Imre Lakatos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


Imre Lakatos
Filosofia da matemática
Nacionalidade Hungria Húngaro
Nascimento 9 de novembro de 1922
Local Debrecen
Morte 2 de fevereiro de 1974 (51 anos)
Local Londres
Atividade
Campo(s) Filosofia da matemática

Imre Lakatos (Debrecen, 9 de novembro de 1922Londres, 2 de fevereiro de 1974) foi um filósofo da matemática e da ciência húngaro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Lakatos nasceu com o nome Imre (Avrum) Lipschitz em uma família judia em Debrecen, Hungria em 1922. Graduou-se em matemática, física, e filosofia da Universidade de Debrecen em 1944. ele evitou a perseguição nazista dos judeus mudando seu nome para Imre Molnár. Sua mãe e sua avó morreram em Auschwitz. Ele se tornou um communista ativo durante a Segunda Guerra Mundial. Ele mudou seu sobrenome mais uma vez para Lakatos (serralheiro) em honra de Géza Lakatos.

Depois da guerra continuou seus estudos de doutorado na Universidade de Debrecen em 1948, onde também frequentou aos seminários privados semanais de Georg Lukács às quartas-feiras. Ele também estudou na Universidade Estatal de Moscovo sob a supervisão de Sofya Yanovskaya. Quando retornou à Hungria trabalhou como oficial senior no Ministério da Educação Húngaro. No entanto, acabou por estar no lado perdedor das discussões internas dentro do partido comunista húngaro e esteve preso sob a acusação de revisionismo desde 1950 até 1953. Só recentemente se soube mais das suas actividades depois da Segunda Guerra Mundial. (ver John Kadvany)

Depois da sua libertação, Lakatos regressou à vida académica, fazendo pesquisa em Matemática e traduzindo o How to Solve It de George Pólya para o húngaro. Embora ainda fosse comunista de nome, os seus pontos de vista políticos mudaram muito e envolveu-se em pelo menos um grupo dissidente de estudantes numa altura em que se viria a dar a Revolução Húngara de 1956. [carece de fontes?]

Depois de a União Soviética invadir a Hungria em novembro de 1956, Lakatos voou para Viena, e chegou mais tarde à Inglaterra. Doutorou-se em filosofia em 1961 na Universidade de Cambridge. O livro Provas e Refutações, publicado depois de sua morte, é baseado nesse trabalho.

Lakatos nunca obteve a cidadania britânica, e com efeito permaneceu apátrida.

Em 1960 foi nomeado para um lugar na London School of Economics, onde trabalhou nos seus escritos sobre filosofia da matemática e filosofia da ciência. O departamento de filosofia da LSE da altura incluía Karl Popper e John Watkins.

Tendo como co-editor Alan Musgrave, editou o muito citado Criticism and the Growth of Knowledge, os Proceedings do Colóquio Internacional de Filosofia da Ciência, de 1965, em Londres. Publicado em 1970, o Colóquio de 1965 incluía intervenientes muito conhecidos que apresentavam artigos em resposta à obra A Estrutura das Revoluções Científicas de Thomas Kuhn. Segundo Alan Musgrave, Thomas Kuhn era tão popular durante os anos 60 que as pessoas chegavam a assistir às suas aulas em salas adjacentes, ouvindo-o através de sistemas de som.

Permaneceu na London School of Economics até morrer, repentinamente, em 1974, com uma hemorragia cerebral, tendo apenas 51 anos. O Prémio Lakatos foi estabelecido pela escola em sua memória.

Parte da sua correspondência com o seu amigo e crítico Paul Feyerabend foi publicada em For and Against Method (ISBN 0226467740).

Provas e refutações[editar | editar código-fonte]

A filosofia da matemática de Lakatos foi inspirada tanto pela dialética de Hegel quanto de Marx, pela teoria do conhecimento de Karl Popper, e o trabalho do matemático George Polya.

O livro Proofs and Refutations é baseado em sua tese de doutorado.

Principais trabalhos[editar | editar código-fonte]

  • Lakatos, Musgrave ed. (1970). Criticism and the Growth of Knowledge. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0521078261
  • Lakatos (1976). Proofs and Refutations. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0521290384
  • Lakatos (1977). The Methodology of Scientific Research Programmes: Philosophical Papers Volume 1. Cambridge: Cambridge University Press
  • Lakatos (1978). Mathematics, Science and Epistemology: Philosophical Papers Volume 2. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0521217695

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia