Demografia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde agosto de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

A Demografia é uma área da ciência geográfica que estuda a dinâmica populacional humana.[1] O seu objeto de estudo engloba as dimensões, estatísticas, estrutura e distribuição das diversas populações humanas. Estas não são estáticas, variando devido à natalidade, mortalidade, migrações e envelhecimento. A análise demográfica centra-se também nas características de toda uma sociedade ou um grupo específico, definido por critérios como a Educação, a nacionalidade, religião e pertença étnica.

No século XIX, mais precisamente no ano de 1855, Achille Guillard em seu livro Eléments de Statistique Humaine ou Démographie Comparée (Elementos de Estatística Humana ou Demografia Comparada), usou pela primeira vez o termo demografia.

A demografia estendeu-se além do campo da antropologia. Principalmente na segunda metade do século XX, muitos estudos voltaram-se ao estudo da demografia de animais e de plantas.[2]

Políticas demográficas no mundo[editar | editar código-fonte]

Significado: Demo- povo; Grafia- estudo, ou seja, Demografia é o estudo do povo/população. A demografia é um estudo que engloba desde estudos individuais e dependentes até projetos do governo em relação à população, como o IDH. Ao definir sua política (governo) tem duas opções: estimular ou dificultar novos nascimentos. Medidas como complementação salarial para auxílio aos pais que têm mais filhos ou aumento de impostos para os jovens de uma certa idade que ainda não tenham filhos, podem ser chamadas natalistas, pois estimulam o aumento da taxa de natalidade. Por outro lado, quando o governo sobretaxa o imposto para pais que têm mais filhos ou desenvolve políticas diretas de controle da natalidade como liberação do aborto ou distribuição de anticoncepcionais, está optando por uma política antinatalista.

No caso do governo brasileiro, as políticas demográficas sempre foram bastante ambíguas. Oficialmente nenhum governo adotou uma política antinatalista, o que pode ser explicado pela intensa influência dos valores católicos e pela idéia, que por muito tempo dominou o governo e a opinião pública, de que era necessário ocupar o vazio demográfico do interior do país. No entanto, a postura natalista, na prática, nunca foi eficiente no Brasil. O que na realidade vem ocorrendo é que a própria realidade social brasileira vem funcionando como um excelente método antinatalista. Ao encontrarem grande dificuldade na criação dos filhos devido à falta de creches e escolas públicas de qualidade; ao se depararem com o alto índice de desemprego e os salários baixos; ao se sentirem encurralados pelos altos gastos com habitação, transporte, segurança e alimentação nas grandes cidades; os brasileiros se encarregam de diminuir drasticamente sua quantidade de filhos.

Para se ter uma idéia, a velocidade com que ocorreu a diminuição das taxas de natalidade no Brasil só é comparável a de países que adotaram rígidos programas de controle demográfico, como a China, por exemplo. O problema fica por conta da falta de educação quanto ao método anticoncepcional a ser adotado e sobretudo pela falta de educação sexual.

Outros fatores se referem aos métodos naturais contraceptivos como por exemplo a lavagem vaginal após o coito, coisa que é pouco conhecida, pouco divulgada e ou realizada após as relações sexuais na maioria dos mais necessitados. Falta de informações sobre períodos mais férteis das mulheres também é coisa só para as pessoas das classes média ou classe alta. As classes sociais mais desprivilegiadas são as que mais se reproduzem e as que mais se utilizam dos recursos públicos para a fazer os partos, alimentar as crianças lactentes, alimentar as crianças em idade escolar (merendas escolares), consumo de remédios e consultas médicas gratuitas, creches populares dos estados e prefeituras, enfim o descontrole da natalidade ocorre praticamente apenas nas classes mais baixas e pobres da população e não existe uma política de esclarecimento devido à forte interferência dos conceitos religiosos muito presentes em tudo o que se refere ao controle da natalidade humana.

