True Blue

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
True Blue
Álbum de estúdio de Madonna
Lançamento 30 de junho de 1986 (1986-06-30)
Gravação Dezembro de 1985 — Abril de 1986
Gênero(s) Dance-pop, pop, pop rock[1]
Duração 40:18 (edição padrão)
52:25 (edição remasterizada)
Formato(s) CD, LP, fita cassete, vinil, download digital
Gravadora(s) Sire, Warner Bros.
Diretor(es) Madonna, Leonard
Produção Madonna, Stephen Bray, Patrick Leonard
Cronologia de Madonna
Último
Último
Like a Virgin
(1984)
Who's That Girl
(1987)
Próximo
Próximo
Singles de True Blue
  1. "Live to Tell"
    Lançamento: 26 de março de 1986 (1986-03-26)
  2. "Papa Don't Preach"
    Lançamento: 11 de junho de 1986 (1986-06-11)
  3. "True Blue"
    Lançamento: 29 de setembro de 1986 (1986-09-29)
  4. "Open Your Heart"
    Lançamento: 12 de novembro de 1986 (1986-11-12)
  5. "La Isla Bonita"
    Lançamento: 25 de fevereiro de 1987 (1987-02-25)

True Blue é o terceiro álbum de estúdio da artista musical estadunidense Madonna, lançado em 30 de junho de 1986 através da gravadora Sire Records em parceria com a Warner Bros. Records. A cantora trabalhou com Stephen Bray e Patrick Leonard no disco, enquanto co-escreveu e co-produziu todas as canções do dsico. Considerado o álbum mais feminino de Madonna, True Blue lida com as visões de Madonna sobre amor, trabalho, sonhos e decepções, e foi inspirado por seu ex-marido Sean Penn, a quem Madonna dedicou o álbum. Musicalmente, as canções do álbum tomaram um rumo diferente de suas gravações anteriores. O álbum deriva principalmente da música clássica, a fim de envolver um público mais velho, que tinha sido cético em relação ao estilo musical de Madonna.

O álbum conta com a instrumentação de violões, bateria, sintetizadores e instrumentos musicais cubanos. Os temas das canções variam entre o amor, a liberdade, e, no caso de "Papa Don't Preach", questões sociais como a gravidez na adolescência e o aborto. Depois de seu lançamento, True Blue recebeu críticas positivas da crítica musical, que elogiou o álbum, chamando-o de "grande dance-pop", e descreveu o disco como o arquétipo do final dos anos 80 e início dos álbuns pop dos anos 90. A crítica também elogiou o fato de que a voz de Madonna parecia mais forte, em comparação com seus trabalhos anteriores, enquanto elogiou as habilidades de Madonna como cantora, compositora e artista.

True Blue foi um sucesso mundial instantâneo, atingindo o número um em tabelas musicais de vinte e oito países ao redor do mundo, tais como Austrália, Canadá, França, Alemanha, Reino Unido e Estados Unidos, um feito sem precedentes na época. O disco permaneceu no topo da tabela musical European Top 100 Albums durante um total de trinta e quatro semanas, sendo o disco que permaneceu mais tempo no pico da tabela. O álbum se tornou o álbum mais vendido do mundo de 1986, bem como o álbum feminino mais vendido da década de 1980 e continua sendo um dos álbuns mais vendidos de todos os tempos, com vendas estimadas em 30 milhões de cópias ao redor do mundo, segundo dados comprovados pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI).[nota 1] Todos os cinco singles lançados do álbum alcançaram o top cinco na principal tabela musical dos Estados Unidos, a Billboard Hot 100, dos quais "Live to Tell", "Papa Don't Preach" e "Open Your Heart" atingiram o pico da tabela.

O álbum foi promovido pela segunda turnê de Madonna, sendo sua primeira a nível mundial, a Who's That Girl Tour, que visitou cidades da América do Norte, Europa e Ásia no ano de 1987. Os singles do álbum e seus acompanhantes vídeos musicais têm suscitado debates entre escritores, críticos e grupos sociais, mais especificamente "Papa Don't Preach", sobre seu tema da gravidez na adolescência em suas letras e "Open Your Heart", por retratar uma criança entrando em uma boate de strip em seu acompanhante vídeo musical. True Blue tem sido frequentemente citado como o álbum que fez de Madonna uma estrela e que aumentou a sua reputação entre os números musicais da década de 1980. O álbum também deu a Madonna sua primeira aparição no livro dos recordes Guinness World Records.

Antecedentes e produção[editar | editar código-fonte]

True Blue foi inspirado e dedicado ao ex-marido de Madonna, Sean Penn (imagem).

Durante uma coletiva de imprensa em 6 de março de 1986, no Kensington Roof Gardens, em Londres, Madonna confirmou que estava trabalhando em um novo álbum chamado Live to Tell, que viria a ser alterado para True Blue.[2] Ela mais uma vez colaborou com seu ex-namorado Stephen Bray, que havia trabalhado em seu álbum anterior, Like a Virgin, e começou a trabalhar com Patrick Leonard pela primeira vez.[2] Madonna escreveu e co-escreveu todas as canções do álbum, apesar de escrever envolvimento em algumas delas, tais como "Papa Don't Preach" e "Open Your Heart", que limitaram-se a adição de letras. Ela também foi creditada como co-produtora de todas as canções. O álbum foi gravado entre dezembro de 1985 e abril de 1986, durante o primeiro ano do casamento de Madonna com o ator americano Sean Penn. Ela dedicou o álbum para Penn, dizendo: "Isto é dedicado a meu marido, o homem mais legal do universo".[3] [4] Com este álbum, Madonna tentou apelar para um público mais velho, que tinha sido anteriormente cético em relação a sua música por experiências com a sua imagem, adotando um visual mais "tradicional", e incorporando música clássica em suas canções.[5]

Considerado o álbum mais feminino de Madonna, possui verdadeiros "negócios azuis" com a visão de Madonna em assuntos como amor, trabalho, sonhos, bem como decepções. De acordo com Madonna, True Blue leva o título de uma expressão favorita de seu então marido Sean Penn e sua visão muito pura de amor.[6] O álbum foi uma homenagem a ele e foi inspirado pelo seu "descarado dia dos namorados" com Penn.[7] A maioria das canções do álbum refletem essa ideia.[3] Todas as canções de True Blue foram desenvolvidas separadamente. A primeira faixa do álbum, "Papa Don't Preach", foi escrita por Brian Elliot, que a descreveu como "uma canção de amor, talvez um pouco diferente e enquadrada".[8] A canção é baseada em uma fofoca entre adolescentes que Elliot ouviu fora de seu estúdio, que tinha uma grande janela da frente que se dobrou como um espelho, onde estudantes da escola Hollywood North High School, em Los Angeles, regularmente paravam de pentear o cabelo e começavam a falar.[9]

"Open Your Heart" foi a primeira canção gravada para o álbum, em dezembro de 1985 e, finalmente, chegou a lista final de faixas, e havia sido originalmente proposta para Cyndi Lauper, que a rejeitou.[10] A terceira faixa, "White Heat", foi dedicada ao ator James Cagney e tocada após o filme de mesmo nome de 1949. Duas citações da trilha sonora original foram incluídos na canção.[11] A quarta faixa, "Live to Tell", foi originalmente escrita por Patrick Leonard para a trilha sonora do filme de drama romântico Fire with Fire, mas depois que a empresa recusou, Leonard propôs a canção para Madonna.[12] Ela decidiu usá-la em At Close Range, novo filme de seu então marido, Sean Penn. Madonna fez uma demonstração da música e, quando o diretor do filme, James Foley, ouviu a canção, ele propôs a Leonard para escrever a trilha do filme, como sugerido por Madonna.[13]

True Blue foi o primeiro álbum em que Madonna incluiu temas espanhóis, como é evidente na canção "La Isla Bonita".[14] A canção foi escrita anteriormente para o álbum Bad, do cantor Michael Jackson, que a recusou. Ao trabalhar com Leonard no álbum, Madonna aceitou a canção e reescreveu sua letra, ganhando assim a si mesma um crédito de co-escritora.[15] Madonna descreveu a canção como sua homenagem à "beleza e mistério das pessoas da América Latina".[16] Originalmente concebida como o primeiro single, "Love Makes the World Go Round" é a última faixa do disco e foi realizada pela primeira vez no show Live Aid, um ano antes, em julho de 1985.[17] A canção lembra as canções anti-guerra da década de sessenta.[18]

Capa[editar | editar código-fonte]

O conceito da arte pop do artista Andy Warhol foi uma das inspirações para a capa de True Blue.

A capa do disco foi fotografada por Herb Ritts, e é uma das fotos mais conhecidas de Madonna. A capa apresenta uma foto de Madonna do pescoço para cima. As principais cores da imagem são tons de cinza, branco e cores azuis para reforçar o título do álbum. Madonna se posicionou em uma pose elegante enquanto vestia uma jaqueta de couro preta e estava com os lábios vermelhos, inclinando seu pescoço como uma pose de cisne.[19] Jeri Heiden, que trabalhava no departamento de arte da Warner Bros., editou a fotografia e a torno compatível com a de uma capa de álbum.[20] Heiden teve que trabalhar com um total de 60 rolos de fotografias, cada um do tamanho de 35 milímetros. Heiden ordenou cerca de 30 a 40 fotografias como um teste para Ritts, que fez recomendações com base nas fotografias.[20] Diversas imagens da sessão de fotos foram consideradas para a capa do álbum, algumas dos quais se tornaram as capas dos singles "Papa Don't Preach", "True Blue" e "Open Your Heart". A fotografia final foi selecionada por Madonna, Heiden e Jeff Ayeroff, diretor criativo da Warner Bros. na época do disco.[20]

Após a foto final ser selecionada, Heiden encomendou duas versões diferentes da capa do álbum. A imagem original foi tirada em preto-e-branco, e Heiden experimentou uma variedade de versões da fotografia, para combinar com o título do álbum e, finalmente, chegou à tonificada e matizada versão azul da imagem.[20] As capas do disco nas edições de LP e em CD é uma imagem recortada de uma foto que inclui o torso de Madonna, o que também é visto na capa do disco na edição em fita cassete, e também foi incluída como um pôster desdobrável nas prensagens iniciais do LP.[21] Um cartaz de Madonna, espelhando a arte da capa, foi incluída nas versões de vinil do álbum.[22]

Nos primeiros lotes da versão do disco nos Estados Unidos e no Canadá, a capa do disco não apresentava logotipo, mas nos países europeus e da América do Sul, estes lotes foram vendidos com o nome de Madonna e o título do álbum na capa. Heiden explicou, em uma entrevista feita para a revista Aperture, que eles achavam que seria "legal" usar um envoltório de um psiquiatra nas capas dos Estados Unidos, de modo que, quando ele tirou uma fotografia, haveria apenas a foto de Madonna.[20] Nas nações europeias e sul-americanas, a Warner sentiu que o nome era necessário na capa, já que eles não queriam que a popularidade de Madonna abaixasse nestes países. Na contracapa e dentro do encarte do disco, os títulos das canções estão escritos na própria caligrafia de Heiden.[20] Sobre a capa para as versões do disco em fitas cassetes e discos de vinil, Heiden disse: "Eu acho que a imagem tornou-se mais interessante cortada em um formato quadrado, e em vez disso, Madonna sempre começava a sessão de fotos com a imagem final já escolhida para a capa do álbum. Era como se ela estivesse flutuando, como se sua roupa não era visível. Ela assumiu a aparência de uma estátua de mármore de uma deusa. Nos cortes verticais que você vê em sua jaqueta de couro e na parede, isso torna-se mais comum, editorial, terreno".[20]

De acordo com Lucy O'Brien, autora de Madonna: Like an Icon, a capa do álbum foi inspirada no conceito da arte pop de Andy Warhol.[23] Ela sentiu que a imagem era uma mistura de inocência, idealismo, ao mesmo tempo incorporando o estilo das cores dos anos 50 e a cor tingida da mão, a característica do desenho impresso silkscreen de Warhol, predominante nos anos 60. Heiden, designer da capa do álbum, comentou: "Ela já estava muito consciente do valor de sua imagem e estava no controle dela. Depois que eu tirei a foto, parecia que ela estava flutuante e que sua roupa não era visível. Ela pegou a aparência de uma estátua de mármore, de uma deusa".[23] O'Brien sentiu que a obra de arte anunciava a chegada de uma nova Madonna, baseando-se no apelo duradouro de seu ícone de celuloide, Marilyn Monroe: "Com essa imagem, Madonna fez explicitamente a conexão entre Warhol e ela mesma, o nexo entre a arte pop vívida e o comércio. O final dos anos 1980 marcou uma nova era do artista pop como uma marca, e Madonna se tornou a primeira a explorar isso".[23]

Erica Wexler, da revista Spin, descreveu Madonna na capa do disco como "uma cobra sob o sol quente. Madonna na capa de seu novo álbum estende seu perfil lascivamente".[24] Em seu livro Madonna: An Intimate Biography, o escritor J. Randy Taraborrelli disse que a capa do álbum indicou como True Blue era um veículo de crescimento para Madonna. Ele sentiu que a fotografia colorida e lavada de Madonna com a cabeça para trás e os olhos fechados foi discreta, especialmente quando comparada com a pose sexy com a qual ela tinha sido associada no passado.[25] O encarte do álbum não apresenta fotografias. Em vez disso, o encarte foi dedicado aos créditos do álbum e as letras das canções. Isso se deveu ao fato de que Madonna queria ser melhor representada por seu trabalho em True Blue, e não sua imagem.[26]

