História da ciência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ciência é um conjunto de conhecimentos empírico, teórico e prático sobre a natureza, produzido por uma comunidade global de pesquisadores fazendo uso do método científico, que dá ênfase à observação, explicação e predição de fenômenos reais do mundo através de experimentos. Dada a natureza dual da ciência como um conhecimento objetivo e como uma construção humana, a historiografia da ciência usa métodos históricos tanto da história intelectual como da história social.

Traçar as exatas origens da ciência moderna se tornou possível através de muitos importantes textos que sobreviveram desde o mundo clássico. Entretanto, a palavra cientista é relativamente recente - inventada por William Whewell no século XIX. Anteriormente, as pessoas investigando a natureza chamando a si mesmas de filósofos naturais.

Enquanto as investigações empíricas do mundo natural foram descritas desde a antiguidade clássica (por exemplo, por Tales de Mileto, Aristóteles, e outros), e o método científico ter sido usado desde a Idade Média, Robert Grosseteste e Jean Buridan o surgimento da ciência moderna é geralmente traçado até a Idade Moderna, durante o que é conhecido como Revolução Científica que aconteceu nos séculos XVI e XVII na Europa.

Métodos científicos são considerados como sendo fundamentais para a ciência moderna que alguns - especialmente os filósofos da ciência e cientistas - consideram investigações antigas da natureza como sendo pré-científica. Tradicionalmente, historiadores da ciência têm definido ciência sendo suficientemente abrangente para incluir essas investigações.[1]

Culturas antigas[editar | editar código-fonte]

Em tempos pré-históricos, conselhos e conhecimento eram passados de geração em geração em uma tradição oral. O desenvolvimento da escrita permitiu que o conhecimento fosse armazenado e comunicado através das gerações com muito mais fidelidade. Combinado com o desenvolvimento da agricultura, que permitiu um aumento na reserva de comida, isso tornou possível que as civilizações antigas se desenvolvessem, porque foi possível dedicar mais tempo a outras tarefas que não fossem a sobrevivência.

Muitas civilizações antigas coletavam informações astronômicas de maneira sistemática através da simples observação. Apesar deles não terem um conhecimento de verdadeira estrutura física dos planetas e estrelas, muitas explicações teóricas foram propostas. Fatos básicos sobre fisiologia humana já eram de conhecimento em alguns lugares, e a alquimia era praticada por várias civilizações. Observações consideráveis sobre flora e fauna macrobióticas também foram realizadas.

Ciência no antigo Oriente Médio[editar | editar código-fonte]

Tábua de argila da Mesopotâmia, ( 492 a.C.)

Desde o seu início na Suméria (no atual Iraque) por volta de 3500 a.C., as pessoas da Mesopotâmia começaram a tentar gravar algumas observações do mundo com dados numéricos bem pensados. Mas suas observações e medições eram feitas por propósito em vez de de ser pelas leis da ciência. Uma instância concreta do Teorema de Pitágoras foi gravada no século XVIII a.C.: a tábua de argila dos mesopotâmios Plimpton 322 estava gravada com vários números de trios pitagóricos (3,4,5) (5,12,13) …, datado de 1900 a.C., possivelmente milênios antes de Pitágoras,[2] mas não existia uma formulação abstrata do teorema de Pitágoras.[3]

Na astronomia da Babilônia, as várias anotações sobre os movimentos das estrelas, planetas, e a Lua foram escritas em milhares de tábuas de argila criadas por escribas. Mesmo atualmente, períodos astronômicos identificados por cientistas mesopotâmios ainda são largamente usados nos calendários ocidentais: o ano solar, o mês lunar, a semana de sete dias. Usando essas informações, eles desenvolveram métodos aritméticos para computar a mudança no comprimento da luz solar durante o curso do ano e para predizer a aparição ou o desaparecimento da Lua e planetas e eclipses do Sol e da Lua. Apenas alguns nomes de astrônomos são conhecidos, como o de Kidinny, um astrônomo e matemático caldeu. A astronomia da Babilônia foi "a primeira e mais bem sucedida tentativa de dar um refinamento matemático para as descrições dos fenômenos astronômicos." De acordo com o historiador A. Aaboe, "todas as subsequentes variações de astronomia científica, no mundo helenístico, na Índia, no Islã, e no Ocidente - se não for todas as subsequentes descobertas nas ciências exatas - dependem da astronomia da Babilônia de maneiras decisivas e fundamentais."[4]

Ciência do Antigo Egito[editar | editar código-fonte]

Avanços significativos do Egito Antigo incluem astronomia, matemática e medicina.[5] A geometria foi necessária para a engenharia geográfica para preservar o layout e manter o dono das terras de fazendas, que eram inundadas anualmente pelo rio Nilo. O triângulo reto 3,4,5 e outras regras serviam para representar estruturas retilineares, e para a arquitetura do Egito. Egito foi também o centro da pesquisa de alquimia por grande parte da Mediterrâneo.

O papiro Edwin Smith é um dos primeiros documentos médicos que ainda existe, e talvez o documento mais antigo que tenta descrever e analisar o cérebro: ele pode ser visto como o começo da moderna neurociência. No entanto, enquanto a medicina do Egito tinha algumas práticas efetivas, ela também possui práticas ineficazes e por vezes perigosas. Historiadores médicos acreditam que a farmacologia do Antigo Egito, por exemplo, era na maior parte ineficaz.[6] Ainda assim, ela aplicava os seguintes componentes para o tratamento das doenças: exame, diagnóstico, tratamento, e prognóstico,[3] que demonstra um grande paralelo para a base do método empírico da ciência e de acordo com G. E. R. Lloyd[7] teve um papel significante no desenvolvimento dessa metodologia. O papiro Ebers (cerca de 1550 a.C.) também contém evidências do tradicional empirismo.

Ciência no mundo greco-romano[editar | editar código-fonte]

A morte de Sócrates, por Jacques-Louis David, (Metropolitan Museum of Art). Sócrates, sereno, aponta para o alto, enquanto seus amigos e o próprio carcereiro lamentam a condenação.

O pensamento científico surgiu na Grécia Antiga aproximadamente no século VI a.C. com os pensadores pré-socráticos que foram chamados de "Filósofos da Natureza" e também "Pré-cientistas". Foi um período onde a sociedade ocidental, saiu de uma forma de pensamento baseada em mitos e dogmas, para entrar no pensamento científico baseado no ceticismo. Muitos livros, apresentam este ou aquele pensador pré-socrático como pai do pensamento científico, mas isso não é verdade, pois todos esses pensadores contribuíram de uma forma ou de outra para a formação do pensamento científico.

O pensamento dogmático coloca as ideias como sendo superiores ao que se observa. O pensamento cético coloca o que é observado como sendo superior às ideias. Um dogma é uma ideia e por mais que se observe fatos que destruam o dogma, uma pessoa com pensamento dogmático irá preservar o seu dogma. Para a ciência, uma teoria é uma ideia, mas se observarmos fatos que comprovem a falsidade da ideia, o cientista tem a obrigação de destruir ou modificar a teoria.

Foi na época de Sócrates e seus contemporâneos que o pensamento científico se consolidou, principalmente com o surgimento do conceito de "prova científica", ou repetição do fato observado na natureza. Quando esse processo de modificação no pensamento grego terminou, aproximadamente noventa por cento dos gregos haviam se tornado ateus. [carece de fontes?]Sócrates foi condenado à morte e teve de tomar cicuta, pois foi julgado culpado de estar desvirtuando a juventude. Os gregos acabaram por destruir sua própria religião.

Tanto as religiões como a ciência tentam descrever a natureza e dar uma explicação para a origem do universo. A diferença está na forma de pensar de um cientista. O cientista não aceita descrever o natural com o sobrenatural. Para o cientista é necessário provas observadas e o que se observa sempre destrói as ideias. Para um cientista, a ciência é uma só, pois a natureza é apenas uma. Sendo assim, as ideias da física devem complementar as ideias da química, da paleontologia, geografia e assim por diante. Embora a ciência seja dividida em áreas, para facilitar o estudo, ela ainda continua sendo apenas uma.

Ciência na Índia[editar | editar código-fonte]

Escavações em Harappa, Mohenjo-daro e outros sítios da Civilização do Vale do Indo têm revelado evidência do uso da "matemática prática". As pessoas da Civilidação do Vale do Indo manufaturavam tijolos cujas dimensões eram proporcionais a 4:2:1, considerava favorável a estabilidade da estrutura de tijolos. Eles usaram um sistema padronizado de pesos baseado nas proporções: 1/20, 1/10, 1/5, 1/2, 1, 2, 5, 10, 20, 50, 100, 200, e 500, com a unidade de peso equivalendo a 28 gramas (e aproximadamente igual a onça da Inglaterra ou a uncia da Grécia). Eles produziram em massa pesos em formas geométricas regulares, que incluíam hexaedro, barris, cones, e cilindros, e assim demonstrando conhecimento de geometria básica.[8]

Os habitantes da civilização hindu também tentaram padronizar a medição do comprimento com alta precisão. Eles criaram uma régua - régua Mohenjo-daro - cujas unidades de medida (3,4 centímetros) era dividida em dez partes iguais. Tijolos manufaturados na antiga Mohenjo-daro geralmente tinham dimensões que eram múltiplos inteiros dessa unidade de medida.[9] [10]

O início da astronomia na Índia - como em outras culturas - estava ligada com a religião.[11] A primeira menção textual de conceitos astronômicos veio de Veda, literatura religiosa da Índia.[11] De acordo com Sarma (2008): "Pode-se encontrar em Rigveda especulações inteligentes sobre a gênesis do universo, a configuração do universo, a Terra esférica, e o ano de 360 dias divididos em doze partes iguais de trinta dias cada."[11]

