Anton LaVey

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Série temática sobre o
Satanismo
Conceitos
Satanismo LaVey
Satanismo Teísta
História
Satanismo
Organização
Igreja de Satã
Símbolos
Baphomet
Livros, publicações e portais
Bíblia Satânica
Rituais satânicos
Bruxaria satânica
The Church of Satan
A Vida Secreta de um Satanista
Satanistas proeminentes
Anton LaVey
Blanche Barton
Peter H. Gilmore
Peggy Nadramia
Divindades símbolicas
Satanás
Lúcifer
Beliel
Leviatã
Conceitos relacionados
Materialismo
Individualismo
Caminho da Mão Esquerda
Maioridade moral
Hedonismo
Museu de Cera, São Francisco, Califórnia - EUA
Portal A Wikipédia possui o
Portal do Ocultismo

Anton Szandor LaVey[1] , nascido Howard Stanton Levey (Chicago, 11 de abril de 1930São Francisco, 29 de outubro de 1997), fundou a Igreja de Satã. Segundo sua biografia, tem ascendência georgiana da Alsácia, alemã, e romena.[2] Além de líder da primeira organização abertamente satânica da história, LaVey também trabalhou como músico, fotógrafo forense, ocultista e domador de feras em circos.

O mito era a realidade[editar | editar código-fonte]

Um verdadeiro satanista, viveu o que ensinou.

Eu sou um infernal mentiroso. Maior parte da minha vida adulta, eu fui acusado de ser um charlatão, uma fraude, um impostor. Acho que isso me faz o mais próximo ao que do Diabo se deve ser, além que qualquer um. Isso é verdade. Eu minto constantemente, incessantemente. Porque eu minto constantemente, eu realmente estaria cheio de merda, se eu não mantivesse a minha boca fechada e minhas entranhas abertas.[3]

Anton Szandor LaVey foi o extravagante Sumo Sacerdote da Igreja de Satã e autor da Bíblia Satânica. Juntamente com Charles Manson e Timothy Leary, outros pop messiânicos gurus, foi figura notória nos anos 1960. Lavey, contudo, como guru do submundo revelado da adoração satânica, serviu de bicho-papão para a mídia norte-americana sensacionalista.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

A biografia autorizada de vida de Lavey é bem diferente da real biografia do fundador da igreja satânica. Boa parte de sua biografia real foi desmistificada após as divergências e rachas entre os altos satanistas da organização de Lavey.

A lenda cuidadosamente auto-criado pode ser o legado mais duradouro de LaVey. Por meio de entrevistas com jornalistas, discussão pessoal com os seus discípulos, LaVey disseminava a sua lenda.[4]

Ele aprovou duas biografias. A primeira delas de 1974 é Vingador do Diabo, por Burton Wolfe, supostamente escrita a quatro mãos com LaVey. A segunda, de 1990, Vida Secreta de um Satanista, por Blanche Barton, secretária[4] e mãe de seu filho Satan Xerxes.

Na biografia oficial afirmou que seu nome original era "Anton Szandor LaVey", entretanto seu nome de registro era "Howard Stanton Levey", em Chicago, Illinois.[4] [5]

Em sua biografia original, afirmava-se que seus pais eram José e Augusta LaVey, quando na realidade seus pais foram Michael Joseph Levey (1903-1992), de Chicago, Illinois e sua ex-esposa Gertrude Levey.[6] [4]

Gertrude Augusta Coultron que nasceu de uma mãe russa e pai ucrâniano havia emigrado para Ohio em 1893. Ambos tornaram-se naturalizados cidadãos norte-americanos em 1900. A família de LeVey mudou para a Califórnia, onde passou a sua infância na Baía de São Francisco. Seus pais teriam apoiado seus interesses musicais, e ele teria tentado uma série de instrumentos; seus favoritos eram os teclados, como o órgão de tubos e o Calliope. Ele fez covers de músicas instrumentais como Harlem Nocturne, de Earle Hagen.[7]