A população está em explosão demográfica desde a revolução industrial que começou na Inglaterra no século XIX, na primeira metade desse mesmo século. Apresenta-se de seguida a evolução da população mundial:[3]

  • 1 a 2 bilhões de pessoas entre 1804 a 1927 - 123 anos se passaram.
  • 2 a 3 bilhões de pessoas entre 1927 a 1960 - 33 anos se passaram.
  • 3 a 4 bilhões de pessoas entre 1960 a 1975 - 15 anos se passaram.
  • 4 a 5 bilhões de pessoas entre 1975 a 1987 - 12 anos se passaram.
  • 5 a 6 bilhões de pessoas entre 1987 a 1999 - 12 anos se passaram.
  • 6 a 7 bilhões de pessoas entre 1999 a 2011 - 12 anos se passaram.

A análise da progressão da população humana indica que esta está crescendo cada vez mais lentamente (atualmente 1.14% ao ano) e prevê-se que estabilize nos 10 bilhões por volta do ano 2200.

A população mundial é de cerca de 7254 milhões de pessoas.[3]

Metodologia[editar | editar código-fonte]

Estimativa da População - Metodologia utilizada no Popclock

População[editar | editar código-fonte]

Nota metodológica: As projeções populacionais mensais, com data de referência nos primeiros dias de cada mês, foram inicialmente obtidas através de um ajuste geométrico aos valores projetados pelo método das componentes demográficas que cobrem o período 1989-2012. A função ajustante, tem a seguinte expressão analítica:

POP (t) = A \times t B

onde: t = data de referência ⇒ 01/07/t, POP (t) = População projetada para a data t, A e B são parâmetros a determinar, Mediante o método de estimação de mínimos quadrados os parâmetros resultaram em: A = 190.250 e B = 1,4756, com R² = 0,9999 De posse da função determinada foi possível interpolar mensalmente as populações projetadas entre os respectivos anos. As taxas médias de crescimento populacional mensal foram reduzidas à escala de minutos utilizando-se a expressão D*H*M como variável de tempo, onde D= número de dias no mês, H= número de horas por dia e M= número de minutos por hora. Essas taxas foram, então, empregadas na obtenção das estimativas populacionais a cada minuto.

  • Taxa de Fecundidade: É a média de quantos filhos em média uma mulher tem no seu período fértil. No Brasil, por exemplo, a taxa de fecundidade é de 1,8 filhos por mulher.
  • Taxa de Natalidade: É a quantidade de crianças que nascem.
  • Taxa de Mortalidade: É a quantidade de pessoas que morrem. As mulheres em média vivem mais que os homens.

A população mundial estimada em 2013 é de mais de 7 bilhões de pessoas, segundo relatório da CIA.

População mundial[editar | editar código-fonte]

As estimativas da população mundial apresentadas estão baseadas na tabela nº 1 ( "Total Midyear Population for the World; 1950-2050" ) da Base de Dados Internacional do U.S. Census Bureau. U.S. Esta tabela mostra as estimativas da população mundial de 1950 a 2050. Para cada ano são apresentadas estimativas para 1º de Julho às 00:00 GMT. Para as estimativas da população mundial apresentadas no PopClock do IBGE foram feitas interpolações entre as estimativas de cada um desses anos minuto a minuto.

A Base de dados do U.S. Census Bureau (IDB - International Data Base) está baseada nas análises disponíveis de dados censitários e pesquisas sobre fertilidade, mortalidade e migração. A análise é realizada isoladamente para cada um dos 227 países ou áreas do mundo com população de 5000 habitantes ou mais. Diversas tabelas estatísticas de dados demográficos e sócio-econômicos estão disponíveis nesta base de dados.

Referências

  1. Enciclopédia Britânica
  2. The Demography of Plants. 1974. Annual Review of Ecology and Systematics, 5, 419-463. (pdf aquí )
  3. a b World Population Clock - Worldometers. www.worldometers.info. Página visitada em 2009-07-21.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]