A origem da medicina Ayuverda pode ser traçada até Vedas, Atharvaveda em particular, e está conectada com o hinduísmo.[12] O Sushruta Samhita de Sushruta apareceu durante o primeiro milênio a.C.[13]

O aço wootz, crucible e inoxidável foram inventados na Índia, e largamente exportados, resultando no "aço de Damasco" no ano 1000.[14]

O pilar de ferro do Complexo de Qutb, em Nova Déli. A Índia antiga foi líder na metalurgia, como evidenciado nesse pilar

O astrônomo e matemático indiano Aryabhata (476-550), no seu Araybhatiya (499) e Aryabhata Siddhanta, trabalhou em um preciso modelo heliocêntrico da gravitação, incluindo órbitas elípticas, a circunferência da Terra e a longitude dos planetas ao redor do Sol. Ele também introduziu várias funções trigonométricas (incluindo seno, seno verso e cosseno), tabelas trigonométricas, e técnicas e algoritmos de álgebra. No século XVII, Brahmagupta reconheceu a gravidade como uma força de atração.[15] Ele também explicou o uso do zero como uma variável metasintática e como número decimal, assim como o sistema numérico hindu atualmente largamente usado pelo mundo. Traduções arábes dos textos astronômicos estiveram logo disponíveis para o mundo islâmico, introduzindo o que se tornaria os algarismos arábicos para o mundo islâmico do século IX.[16] [17]

Os primeiros doze capítulos de Siddhanta Shiromani, escrito por Bhāskara no século XII, cobrem tópicos como: longitude média dos planetas; longitudes verdadeiras dos planetas; os três problemas da rotação diurna; sizígia; eclipse lunar; eclipse solar; latitude dos planetas, a nascente e poente do sol; a Lua crescente; conjunções dos planetas entre si; conjunções do planetas com uma estrela fixa; Os treze capítulos da segunda parte cobrem a natureza da esfera, assim como significantes cálculos astronômicos e trigonométricos baseados nela.

Entre os séculos XIV e XVI, a escola Kerala de astronomia e matemática fez significantes avanços na astronomia e especialmente na matemática, incluindo campos como trigonometria e cálculo. Em particular, Madhava of Sangamagrama é considerado o "fundador da análise matemática".[18]

Ciência na China[editar | editar código-fonte]

Ciência na China
Imagem que mostra o uso de pólvora chinesa durante as invasões mongóis do Japão, 1281
Imagem que mostra o uso de pólvora chinesa durante as invasões mongóis do Japão, 1281
Um dos mapas estelares do Xin Yi Xiang Fa Yao de Su Song, publicado em 1092, com uma projeção cilíndrica similar à de Mercator e a posição corrigida da Estrela Polar, graças às observações astronômicas de Shen Kuo [19]  O atlas celeste de Su Song is realmente o mais antigo na forma impressa.[20]
Um dos mapas estelares do Xin Yi Xiang Fa Yao de Su Song, publicado em 1092, com uma projeção cilíndrica similar à de Mercator e a posição corrigida da Estrela Polar, graças às observações astronômicas de Shen Kuo [19] O atlas celeste de Su Song is realmente o mais antigo na forma impressa.[20]
Reconstrução do sismógrafo de Zhang Heng, movido a água, China, 132
Reconstrução do sismógrafo de Zhang Heng, movido a água, China, 132

A China possui uma longa e rica história de contribuição tecnológica.[21] As Quatro Grandes Invenções da China antiga (chinês: 四大發明; Pinyin: Sì dà fā míng) são a bússola, pólvora, criação de papel e impressão. Essas quatro descobertas tiveram um enorme impacto no desenvolvimento da civilização da China e um impacto global com um alcance ainda maior. De acordo com o filósofo inglês Francis Bacon, escrevendo em Novum Organum,

"Impressão, pólvora e bússola: esses três mudaram todo o estado das coisas através do mundo: o primeiro na literatura, o segundo na guerra, e o terceiro na navegação; e ainda assim receberam inúmeras modificações, tanto que nenhum império, nenhum setor, nenhuma estrela parece ter exercido maior poder e influência nos assuntos humanos que essas descobertas mecânicas.[22]

