Templo de Salomão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Esboço do Templo de Salomão.

O Templo de Salomão (no hebraico: בית המקדש, transl. Beit HaMiqdash), foi, segundo a Bíblia hebraica, o primeiro Templo em Jerusalém, construído no século XI a.C., e teria funcionado como um local de culto religioso judaico central para a adoração a Javé (Jeová), Deus de Israel, e onde se ofereciam os sacrifícios conhecidos como korbanot.

Narrativa bíblica[editar | editar código-fonte]

Intervenção de Davi[editar | editar código-fonte]

O rei Davi, da tribo de Judá, desejava construir uma casa para Javé (YHWH), onde a Arca da Aliança ficasse definitivamente guardada, ao invés de permanecer na tenda provisória ou tabernáculo, existente desde os dias de Moisés. Segundo a Bíblia, este desejo foi-lhe negado por Deus em virtude de ter derramado muito sangue em guerras. No entanto, isso seria permitido ao seu filho Salomão, cujo nome significa "paz". Isto enfatizava a vontade divina de que a Casa de Deus fosse edificada em paz, por um homem pacífico. (2 Samuel 7:1-16; 1 Reis 5:3-5; 8:17; 1 Crónicas 17:1-14; 22:6-10).

Davi comprou a eira de Ornã ou Araúna, um jebuseu, que se localizava monte Moriah ou Moriá, para que ali viesse a ser construído o templo. (2 Samuel 24:24, 25; 1 Crónicas 21:24, 25) Ele juntou 100.000 talentos de ouro, 1.000.000 de talentos de prata, e cobre e ferro em grande quantidade, além de contribuir com 3.000 talentos de ouro e 7.000 talentos de prata, da sua fortuna pessoal. Recebeu também como contribuições dos príncipes, ouro no valor de 5.000 talentos, 10.000 daricos e prata no valor de 10.000 talentos, bem como muito ferro e cobre. (1 Crónicas 22:14; 29:3-7) Salomão não chegou a gastar a totalidade desta quantia na construção do templo, depositando o excedente no tesouro do templo (1 Reis 7:51; 2 Crónicas 5:1).

Aspectos da construção[editar | editar código-fonte]

O Rei Salomão começou a construir o templo no quarto ano de seu reinado seguindo o plano arquitectónico transmitido por Davi, seu pai (1 Reis 6:1; 1 Crónicas 28:11-19). O trabalho prosseguiu por sete anos. (1 Reis 6:37, 38) Em troca de trigo, cevada, azeite e vinho, Hiram ou Hirão, o rei de Tiro, forneceu madeira do Líbano e operários especializados em madeira e em pedra. Ao organizar o trabalho, Salomão convocou 30.000 homens de Israel, enviando-os ao Líbano em equipes de 10.000 a cada mês. Convocou 70.000 dentre os habitantes do país que não eram israelitas, para trabalharem como carregadores, e 80.000 como cortadores (1 Reis 5:15; 9:20, 21; 2 Crónicas 2:2). Como responsáveis pelo serviço, Salomão nomeou 3.300 como encarregados da obra. (1 Reis 5:16)

Salomão mandou entalhar grandes pedras (1 Reis 5:15) que eram encaixadas umas nas outras, de forma que não se usavam ferramentas para entalhar na obra (não se ouviam martelos ou instrumentos de ferro na obra).

No templo se utilizava escada tipo caracol para subir aos dois pavimentos superiores (1 Reis 6:8).

Foi um período extremamente prospero para a nação, neste período Salomão passa a criar cavalos, institui trabalhos forçados para os nativos da terra (cananeus) contrariando a palavra profética escrita no livro de Deuteronômio 17:14 a 17: chegando na terra prometida, buscariam ter reis e nunca poderiam tornar-se semelhantes ao Egito.

Este período de prosperidade só foi possível após as guerras vencidas por Davi, seu pai, conforme relata o próprio Salomão em 1 Reis 5:3, esta foi a forma de Javé não dar condições para Davi realizar a obra.

O templo tinha uma planta muito similar à tenda ou tabernáculo que anteriormente servia de centro da adoração ao Deus de Israel. A diferença residia nas dimensões internas do Santo e do Santo dos Santos ou Santíssimo, sendo maiores do que as do tabernáculo. O Santo tinha 40 côvados (17,8 m) de comprimento, 20 côvados (8,9 m) de largura e, evidentemente, 30 côvados (13,4 m) de altura. (1 Reis 6:2) O Santo dos Santos, ou Santíssimo, era um cubo de 20 côvados (8,9 m)de lado. (1 Reis 6:20; 2 Crónicas 3:8)

Os materiais aplicados foram essencialmente a pedra e a madeira. Os pisos foram revestidos a madeira de junípero (ou de cipreste segundo algumas traduções da Bíblia) e as paredes interiores eram de cedro entalhado com gravuras de querubins, palmeiras e flores. As paredes e o teto eram inteiramente revestidos de ouro. (1 Reis 6:15, 18, 21, 22, 29)

Após a construção do magnífico templo, a Arca da Aliança foi depositada no Santo dos Santos, a sala mais reservada do edifício.