Composição e estrutura musical[editar | editar código-fonte]

"É a minha última palavra sobre como é estar no meio da imprensa com todo mundo nas minhas costas, e o meu mundo está prestes a desabar. Sempre que eu me sinto assim — e isso me incomoda às vezes — eu digo 'Espere um minuto, eu tenho que estar me divertindo aqui, então onde está a festa?'. Isso não tem que ser dessa maneira. Ainda posso aproveitar a vida".

"Eu costumava fantasiar que nós crescemos no mesmo bairro e que ele (Jimmy Dean) afastou-se de mim e tornou-se uma grande estrela".

—Madonna comentando sobre as canções "Where's the Party" (acima) e "Jimmy Jimmy" (abaixo).[11]

Musicalmente, True Blue trouxe uma direção diferente para Madonna. Seus trabalhos anteriores apresentaram ela cantando com uma voz estridente. Com este álbum, Madonna a enfraqueceu para uma voz mais bubblegum pop. As canções do álbum refletem isso e uma série de instrumentos foram utilizados nas canções para trazer os diferentes humores que as letras enfatizam. "Papa Don't Preach" apresenta bases de guitarras acústicas e elétricas, teclados e arranjos de cordas.[27] A canção apresenta trechos de sonata Appassionata, composição feita originalmente pelo músico Beethoven.[28] Uma contínua percussão com estrutura cheia foi usada em "Open Your Heart".[11] Amostras do filme "White Heat" foram incluídas na canção de mesmo nome. É uma música de dança uptempo com sintetizadores de baixo e de duplos vocais rastreados, apoiados por vozes masculinas no refrão.[11]

Em baladas como "Live to Tell", sua instrumentação de fundo incluem um teclado, um sintetizador, uma guitarra funk e uma mistura de sintetizadores e baterias reais.[29] "Where's the Party" é uma faixa dançante que conta com arranjos de bumbos e sintetizadores, faz barulho de ritmos e possui uma abordagem remixada em toda a composição.[11] A faixa homônima conta com a instrumentação de uma guitarra, um sintetizador, teclados e bateria na bassline, com uma linha de apoio que emprega uma progressão de acordes comumente usado em estilos como o doo-wop.[30] Tambores cubanos (instrumentados pelo brasileiro Paulinho da Costa), guitarras espanholas, maracas e gaitas são usadas em "La Isla Bonita".[31] "Jimmy Jimmy" tem uma influência pop do início dos anos sessenta e as letras são feita em homenagem à estrela pop Jimmy Dean.[11]

Liricamente, True Blue reflete as ideias de Madonna sobre o amor. Where's the Party" fala sobre uma menina que trabalha de dia e aproveita a pista de dança depois do trabalho.[11] "Jimmy Jimmy" fala sobre a admiração de Madonna no bad boy do bairro.[3] Em canções como a espanhola "La Isla Bonita" e "Loves Makes the World Go Round", abordam letras que tratam do escapismo da vida normal e temas anti-guerra e anti-pobreza, usam baterias latinas e possuem influências de ritmos como o samba.[3] A letra dos negócios de "White Heat" são feitas com firmeza e Madonna incluiu na música a infame citação de "Make My Day", de Clint Eastwood.[11] "Papa Don't Prach" trata de letras que falam de uma jovem que diz a seu pai que está grávida antes do casamento, mas que vai manter seu bebê.

"Live to Tell" retrata a complexidade da fraude e da desconfiança.[29] A canção fala também sobre cicatrizes de infância e tem um campo emocional extremo, atingindo-o em um sentido divino.[32] Na faixa homônima, Madonna fala sobre romance e os anos 50, inspirados por grupos femininos do gênero pop.[33] A letra da faixa é construída em forma de verso-refrão, e o tema da canção fala sobre os sentimentos de Madonna por Sean Penn; Ela ainda usa a palavra arcaica amorosa de 1929 "dear" na linha "Just think back and remember, dear".[nota 2] [34] Madonna expressa seus desejos sexuais na letra da música "Open Your Heart"[28] e descreve a beleza de um paraíso latino em "La Isla Bonita".[35]

Singles[editar | editar código-fonte]

Madonna sendo "crucificada" ao apresentar o primeiro single do álbum, "Live to Tell", durante um dos shows da turnê Confessions Tour, no ano de 2006.

