satanismo.
Parte do Selo de Lúcifer, encontrado no Grimorium Verum, usado como símbolo por alguns satanistas.

O satanismo é um grupo de religiões composto por muitas crenças ideológicas e filosóficas e fenômenos sociais. As características comuns entre elas incluem associação simbólica, admiração ou veneração de Satanás ou de outras figuras rebeldes similares, como Prometeu, e figuras libertadoras.

Satanás, também chamado de Lúcifer por muitos cristãos, aparece pela primeira vez no livro Crônicas, instigando Davi a fazer um censo de Israel.

O cristianismo e o Islam tipicamente consideram Satanás como o adversário ou inimigo, mas muitas revisões e recomposições populares de contos bíblicos inseriram sua presença e influência em quase todos os aspectos de posição adversa, até à narração da Criação, em Gênesis e Queda do Homem. Especialmente por cristãos e muçulmanos, a figura de Satanás foi tratada variavelmente, como competidor rebelde ou invejoso dos seres humanos, de Jesus, e caracterizado como anjo caído ou demônio governador do submundo penitencial, acorrentado num poço fundo, vagando pelo planeta em busca de almas ou provendo ímpeto para farsas mundanas.

Particularmente após o iluminismo, algumas obras, como "Paraíso Perdido", foram tomadas pelos românticos e descritas como ilustradoras do Satanás bíblico como uma alegoria, representando crise de fé, individualismo, livre-arbítrio, sabedoria e iluminação. Essas obras demonstrando Satanás como um personagem heróico são poucas, mas existem; George Bernard Shaw, William Blake e Mark Twain ("Letters from the Earth") incluíram tais caracterizações nos seus trabalhos bem antes de satanistas religiosos começarem a escrever. Foi então que Satanás e o satanismo começaram a ganhar novos significados fora do cristianismo.[1]

Origem do termo[editar | editar código-fonte]

Em hebraico o termo quer dizer adversário, aquele que olha para o lado escuro da lua crescente do nirvana, opositor, se opondo, aquele que planeja contra outro.[2]

O termo Satan originou-se do judaísmo e se expandiu entre cristãos e seguidores do islamismo, chegando desse modo a disseminar-se entre diferentes culturas. O termo satanismo foi utilizado pelas religiões abraâmicas para designar práticas religiosas que consideravam estar em oposição directa do Deus abraamico (o Deus de Abraão).[carece de fontes?]

Denominações Satanistas[editar | editar código-fonte]

Satanismo de LaVey[editar | editar código-fonte]

O satanismo LaVey é uma filosofia (não é considerado uma religião por muitos seguidores) fundada em 1966 por Anton Szandor LaVey. Seus ensinamentos são baseados no individualismo, hedonismo e na moralidade "olho por olho". Diferente dos satanistas teístas, satanistas de LaVey são ateístas que consideram Satanás como um símbolo da natureza inerente do homem.[3] De acordo com o site religioustolerance.org, o satanismo de LaVey é um "pequeno grupo religioso que não é relacionado a nenhuma outra fé, e cujos membros sentem-se livres para satisfazer suas vontades responsavelmente, exibir simpatia aos seus amigos e atacar seus inimigos."[4] Suas crenças foram detalhadas pela primeira vez na Bíblia Satânica, que foi escrita pelo próprio LaVey, e é supervisionado pela Igreja de Satã.

Satanismo Simbólico[editar | editar código-fonte]

O satanismo simbólico[5] é a observação e prática de filosofias e rituais satânicos.[6] Nessa interpretação do satanismo, o satanista não venera Satanás no sentido teísta, mas ainda sim é um adversário do Cristianismo.

Satanismo Espiritual[editar | editar código-fonte]

No satanismo espiritual, a crença primaria é de que Satã é de fato uma deidade ou força a ser reverenciada ou adorada. Nessa denominação Satânica, a crença em magia manipulada através de ritual pode ser incluída, embora este não seja um critério de definição, podendo somente a adoração ser praticada.  

Luciferianismo[editar | editar código-fonte]

O Luciferanismo pode ser considerado uma derivação da filosofia empregada no Satanismo. Seus seguidores não cultuam Lúcifer (Lúcifer é visto como um Anjo, e não como a personificação do mal no cristianismo), mas o vêem como uma referência para alcançar a Iluminação Espiritual. Sendo que a origem de seu nome significa Portador da Luz.

Satanismo Gótico[editar | editar código-fonte]

Neste caso, o termo Gótico é sinônimo de Medieval. Na realidade esta variação nunca existiu pois faz parte apenas das lendas criadas na Idade Média pela Igreja Católica para atemorizar os cristãos e servir de acusação nos processos inquisitórios. O caso das Bruxas de Salém em 1692, é um exemplo. Nesta variação lendária do Satanismo, seus adeptos sacrificavam crianças e animais em rituais de magia destrutiva.

Satanismo Tradicional[editar | editar código-fonte]

O Satanismo Tradicional, ao contrário do que muitos pensam, existiu muito antes do Satanismo Moderno ou qualquer outra vertente do Satanismo, e pode também ser chamado de Satanismo Primordial. Na realidade, muitos ainda o confundem com o Satanismo Gótico, inventado pela Igreja Católica para justificar a Inquisição. Sendo assim, não há fins que justifiquem que o Satanismo Tradicional foi criado pelos cristãos, já que ele existiu ainda antes da própria Igreja Católica. Diferente do Satanismo Moderno, que acredita que seu próprio Deus é si mesmo, o Satanismo Tradicional acredita em Satan como uma entidade real, uma divindade, e pratica rituais, orações, preces, cultos, consagrações e até casamentos em nome dele.

Nos bastidores da Corte[editar | editar código-fonte]

Lucifer em Paraíso Perdido, como ilustrado por Gustave Doré.