Há muitos contribuidores notáveis no campo da ciência chinesa ao longo dos anos. Um dos melhores exemplos seria Shen Kuo (1031–1095), um cientista e homem de estado polímata que foi o primeiro a descrever a bússola de agulha magnetizada usada para a navegação, descobriu o conceito de norte verdadeiro, melhorou o design do gnômon e esfera armilar , e descreveu o uso de diques secos para consertar os barcos. Após observar o processo natural de inundação de silte e encontrar fósseis marinhos nas montanhas Taihang, Shen Kuo desenvolveu a teoria da formação da Terra, ou geomorfologia. Ele também adotou a teoria da mudança climática gradual em regiões ao longo do tempo, após observar bambu petrificado encontrado no subsolo de Yan'an, província de Shaanx. Se não fosse pelo o que Shen Kuo escreveu,[23] os trabalhos arquitetônicos de Yu Hao seriam pouco conhecidos, assim como o inventor da prensa móvel para impressão, Sheng (990 - 1051). O contemporâneo de Shen, Su Song (1020-1101) também foi um polímata brilhante, um astrônomo que criou o atlas celestial dos mapas estrelares, escreveu tratados farmacêuticos sobre assuntos relacionados com botânica, zoologia, mineralogia e metalurgia, e ergueu uma enorme torre de relógio astronômico na cidade de Kaifeng em 1088. Para operar a esfera armilar, sua torre do relógio possuía um mecanismo de escapamento e o mais antigo uso conhecido de uma corrente de transmissão sem-fim.

As missões jesuítas na China dos séculos XVI e XVII "aprenderam a apreciar os avanços científicos dessa cultura antiga e os fizeram ser conhecidos na Europa. Através de sua correspondência, os cientistas europeus aprenderam pela primeira vez sobre a ciência e a cultura dos chineses."[24] O pensamento dos acadêmicos ocidentais sobre a história da ciência e tecnologia chinesa foi galvanizada pelo trabalho de Hoseph Needham e o Needham Research Institute. Entre os avanços tecnológicos da China estão, de acordo com Needham, os primeiros detectores sismológicos (Zhang Heng no século II), esferas armilares com acionamento hidráulico (Zhang Heng), as invenções independentes do sistema decimal, dique seco, paquímetros deslizantes, o pistão do motor de dupla ação, ferro fundido, o alto-forno, a arada de ferro, semeadeiras multi-tubos, o carrinho de mão, a ponte suspensa, o ventilador giratório, o paraquedas, gás natural como combustível, a hélice, a besta, o foguete de múltiplos estágios, o arreio, assim como contribuições na lógica, astronomia, medicina, e outros campos.

Entretanto, fatores culturais impediram esses avanços chineses de se desenvolverem no que nós chamamos de "ciência moderna". De acordo com Needham, isso pode ter sido um conjunto de fatores religiosos e filosóficos dos intelectuais chineses que fizeram eles incapazes de aceitar as ideias de leis da natureza:

Cquote1.svg Não é que não havia nenhuma ordem na natureza para os chineses, mas que não era uma ordem ordenada por um ser racional, e então não havia convicção que um ser racional seria capaz de explicar, com sua linguagem terrestre inferior, os códigos divinos das leis. Os taoístas teriam achado essa ideia muito ingênua para a sutileza e complexidade do universo como eles intuíam ser. Cquote2.svg

Ciência na Idade Média[editar | editar código-fonte]

Ciência no mundo islâmico[editar | editar código-fonte]

O Cânone da Medicina, de Avicena (século XV)

Os físicos muçulmanos colocaram mais ênfase em experimentos do que os gregos.[26] Isso levou ao desenvolvimento de um método científico inicial no mundo muçulmano, no qual o progresso foi feito na metodologia, começando com os experimentos de Ibn al-Haytham (Alhazen) na ótica nos anos 1000, em seu Book of Optics.[27]

O desenvolvimento mais importante do método científico foi no uso de experimentos para distinguir entre um conjunto de teorias científicas concorrentes geralmente com uma orientação empírica. Ibn al-Haytham é também considerado como o pai da ótica.

O grande desenvolvimento árabe sofre uma profunda interrupção a partir do século XIII e o período de obscuridade intelectual se estende até o século XIX. E quanto ao século XX, há uma única exceção que é a Turquia, "que, por isso mesmo, teve de aproximar-se do Ocidente".[28]

Ciência na Europa Medieval[editar | editar código-fonte]

A educação e o aparecimento da ciência na Europa dependeu de dois fatos importantes: - No século VIII o surgimento das escolas que eram monacais (anexas a uma Abadia), episcopais (anexas às catedrais) e palatinas (anexas à corte). Essa última no final do século VIII foi bastante significativa, pois nela o ensino era público e se ensinavam as sete artes liberais: o trívio (gramática, retórica e dialética) e o quadrívio (aritmética, geometria, astronomia e música).

No século XII a Igreja Católica criou a Universidade e no século XIII elas se espalharam pela Europa. A união da filosofia greco-romana com as Universidades europeias a partir de um novo espírito mais voltado para a experiência iniciará a ascensão intelectual da Europa.

Estudo da refração da luz por uma lente esférica, por Robert Grosseteste, c. 1250.

Inicialmente em Oxford, mas depois também em Paris e no resto da Europa, as concepções cientificas de Aristóteles foram submetidas a severa critica.[29] Essas duas Universidades passaram a criticar a ciência antiga representada por Aristóteles, com relação a sua dintinção entre mundo supra-lunar e mundo sub-lunar, sua metodologia apenas formal e não empirica, sua concepção geocentrica do cosmo e com a teoria do impetus explicaram de maneira diferente o movimento dos corpos. Expoentes dessa nova forma de pensar são Robert Grosseteste, Roger Bacon, os membros do Calculadores de Merton College, Jean Buridan e Nicole Oresme.

Por isso, o historiador da ciência Thomas Kuhn afirma que a mudança de paradigma que possibilitou a revolução científica não se deu no Renascimento, mas na própria Idade Média: "o que parece estar envolvido aqui é a exploração por parte de um gênio das possibilidades abertas por uma alteração do paradigma medieval. Galileu não recebeu uma formação totalmente aristotélica. Ao contrário, foi treinado para analisar o movimento em termos da teoria do impetus (...). Jean Buridan e Nicole Oresme, escolásticos do século XIV, que deram à teoria do impetus as suas formulações mais perfeitas, foram, ao que se sabe, os primeiros a ver nos movimentos oscilatórios algo do que Galileu veria mais tarde nesses fenômenos."[30]

Oficialmente a ciência tal qual a conhecemos começa com Galileu, pois seu método é o de geometrizar a natureza. Ciência não é apenas técnica, não é apenas experiência, mas é segundo o método de Galileu: é matematizar a experiência. Os livros de história da filosofia e história da ciência são unânimes em atribuir a sua pessoa a honra de ser o pai da ciência moderna. Entretanto, é muito significativo que Thomas Kuhn considere que a escolástica seja precursora do moderno método cientifico.

A ciência no Renascimento[editar | editar código-fonte]

O Renascimento mudou a nossa visão do cosmo e permitiu uma explosão artística, mas a ideia de que esse movimento forneceu as bases para a revolução científica foi duramente criticada pelos historiadores da ciência do século XX. Com efeito, Alexandre Koyré afirma: “todos sabemos, sobretudo nos dias atuais, que a inspiração do Renascimento não foi uma inspiração científica.”[31]

Isso se deu pela forte influência do hermetismo no Renascimento: “[a magia] Circulou mais ou menos ocultamente durante a Idade Média e voltou a agir às claras durante o Renascimento”.[32] O historiador da filosofia Giovanni Reale afirma que o pensamento mágico-hermético embasará em graus de influencia variado os pensadores renascentistas: “Portanto, sem o Corpus Hermeticum não é possível entender o pensamento renascentista”[33]

Por causa disso Koyré não poupa de críticas o Renascimento: "sabemos também – e isto é muito importante – que a época do Renascimento foi uma das épocas menos dotadas de espírito crítico que o mundo conheceu. Trata-se da época da mais grosseira e mais profunda superstição, da época em que a crença na magia e na feitiçaria se expandiu de modo prodigioso, infinitamente mais do que na Idade Média."[34]

Essa relação estrutural entre filosofia e magia no Renascimento segundo Koyré só será superado por Galileu Galilei: "Com Galileu, saímos segura e definitivamente dessa época (o Renascimento). Galileu não tem nada do que a caracteriza. Ele é antimágico no mais elevado grau."[35] Se bem que sabemos que Galileu também fazia alguns horóscopos, mas de fato a magia está fora de seu método científico.

Ciência moderna[editar | editar código-fonte]

Galileu Galilei (1564 – 1642) é o fundador da ciência moderna e o teórico do método científico e da autonomia da pesquisa cientifica[36]

O método científico de Galileu está contido especialmente em duas obras: “O ensaiador”, que dedicou a seu admirador e amigo o papa Urbano VIII, publicado em 1623. E, nos “Discursos e demonstrações matemáticas sobre duas novas ciências”, de 1638.

A física de Aristóteles tem um sentido diferente do que entendemos ser física. Nós temos o sentido dado por Galileu, isto é, entendida quantitativamente que pode ser mensurável e traduzida em leis matemáticas. Enquanto, para Aristóteles a física é qualitativa e teórica.

A ideia central do método cientifico moderno de Galileu pode ser resumida nessa passagem de sua obra:

"A filosofia encontra-se escrita neste grande livro que continuamente se abre perante nossos olhos (isto é, o universo), que não se pode compreender antes de entender a língua e conhecer os caracteres com os quais está escrito. Ele está escrito em língua matemática, os caracteres são triângulos, circunferências e outras figuras geométricas, sem cujos meios é impossível entender humanamente as palavras; sem eles nós vagamos perdidos dentro de um obscuro labirinto."[37]

A partir de Galileu, a ciência não busca mais a essência ou a substância das coisas, mas sim a função. A pergunta não é mais “o que é?”; mas “como é?”. Nas universidades medievais o estudo da natureza tinha uma abordagem diferente da de Aristóteles: a ciência ainda era mais especulativa do que experimental, mas já havia a união entre teoria e prática mesmo que não fosse algo comum. Entretanto, com Galileu tem-se o método claro, objetivo e explicito: para a ciência dar resultados é necessário geometrizar a natureza.

