Radiotelescópio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O radiotelescópio de 26 metros no Observatório Mount Pleasant, Tasmânia, Austrália.

Constrastando com um telescópio óptico, que produz imagens a partir da luz visível, um radiotelescópio observa as ondas de rádio emitidas por fontes de rádio, normalmente através de uma ou um conjunto de antenas parabólicas de grandes dimensões.[1]

O maior radiotelescópio é o RATAN-600 (Rússia) com 576 m de diâmetro da antena circular (descrição do RATAN-600).

No entanto, o mais conhecido (embora não sendo capaz de ser direccionado) é o Radiotelescópio de Arecibo, localizado em Arecibo, Porto Rico. Outro, também muito conhecido, é o Very Large Array (VLA), em Socorro, Novo México. O maior radiotelescópio na Europa tem uma antena de 100 metros de diâmetro, em Effelsberg, Alemanha, e também foi, durante 30 anos, o maior, com a possibilidade de ser direccionado, até à inauguração do Telescópio Green Bank em 2000. O diâmetro típico de uma antena de um radiotelescópio é de 25 metros, e dezenas de radiotelescópios de tamanho idêntico operam em rádio-observatórios em todos o mundo.[1]

No Brasil, o principal radiotelescópio existente é o Rádio Observatório de Itapetinga[2] , com uma grande antena de quase 14 metros de diâmetro - tamanho muito próximo ao da antena encontrada em Euzébio, no Ceará, um dos principais equipamentos que medem a Geodésia no mundo - que observa, principalmente, dados provenientes do Sol, além de outras fontes como galáxias e planetas. Opera entre as frequências de 22 e 48 GHz. Em Cachoeira Paulista está localizado um dos radiotelescópios do Projeto GEM, que mede continuamente a emissão rádio da Via Láctea na faixa compreendida entre 408 MHz e 10 GHz.[3] [1]

Em Portugal, será instalado em Pampilhosa da Serra outro radiotelescópio do Projeto GEM.

A área da Astronomia relacionada com as observações realizadas por estes radiotelescópios é designada de radioastronomia.[1]

Muitos dos corpos celestes, como os pulsares ou galáxias activas (como os quasares), produzem radiação em radiofrequência e são, portanto, observáveis na região rádio do espectro electromagnético. Examinando a frequência, potência e tempo das emissões rádio destes objectos, os astrónomos podem aumentar a sua percepção do Universo.[1]

Os radiotelescópios são também, ocasionalmente, incluídos na procura de vida extraterrestre e no acompanhamento das sondas espaciais (ver Deep Space Network) e satélites.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Universidade Federal do Rio de Janeiro. . "Rádio Telescópio".
  2. "Radiobservatório do Itapetinga".
  3. Tello, C. et al. (2000). "Spillover and diffraction sidelobe contamination in a double-shielded experiment for mapping Galactic synchrotron emission". Astronomy and Astrophysics Supplement Series 145: 495-508 pp..


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.