Embora possa parecer um pouco improvável, o satanismo foi muito popular e comum nos séculos XVI e XVII nas cortes européias[7] , mesmo com toda fiscalização da Igreja Católica.

A França, naqueles tempos, tinha um mercado de satanismo lucrativo, existindo como se fosse uma máfia, que tinha integrantes até nas mais altas rodas sociais de Paris. Essa máfia, todavia, foi desarticulada pelas autoridades da cidade, em grande parte graças a Gabriel Nicolas de la Reynie.

La Reynie começou a desconfiar que existia uma rede alternativa de satanismo em Paris após prender Louis de Vanens, um notório satanista. Ele ficou meses atrás de uma pista da existência do tal grupo, mas nunca conseguiu provar nada. Todavia, um dia ele conseguiu prender uma conhecida cartomante, Catherine Deshayes, mais conhecida com La Voisin . Com ela, ele encontrou não apenas artigos que cartomantes normalmente usam, mas também objetos pretensamente usados em rituais de magia negra, como sangue, terra de cemitério, sêmen, entre outras coisas.

Quando foi indagada de suas atividades, La Voisin revelou que, além de poções de amor, ela havia feito diversos abortos para mulheres da mais alta roda parisiense, sendo que foram supostamente encontrados diversos fetos e bebês enterrados em seu quintal. Entre vários de seus cúmplices denunciados, um notório foi Étienne Guibourg[8] , que segundo ela, era um integrante da Igreja de Satã, a qual praticava todo tipo de magia e atividades relacionadas com satanismo.

Umas da clientes de La voisin e do próprio Guibourg era Francisca Atenas conhecida como Madame de Montespan, uma das favoritas do rei Luis XVI, que supostamente estava desesperada para se tornar esposa deste. Os primeiros rituais para Montespan[9] , segundo La Voisin, não envolveram sacrifícios de crianças, somente certos rituais mágicos. Sobre a influência de La Voisin, Montespan fazia poções e as colocava na comida do rei, com testiculos de animais e afins.

Todavia, segundo conta, as intenções de Montespan foram mudando, e os rituais, que eram de amor, foram mudando para ódio[10] , e os rituias foram se tornando cada vez mais macabros, com a intenção de matar o rei, embora não tenha havido sucesso. Logo depois do grupo ser descoberto por La Reine, diversas pessoas foram presas, inclusive Montespan, tendo sido inocentada e passando o resto de sua vida no interior do pais.[11]

Mudanças[editar | editar código-fonte]

Devido ao fato de o Satanismo Original ser uma doutrina filosófica que pregava a liberdade individual do ser humano, dentre outras ideias, contrariava fortemente os dogmas e princípios morais da Igreja Católica. Esta, desde então, passou a perseguir os adeptos de tal doutrina e a acusá-los de heresias como adoração ao demônio e prática de orgias sexuais. O argumento utilizado pela Igreja para consolidar o seu posto teve uma eficiência quase completa. Ainda assim, alguns grupos satanistas conseguiram preservar suas práticas.

É importante destacar que existem diversas vertentes do Satanismo. As duas principais são a vertente filosófica, que se limita a cumprir a doutrina de acordo com certos valores puramente filósoficos, e a vertente religiosa, que teve o seu surgimento alguns anos depois que a Igreja acusou os Satanistas Originais de adoração ao diabo, dentre várias outras. Isso fez com que certos grupos posteriores pensassem que tal acusação se tratasse de uma verdade absoluta, e devido a uma certa falta de informação e instrução, tais grupos passaram desde então a pôr em prática os rituais que pensavam constituir as práticas do satanismo. Surge então o Satanismo Moderno, com fundamentos puramente religiosos, dos quais a Igreja os acusava de praticarem, o que não anula a sua condição de vertente e a existência da vertente filosófica.

Um dos pensamentos mais errôneos sobre o Satanismo é acreditar no uso de fetos e/ou humanos já formados em rituais macabros, para invocação da vida, ou da morte, ou de quaisquer outras entidades. No século XX vários serial-killers usaram equivocadamente o nome do Satanismo para justificar suas atrocidades, sendo que eles não tinham qualquer ligação com os verdadeiros satanistas, cuja filosofia poderia superficialmente ser traduzida sob a expressão "faz o bem ou não faças nada".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jesper Aagaard Petersen. Contemporary Religious Satanism: A Critical Anthology. [S.l.]: Ashgate Publishing, 2009. ISBN 9780754652861.
  2. Ricardo Pereira posa nu pelas energias renováveis diariodigital.sapo.pt. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  3. LaVey, Anton. The Satanic Bible. [S.l.]: Avon, 1969. p. 40. : "It is a common misconception that the Satanist does not believe in God...To the Satanist, "God" - by whatever name he is called, or by no name at all - is seen as a balancing factor..."
  4. SATANISM www.religioustolerance.org. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  5. Darkside Collective Ministry International www.darksidecollective.org. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  6. Modern Satanism www.spiralnature.com. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  7. CAVENDISH, Richard.The Encyclopedia of Unexplained; Magic, Occultism and Parapsychology. Segunda edição, New york, NY. Mcgraw-Hill Book Company.1976..
  8. Anne Somerset - The Affair of the Poisons: Murder, Infanticide, and Satanism at the Court of Louis XIV (St. Martin's Press (October 12, 2003) ISBN 0-312-33017-0)
  9. Hugh Noel Williams - Madame de Montespan and Louis XIV, 1910.
  10. Madame de Montespan and Louis XIV - H. Noel Williams - Google Livros books.google.com.br. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  11. CAVENDISH, Richard.The Encyclopedia of Unexplained; Magic, Occultism and Parapsychology. Segunda edição, New york, NY. Mcgraw-Hill Book Company.1976.