David Bloor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Novembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

David Bloor é professor e antigo diretor da Unidade de Estudos da Ciência na Universidade de Edimburgo, Escócia.

Ele começou sua carreira acadêmica pelo estudo da filosofia e da psicologia. Nos anos 1970, ele e Barry Barnes foram as figuras principais do chamado "Programa forte em sociologia das ciências", que sustentava posições contrárias ao positivismo em ciência. O seu livro ‘Knowledge and Social Imagery’ (Routledge, 1976) é um dos marcos do programa forte.

Bloor escreveu muito sobre o debate Kuhn/Popper, e é uma figura importante da sociologia da ciência. Nos anos 1980, quando teóricos franceses como Bruno Latour desenvolveram a teoria ator-rede (baseada em parte no programa forte), David Bloor discordou profundamente de seus fundamentos, argumentando ser um erro tratar humanos e não-humanos como dotados igualmente da faculdade de ação (agência, do inglês agency). Bloor chegou ao ponto de escrever um artigo chamado “Anti-Latour”, que esquentou o debate, já acirrado, entre as correntes contemporâneas da sociologia da ciência.