Na biografia oficial Lavey dizia que a sua avó cigana, da Transilvânia, o teria introduzido no Lado Negro, contudo depois foi revelado que a sua avó nem era cigana nem da Transilvânia. Ela era ucraniana de nome Cecile Luba Primokov-Coulton ("Coulton" foi anglicizado para "Koltonoff").[8] [4]

Ele teria estudado em Tamalpais High School em Mill Valley, Califórnia, até a idade de 16 anos. [4] De acordo com a sua biografia, ele deixou a escola para se juntar a um circo,[4] primeiro como empregado de loja do circo, depois o menino entraria em gaiolas com os grandes felinos. Depois trabalhara como músico tocando a Calliope. Ele viria a trabalhar como organista em bares, salões e casas noturnas.

LaVey afirmou ter visto que muitos dos homens que participaram de obscenidades nas noites de sábados, participavam de reuniões de avivamento em igrejas em tendas nas manhãs de domingo, que reforçaram a sua visão cada vez mais cínica da religião. No prefácio à versão alemã de A Bíblia Satânica, ele cita isso como sendo o impulso de desafiar a religião cristã. Ele acusou membros freqüentadores da igreja como adeptos de uma dupla moral.[9]

Por bastante tempo imperou o mito de que em 1945, aos 15 anos, Lavey teria ido às ruínas do pós-guerra da Alemanha com seu tio, que seria um oficial da Guarda Costeira dos EUA, onde lhe teria mostrado filmes ultra-secretos inspirados em Lojas do culto satânico e seus rituais. Este mito foi reforçado quando Anton sobre o seu livro de 1972, The Satanic Rituals, afirmava que rituais eram transcritos do que vira na Alemanha quando jovem. Ocorre que a ex-esposa Diane LaVey revelou que quando jovem Howard passou a totalidade de 1945 no subúrbio do norte da Califórnia e nunca visitou a Alemanha, e este tio estaria presso neste período na McNeill Island Penitentiary por envolvimento com Al Capone e nunca teria sido das forças armadas. Reforçando este depoimento, a Lei Marcial dos Aliados havia proibido os cidadãos americanos de visitar Alemanha pós-guerra. Os rituais alemães seriam adaptações do conto The Hounds of Tindalos, de Frank Belknap Long e do famoso romance de H. G. Wells, A Ilha do Dr. Moreau.[4]

Segundo a biografia oficial, enquanto esteve tocando órgão em casas burlescas de Los Angeles, ele teria tido um breve affair com a então desconhecida Marilyn Monroe, uma bailarina no Teatro Mayan. Este relato de sua biografia oficial é contestado por conhecidos de Marilyn Monroe, assim como o gerente da Mayan, Paul Valentine, que disse que ela nunca tinha sido uma de suas dançarinas, bem como negou que o teatro fora usado como uma casa burlesca.[10]

De acordo com a sua biografia autorizada, LaVey voltou para São Francisco, onde trabalhou por três anos como fotógrafo para o Departamento de Polícia de São Francisco. Ele se envolveu como um investigador paranormal. Biógrafos posteriores questionaram se LaVey já trabalhara no Departamento de Polícia de são Francisco, posto que não há registros que comprovem as suas declarações.[4] [11] [12]

LaVey era amigo de uma série de escritores associados a revista Weird Tales; uma foto dele com George Haas, Robert Barbour Johnson (que ele conheceu no circo como um treinador de animais e pintor de cenas de carnaval) e Clark Ashton Smith aparece na biografia de Blanche Barton, A Vida Secreta de um Satanista.

Em 1950, LaVey conheceu Carole Lansing e eles se casaram no ano seguinte. Lansing deu à luz a primeira filha de LaVey, Karla LaVey, nascido em 1952. Eles se separaram em 1960 depois de LaVey ficou encantado com Diane Hegarty. Hegarty e LaVey nunca se casaram, no entanto ela foi sua companheira de muitos anos e mãe de sua segunda filha, Zeena Galatea Schreck, em 1963.

