Teoria do duplo efeito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

A Teoria do duplo efeito é uma tese da filosofia moral, normalmente atribuída a São Tomás de Aquino. Ela visa explicar em que circunstâncias é permitido tomar uma ação tendo ao mesmo tempo consequências positivas e negativas (ou seja, um duplo efeito). Ela enuncia diversas condições necessárias para que uma ação possa ser moralmente justificada mesmo quando comporte um efeito ruim:

  • A ação deve ser ela mesmo boa ou moralmente neutra;
  • O efeito positivo deve resultar do ato e não do efeito negativo;
  • O efeito negativo não deve ter sido diretamente desejado, mas deve ter sido previsto e tolerado;
  • O efeito positivo deve ser mais forte que o negativo, ou ainda, ambos devem ser iguais.

Em suma, esta tese sustenta que existem situações onde é justificado produzir uma consequência ruim se ela é apenas um efeito colateral da ação e não intecionalmente buscado.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

Esta doutrina tem muitas aplicações, notadamente na teoria da guerra justa, bem como a temas e problemas éticos contemporâneos atuais, como a eutanásia, o aborto, manipulação de embriões como fonte de células tronco e decisões bélicas e político-administrativas de Estado.

Assim, por exemplo, pelo teoria, posso bombardear uma fábrica inimiga justificadamente, apesar de prever a morte de civis nas suas proximidades, pois não tenho a intenção de provocá-las – ao passo que o bombardeamento intencional de civis não seria permissível. O princípio tem suas raízes na filosofia moral tomista. A aceitabilidade de provocar um aborto (matando o feto em consequência) para evitar a morte da mãe é uma das suas aplicações. Todas as causas das definições são altamente controversas, mas é sobretudo a segunda que dá origem a profundos problemas no que diz respeito à relação entre ação, consequência e intenção.

Outro exemplo relevante seria matar alguém por legítima defesa. A intencionalidade é se manter vivo, pois tudo tende a se conservar no ser enquanto pode, isso é natural e é moralmente lícito para São Tomás.

Importante ressaltar é que a teoria não se aplica quando efeito bom se faz a partir do efeito mau, ou seja, o efeito bom não pode ser produzido pelo efeito mau. A teoria do duplo efeito gera ao mesmo tempo, a partir do ato, dois efeitos, uma bifurcação simultânea. Quando os efeitos não são simultâneos, ou seja, primeiro acontece um, para depois gerar-se o outro (imediatamente ou não após o primeiro), a teoria não se aplica.

Críticas[editar | editar código-fonte]

A doutrina do duplo efeito é contestada pelos defensores do utilitarismo, que defendem que duas ações idênticas nas suas consequências devam ser de igual valor moral.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]