Superfície terrestre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Entende-se por superfície terrestre a parte externa da crosta terrestre. As características deste setor do planeta terra são influenciadas pelos movimentos da Terra em relação a ela mesma e em relação ao Sol, os movimentos da lua e pela tectônica de placas. A interação destes processos ao longo da história da Terra deu origem à vida, aos solos e às paisagens, que estão em constante mudança em função da continuidade destes processos. A "superfície terrestre" é formada por oceanos e mares (73% dos 510 milhões de km² da superfície terrestre), e ilhas e continentes (27% da superfície terrestre).

Geografia e superfície terrestre[editar | editar código-fonte]

Historicamente, a ciência que tem por objeto o estudo da superfície terrestre é a geografia. Tomando a geografia como ciência da superfície terrestre, Neef (1967) apresenta os três axiomas desta ciência, a saber: Axioma Planetário: todos os fatos geográficos estão diretamente ligados à Terra enquanto planeta; Axioma da Paisagem: em todos os pontos da superfície da Terra, seus elementos, componentes e fatores constituintes encontram-se em várias relações e correlações de acordo com as leis da natureza; Axioma Corológico: todos os fatos geográficos têm uma localização na superfície terrestre que é marcada pelo seu sítio, mas especialmente pelas relações com os locais e áreas adjacentes. Diversas teorias para explicar a formação da superfície terrestre e suas variações internas (paisagens) têm sido formuladas por diversos pesquisadores, como a teoria das zonas naturais de Vasily Dokuchaev ou a idéia de cosmos em Humboldt. A partir da década de 1960, a incorporação da teoria dos sistemas aos fundamentos postulados por Humboldt, Dokuchaev e seus seguidores, deu sustentação à proposição da teoria do geossistema, por Viktor Borisovich Sochava, sendo o modelo mais atual para o estudo da superfície terrestre. Para geografia a superfície terrestre é constituída por uma camada dura denominada de litosfera, integrada a hidrosfera e uma cobertura de seres vivos e grandes obras do homem, como cidades, estradas, barragens, etc. A superfície terrestre é coberta em sua maior parte pelos oceanos. Em contato com a superfície terrestre está a atmosfera, capaz de modificar consideravelmente a superfície da Terra. Todavia, com a necessidade de explicar os padrões espaciais formados pelos processos sociais (políticos, econômicos e culturais), alguns geógrafos têm formulado outros objetivos e categorias analíticas, que, por vezes não consideram todos os processos de funcionamento e mudança da superfície terrestre, mas apenas os padrões formados pela dinâmica social. Neste sentido, o estudo dos processos da superfície terrestre são realizados pela geografia física e suas sub-disciplinas da crota terrestre.

Geodésia e superfície terrestre[editar | editar código-fonte]

Do ponto de vista da Geodésia, a superfície terrestre é irregular por natureza, sendo impossível a criação de um modelo matemático, capaz de modelar a superfície da Terra de forma precisa. Por conta disso o geoide é utilizado como uma simplificação da superfície terrestre. Ela é formada de dentro para fora.

Referências gerais[editar | editar código-fonte]

NEEF, E. The theoretical foundations of landscape study. In: WIENS, J.A.; MOSS, M.R.; TURNER, M.G.; MLADENOFF, D.J. Foundation papers in Landscape Ecology. Columbia: Columbia University Press. 2006. p.225-245.