Acabou por se tornar uma celebridade local através de suas performances paranormal e como organista, inclusive tocando Wurlitzer no salão de cocktails, atraindo muitos notáveis de São Francisco para suas festas. Entre os convidados, Carin Plessin, Michael Harner, Chester A. Arthur III, Forrest J. Ackerman, Fritz Leiber, Dr. Cecil E. Nixon e Kenneth Anger.

A Igreja[editar | editar código-fonte]

LaVey começou apresentando nas noites de sexta-feira palestras e rituais de ocultismo. Um membro do círculo sugeriu que deveria fundar uma igreja.

Em 30 de abril de 1966, divulgou-se, oficialmente, que raspou a cabeça "na tradição dos antigos carrascos", e segundo adoradores do diabo Yezidi do Iraque, e se declarou o fundador da Igreja de Satanás, e Sumo Sacerdote Satanás. Proclamou então em 1966 como o sendo o Ano Um, Ano de Satanás, o primeiro ano da Era de Satã.

Posteriormente, Diane LaVey afirmou que Anton teria raspado sua cabeça devido a uma desafio com ela no verão de 1966, e não havia relação com a Igreja de Satã. Estudiosos afirmam que os Yezidi qawwals, os mestres Yezidi, não raspavam a cabeça.[13] [14] [15] [4]

LaVey realizou batismos satânicos. O primeiro batismo satânico da história foi em 23 de maio de 1967, o de sua filha, então com 3 anos, Zeena LaVey, quando esta foi consagrada ao Diabo, numa cerimônia com direito a mulher nua e LaVey com seu famoso capuz com chifres.[16] [17] O evento ganhou notoriedade mundial e serviu para a gravação do LP The Satanic Mass. [18] [19] Nesse período LaVey afirmava que tinha 250 seguidores em São Francisco, Califórnia. Lavey também fez funerais satânicos, com destaque para o do marinheiro Edward Olsen.

LaVey de início formou um grupo chamado a Ordem do Trapézio, que mais tarde evoluiu para o corpo governante da Igreja de Satanás. Posteriormente, instituiu-se um grau para os mais elevados na ordem, o Conselho dos Nove.

Obras escritas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Wright, Lawrence - "It’s Not Easy Being Evil in a World That’s Gone to Hell", Rolling Stone, September 5, 1991: 63-68, 105-16.
  2. Barton, Blanche The Secret Life of a Satanist
  3. Anton LaVey, Satan Speaks, pág. 101
  4. a b c d e f g h i j k Anton Lavey, Lenda e realidade – por Zeena Lavey e Nikolas Schreck, fev/1998 -Chuchofsatan.org
  5. Certidão de nascimento 4/11/1930, Condado de Cook, Illinois. E confirmado por parentes.
  6. Certidão de nascimento 4/11/1930, Condado de Cook, Illinois.Confirmado pela filhas de Lavey, Zeena e Karla, conforme a sua certidão de óbito.
  7. https://www.youtube.com/watch?v=6FEV2F55g6A - Lavey em vídeo no Youtube
  8. conforme declaração dos pais de Anton
  9. LaVey, Anton Szandor (1999). Die Satanische Bible (Satanic Bible). Berlin: Second Sight Books.
  10. The Church of Satan by Michael Aquino p. 17-19, detailing information from Harry Lipton, Monroe's agent, Paul Valentine and Edward Webber"
  11. Wright, Lawrence – "It's Not Easy Being Evil in a World That's Gone to Hell", Rolling Stone, September 5, 1991: 63–68, 105–16.
  12. Lewis, James R. (2003). Legitimating New Religions. Rutgers University Press. p. 109. ISBN 0813533244.
  13. Relatos de Diane LaVey
  14. Ethel S. Drower, Peacock Angel, 1941
  15. C.J. Edmonds, A Pilgrimage to Lalish, Royal Asiatic Society, 1967
  16. Imagens de jornais nos EUA, na Alemanha e na França
  17. Batismo da Filha – imagem da coleção Bettmann
  18. http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&v=s_M09vuLQAc&NR=1
  19. http://www.discogs.com/Anton-LaVey-The-Satanic-Mass/release/1166426


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Anton LaVey