A Revolução Científica estabeleceu a ciência como a origem de todo o crescimento do conhecimento.[38] Durante o século XIX, a prática da ciência se tornou profissional e institucionalizada em modos que continuaram a ser usados no século XX. A história da ciência é marcada por uma cadeia de avanços na tecnologia e no conhecimento que sempre complementaram um ao outro. Inovações tecnológicas trouxeram novas descobertas e levam a ainda outras descobertas por inspirar novas possibilidades e aproximações em questões científicas antigas.

Ciências naturais[editar | editar código-fonte]

Física[editar | editar código-fonte]

A Revolução Científica é o limite conveniente entre o pensamento antigo e a física clássica. Nicolau Copérnico reviveu o modelo heliocentrismo do sistema solar descrito por Aristarco de Samos. Isso foi então seguido pelo primeiro modelo conhecido do movimento planetário dado por Kepler no início do século XVII, que propôs que os planetas seguiam órbitas elípticas, com o Sol sendo um dos focos da elipse.Galileu Galilei (pai da moderna física) também fez uso de experimentos para validar teorias físicas, um elemento chave para o método científico.

Química[editar | editar código-fonte]

A história da química moderna pode ser traçada até a distinção da química e da alquimia por Robert Boyle no trabalho The Sceptical Chymist, em 1661 (apesar das tradições alquímicas continuarem por algum tempo depois disso) e as práticas experimentais e de químicos médicos como William Cullen, Joseph Black, Torbern Bergman and Pierre Macquer.

Outro importante passo foi dado por Antoine Lavoisier (Pai da química moderna) através do reconhecimento do oxigênio e da lei da conservação da matéria, que refutou a teoria do flogisto. A teoria de que toda a matéria é feita por átomos, que são os menores constituintes da matéria que não podem ser subdivididos sem perder suas propriedades químicas e físicas da matéria, foram provadas por John Dalton em 1803, apesar da questão ter demorado cem anos para ser provada. Dalton também formulou a lei da relação das massas. Em 1869, Dmitri Mendeleev compôs a tabela periódica dos elementos tomando como base as descobertas de Dalton.

Geologia[editar | editar código-fonte]

A geologia existiu como uma nuvem isolada, disconectada de ideias sobre rochas, minerais, e acidentes geográficos muito antes de se tornar uma ciência coerente. O trabalho de Teofrasto sobre rochas Peri lithōn permaneceu uma autoridade por milênios: sua interpretação sobre fósseis não foi superada até depois da Revolução Científica.

Astronomia[editar | editar código-fonte]

Aristarco de Samos publicou trabalho no qual determinou o tamanho e a distância do Sol e da Lua, e Eratóstenes usou esse trabalho para descobrir o tamanho da Terra. Mais tarde, Hiparco descobriu a precessão da Terra.

Estudo acadêmico[editar | editar código-fonte]

Como um campo científico, a história da ciência começou com a publicação de History of the Inductive Sciences de William Whewell (publicado em 1837). Um estudo mais formal da história da ciência como uma disciplina independente foi lançado na publicação de George Sarton, Introduction to the History of Science (1927) e o jornal Isis (fundado em 1912). Sarton exemplificou a visão do início do século XX da história da ciência como um a história de grandes homens e grandes ideias. Ele compartilhou com muitos de seus contemporâneos uma crença da história como uma gravação dos avanços e retrocessos na marcha pelo progresso. A história da ciência não era reconhecida como um subcampo da história da América nesse período, e a maior parte de seus trabalho foi levado por cientistas e físicos interessados ao invés de historiadores profissionais.[39] Com o trabalho de I. Bernard Cohen em Harvard, a história da ciência se tornou uma subdisciplina da história após 1945.[40]

Grandes pensadores da ciência[editar | editar código-fonte]

Os grandes cientistas e filósofos que marcaram a história da ciência foram:

Isaac Newton (1642 - 1727)
  • Nasceu em Woolsthorpe, na Inglaterra;
  • Suas descobertas durante o século XVII guiaram os estudos da física pelos 200 anos seguintes;
  • Por trás de fenômenos aparentemente banais, construiu a base de teorias revolucionárias;
  • Em 1661, com 18 anos, ingressa na universidade de Cambridge, estudou matemática e filosofia;
  • Em 1668, depois de idealizar as leis de reflexão e refração de luz, construiu o primeiro telescópio reflexivo;
  • Em 1669, assume o cargo de professor de matemática na universidade de Cambridge;
  • Em 1672, é convidado para a Real Sociedade Britânica;
  • Em 1687, publica "Princípios Matemáticos da Filosofia Natural", o famoso Principia, em que descreve as leis da gravidade e dos movimentos;
  • Em 1696, é nomeado guardião da Casa da Moeda;
  • Em 1705, ele recebe um título de nobreza da rainha Anne e passa a se chamar Sir Isaac Newton;
  • Em 1727, ele morre, no dia 20 de março e é enterrado na abadia londrina de Westminster, na Inglaterra.
Galileo Galilei (1564 - 1642)
  • Criticava Aristóteles dizendo que "A tradição e a autoridade dos antigos sábios não são fontes de conhecimento científico" e que a única maneira de compreender a natureza é experimentando;
  • Achava que fazer ciência é comprovar através da experiência;
  • Dizia que "o livro da natureza é escrito em caracteres matemáticos";
  • Foi acusado, pelas autoridades, de ser inimigo da fé. Foi julgado pelo tribunal do Santo Ofício, a Inquisição. Ele reconheceu diante dos inquisitores que estava "errado", para terminar suas pesquisas. Segundo a lenda, ele disse baixo: "Eppur si muove" ("mas ela se move"), ou seja, que a Terra não é um ponto fixo no centro do universo.
  • A história de Galileu é um exemplo célebre de como a violação à liberdade de opinião das pessoas pode ser altamente prejudicial ao desenvolvimento das ciências.
René Descartes (1596 a 1650)
  • Demonstrou como a matemática poderia ser utilizada para descrever as formas e as medidas dos corpos;
  • Inventou a geometria analítica;
  • Sua obra mais famosa chama-se "discurso sobre o método" (1636). Nela, Descartes procura nos convencer que o raciocínio matemático deveria servir de modelo para o pensamento filosófico e para todas as ciências;
  • Uma das frases mais célebres da história do pensamento filosófico é: "Penso, logo existo." Ele acreditava que dessa verdade ninguém poderia duvidar.
  • O raciocínio matemático é baseado, principalmente, na lógica dedutiva, em que nós partimos de uma verdade para encontrarmos outras verdades, ou seja, que uma verdade é conseqüência da outra.
Francis Bacon (1561 a 1626)

Mostrou a importância da experimentação para a aquisição dos conhecimentos científicos;

Nicolau Copérnico (1473 a 1543)

Mostrou que o sol fica no centro do sistema, mas, achava que a órbita da Terra era uma circunferência perfeita, o que não é exato, mas, Kepler (1571 - 1630) o corrigiu, mostrando que a distância da terra e do sol é variável, em forma de elipse.

Louis Pasteur (1822 a 1895)

Foi o primeiro cientista a provar que seres invisíveis a olho nu, os microorganismos, são os responsáveis por diversas doenças. Suas descobertas ajudaram a salvar vidas e abriram as portas para o avanço da microbiologia e da imunologia;

Francesco Redi (1626 a 1698)

Era um médico italiano e demonstrou que não existia a geração espontânea, uma ideia aristotélica. Ele fez uma experiência: Colocou carne em vários vidros. Deixou alguns abertos e cobriu outros com um tecido fino de algodão, que permitisse a entrada de ar. Este tecido era importante, pois para os defensores da geração espontânea, o ar era fundamental para que o fenômeno acontecesse. Se a teoria da geração espontânea fosse verdadeira, as larvas de moscas deveriam aparecer tanto nos vidros abertos quanto nos vidros cobertos com gaze, mas, após alguns dias, surgiram larvas só nos vidros abertos. Redi mostrou, então, que as larvas surgiam das moscas, e não por geração espontânea. As moscas podiam entrar nos vidros abertos e depositar seus ovos sobre a carne, mas não conseguiam entrar naqueles cobertos pelo tecido.

Filósofos da ciência[editar | editar código-fonte]

Sociólogos da ciência[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. W. C. Dampier Wetham, Science, in Encyclopædia Britannica, 11th ed. (New York: Encyclopedia Britannica, Inc, 1911); M. Clagett, Greek Science in Antiquity (New York: Collier Books, 1955); D. Pingree, Hellenophilia versus the History of Science, Isis 83, 559 (1982); Pat Munday, entry "History of Science", New Dictionary of the History of Ideas (Charles Scribner's Sons, 2005).
  2. [1]
  3. Paul Hoffman, The man who loved only numbers: the story of Paul Erdös and the search for mathematical truth, (New York: Hyperion), 1998, p.187. ISBN 0-7868-6362-5
  4. A. Aaboe (2 de maio de 1974), "Scientific Astronomy in Antiquity", Philosophical Transactions of the Royal Society 276 (1257): 21-42, http://www.jstor.org/stable/74272, visitado em 2010-03-09 
  5. Homer's Odyssey stated that "the Egyptians were skilled in medicine more than any other art". [2]
  6. Microsoft Word - Proceedings-2001.doc
  7. Lloyd, G. E. R. "The development of empirical research", in his Magic, Reason and Experience: Studies in the Origin and Development of Greek Science.
  8. Sergent, Bernard. Genèse de l'Inde (em French). Paris: Payot, 1997. 113 pp. ISBN 2228891169
  9. Coppa, A.; et al.. (2006-04-06). "Early Neolithic tradition of dentistry: Flint tips were surprisingly effective for drilling tooth enamel in a prehistoric population". Nature 440 (7085): 755. DOI:10.1038/440755a. PMID 16598247.
  10. Bisht, R. S.. In: Possehl, Gregory L. (ed.). Harappan Civilization: A Contemporary Perspective. New Delhi: Oxford and IBH Publishing Co., 1982. 113–124 pp.
  11. a b c Sarma (2008), Astronomy in India
  12. Indian medicine has a long history. Its earliest concepts are set out in the sacred writings called the Vedas, especially in the metrical passages of the Atharvaveda, which may possibly date as far back as the 2nd millennium BC. According to a later writer, the system of medicine called Āyurveda was received by a certain Dhanvantari from Brahma, and Dhanvantari was deified as the god of medicine. In later times his status was gradually reduced, until he was credited with having been an earthly king who died of snakebite. — Underwood & Rhodes (2008)
  13. Dwivedi & Dwivedi (2007)
  14. C. S. Smith, A History of Metallography, University Press, Chicago (1960); Juleff 1996; Srinivasan, Sharda and Srinivasa Rangnathan 2004
  15. Mainak Kumar Bose, Late Classical India, A. Mukherjee & Co., 1988, p. 277.
  16. Ifrah, Georges. 1999. The Universal History of Numbers : From Prehistory to the Invention of the Computer, Wiley. ISBN 0-471-37568-3.
  17. O'Connor, J.J. and E.F. Robertson. 2000. 'Indian Numerals', MacTutor History of Mathematics Archive, School of Mathematics and Statistics, University of St. Andrews, Scotland.
  18. George G. Joseph (1991). The crest of the peacock. London.
  19. Needham, Joseph (1986). Science and Civilization in China: Volume 3, Mathematics and the Sciences of the Heavens and the Earth. Taipei: Caves Books Ltd. Page 208.
  20. Sivin, Nathan (1995). Science in Ancient China. Brookfield, Vermont: VARIORUM, Ashgate Publishing. III, page 32.
  21. Needham, Robinson & Huang 2004, p.214ff note that starting from a list of 17 inventions known to have originated in China, a review of the volumes in Science and Civilisation in China showed that the list currently holds more than 250 innovations, with more to come, as further volumes appear.
  22. (Novum Organum, Liber I, CXXIX - Adapted from the 1863 translation)
  23. Shen Kuo 沈括 (1086, last supplement dated 1091), Meng Ch'i Pi Than (夢溪筆談, Dream Pool Essays) as cited in Needham, Robinson & Huang 2004 p.244
  24. Agustín Udías, Searching the Heavens and the Earth: The History of Jesuit Observatories. (Dordrecht, The Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 2003). p.53
  25. Needham & Wang 1954 581.
  26. Robert Briffault (1928). The Making of Humanity, p. 190-202. G. Allen & Unwin Ltd.
  27. David Agar (2001). Arabic Studies in Physics and Astronomy During 800 - 1400 AD. University of Jyväskylä.
  28. (NEMO, Philippe. O que é o Ocidente?, p. 81)
  29. (REALE; ANTISERI. História da Filosofia Patrística e Escolástica, p. 308)
  30. (KUHN, Thomas. Estrutura das Revoluções Cientificas, p. 154 e 155)
  31. (KOYRÉ, Estudos de História do Pensamento Científico, p. 46)
  32. (ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia, p. 733)
  33. (REALE; ANTISERI. História da Filosofia Do Humanismo a Descartes, p. 16)
  34. (KOYRÉ. Estudos de História do Pensamento Científico, p. 47)
  35. (KOYRÉ. Estudos de História do Pensamento Científico, p. 53)
  36. (REALE; ANTISERI. História da Filosofia Do Humanismo a Descartes, p. 194)
  37. (GALILEI, Galileu. O Ensaiador, p. 46)
  38. Heilbron 2003, 741-743
  39. Nathan Reingold, "History of Science Today, 1. Uniformity as Hidden Diversity: History of Science in the United States, 1920-1940," British Journal for the History of Science 1986 19(3): 243-262
  40. Joseph W. Dauben et al., "Seven Decades of History of Science," ISIS: Journal of the History of Science in Society March 2009, Vol. 100 Issue 1, pp 4-35

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • História da Filosofia. (em português) Autor : Will Durant. Tradução: Luiz Carlos do Nascimento Silva. Editora Nova Cultural.
  • Pré-Socráticos.
  • Helge Kragh. Introdução à historiografia da ciência. Porto: Porto Editora, 2003.
  • Thomas S. Kuhn. A estrutura das revoluções científicas. 9a ed. São Paulo: Perspectivas, 2005.
  • ____ A tensão Essencial.
  • John L. Heilbron, ed., The Oxford companion to the history of modern science. New York: Oxford University Press, 2003.