Anos posteriores[editar | editar código-fonte]

Teria sido pilhado várias vezes e teria sido totalmente destruído por Nabucodonosor II da Babilónia, em 586 a.C., após dois anos de cerco a Jerusalém. Os seus tesouros teriam sido levados para a Babilónia e tinha assim início o período que se convencionou chamar de Exílio Babilônico ou Cativeiro em Babilónia na história judaica.

Décadas mais tarde, em 516 a.C., após o regresso de mais de 40.000 judeus do Cativeiro Babilónico foi iniciada a construção no mesmo local do Segundo Templo. À época de Jesus, o rei Herodes, o Grande, querendo agradar aos judeus, reconstruiu o templo, que foi destruído pelo general Tito em 70 d.C, pelos romanos, no seguimento da Grande Revolta Judaica.

Hoje o que resta, erguido, do Templo de Herodes é o Muro das Lamentações, usado por judeus ortodoxos e cristãos como lugar de oração.

Estudos modernos[editar | editar código-fonte]

James Ussher[editar | editar código-fonte]

James Ussher, bispo irlandês durante o século XVII,[1] calculou que o Templo de Salomão teve sua construção finalizada em 1004 a.C.; foi com base nesta data, e na sua estimativa do ano 4 a.C. para o nascimento de Jesus Cristo, que ele estipulou que a criação deveria ter ocorrido em 4004 a.C., e fixou a data da criação no que seria a época inicial do calendário hebraico proléptico para este ano, ou seja, no pôr do sol que antecedeu o dia 23 de outubro de 4004 a.C.[2]

Isaac Newton[editar | editar código-fonte]

Desenho do Templo de Salomão, por Isaac Newton.

Newton, em sua proposta para reformar a cronologia antiga, datou a construção do templo em 1015 a.C.. De acordo com seus cálculos, todos os demais templos do mundo, inclusive as pirâmides do Egito, construídas entre 901 a.C. e 788 a.C., e os templos da Grécia, Mesopotâmia e Pérsia, foram construídos depois do templo de Salomão.[3]

Newton se baseou nos textos da Bíblia, principalmente na visão de Ezequiel (Ezequiel 9:5), para descrever o templo de forma detalhada.[4]

Notas e referências

Notas

Referências

  1. Pierce, Larry (28 de abril de 2006). The World: Born in 4004 BC? (em inglês). Answers. Página visitada em 3 de janeiro de 2013.
  2. James Ussher, The Annals of the World [em linha]
  3. Isaac Newton, The Chronology of Ancient Kingdoms, A Short Chronicle from the First Memory of Things in Europe, to the Conquest of Persia by Alexander the Great [em linha]
  4. Isaac Newton, The Chronology of Ancient Kingdoms, Chapter 5: A Description of the Temple of Solomon [em linha]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo incorpora texto do verbete Temple, Solomon’s no Easton's Bible Dictionary (em inglês), obra em domínio público, publicada originalmente em 1897.
  • Este artigo incorpora texto da Jewish Encyclopedia (em inglês) de 1901–1906 (artigo "Temple of Solomon"), uma publicação agora em domínio público.
  • Finkelstein, Israel e Neil Asher Silberman. David and Solomon: In Search of the Bible's Sacred Kings and the Roots of the Western Tradition. [S.l.]: Free Press, 2006. ISBN 0-7432-4362-5
  • Finkelstein, Israel e Neil Asher Silberman. The Bible Unearthed: Archaeology's New Vision. [S.l.: s.n.].
  • Benjamin Mazar, The Mountain of the Lord (Doubleday, NY, 1975) ISBN 0-385-04843-2.
  • Roland De Vaux (tr. John McHugh), Ancient Israel: Its Life and Institutions (NY, McGraw-Hill, 1961).
  • Goldman, Bernard, The Sacred Portal: a primary symbol in ancient Judaic art, Detroit : Wayne State University Press, 1966. It has a detailed account and treatment of Solomon's Temple and its significance.
  • Hamblin, William and David Seely, Solomon's Temple: Myth and History (Thames and Hudson, 2007) ISBN 0500251339

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]