O primeiro single do disco foi "Live to Tell", lançada em 26 de março de 1986. A canção é a segunda balada de Madonna depois de "Crazy for You",[29] e foi usada no longa At Close Range, estrelado por seu então marido Sean Penn. A canção foi recebida positivamente pela crítica, com a maioria dos críticos descrevendo a canção de "a sua melhor balada até agora", bem como uma "tremenda balada que reescreve as regras do crossover do adulto contemporâneo".[1] [36] Tornou-se o terceiro single de Madonna ao atingir o número um na Billboard Hot 100[37] e seu segundo número um que é destaque em um filme depois de "Crazy for You".[38] A música também se tornou um sucesso internacional, atingindo o top dez no Canadá, França, Holanda, Suíça e Reino Unido.[39]

"Papa Don't Preach" foi lançada como o segundo single do disco em 11 de junho de 1986. Foi criticamente apreciada com a maioria dos críticos declarando que era "a música independente" do álbum,[40] bem como "com canções como 'Papa Don't Preach', Madonna fez a transição do pop tart para consumar artistas e ingressar nas fileiras dos ícones dos anos 80 como Michael Jackson e Prince".[41] A canção se tornou o quarto single número um de Madonna nos EUA[37] e também alcançou o primeiro lugar no Canadá, Irlanda, Itália e Reino Unido.[42]

A faixa homônima foi lançada como o terceiro single do álbum em 29 de setembro de 1986. É uma canção dance-pop inspirada pelos grupos femininos de Motown dos anos 60.[6] Os críticos receberam a canção como uma faixa alegre e divertida, e que tem um sentimento dos anos 50 nela,[43] embora alguns críticos acreditavam que a faixa era "sem sal e castrada" em comparação com as outras músicas do disco,[44] e que era "uma canção que é apenas bonita e que não serve para ser a faixa-título de um álbum". A canção se tornou outro hit top dez de Madonna, alcançando o número três na Billboard Hot 100,[37] e chegou ao número um na Irlanda, Reino Unido e Canadá.[45]

"Open Your Heart" foi lançada como o quarto single do álbum em 12 de novembro de 1986. Os críticos compararam a canção com canções mais doces canções e valentes pós-Motown,[46] e "perfeita" para suportar a pista de dança.[47] A canção se tornou o quinto single número um de Madonna na Billboard Hot 100.[37] Internacionalmente, tornou-se um hit top dez em vários países europeus, incluindo Bélgica, Irlanda, Itália, Holanda e Reino Unido.[48]

"La Isla Bonita" foi lançada como o quinto e último single do disco em 25 de fevereiro de 1987. A canção descreve Madonna como uma turista que reza "que os dias iriam durar, mas eles foram muito rápido".[49] A primeira linha da canção faz referência a uma ilha chamada San Pedro, embora isso não tenha sido claramente afirmado por Madonna em qualquer entrevista.[50] A canção recebeu resenhas gralmente positivas, com os críticos a descrevendo como uma das maiores e mais influentes canções de Madonna, bem como a melhor música do álbum.[51] [52] "La Isla Bonita" foi um sucesso mundial, alcançando o número um no Canadá, França, Alemanha e Reino Unido,[53] [54] além de alcançar um pico de número quatro na Billboard Hot 100.[37]

Análise da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 4.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar half.svg[1]
BBC 3 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar empty.svgStar empty.svg
Billboard (favorável)[55]
Entertainment Weekly (B)[36]
Los Angeles Times (favorável)[56]
Robert Christgau (B)[57]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[58] [40]
The New York Times (favorável)[59]
Slant Magazine 3.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar half.svgStar empty.svg[51]
Spin (positiva)[60]

Após seu lançamento, True Blue recebeu críticas geralmente positivas no campo da crítica musical. Muitos dos membros da crítica musical elogiaram o fato de que a voz de Madonna parecia mais forte, em relação aos seus trabalhos anteriores. Em um comentário para o famoso jornal estadunidense The New York Times, Jon Pareles disse que True Blue repetiu os temas de fidelidade em suas canções e elogiou a adição de um tom de narração de histórias do mundo real em suas canções, fazendo-o chegar a "franjas do permitido".[59] Stephen Holden, escrevendo para a mesma publicação, elogiou o álbum e disse que "Madonna vai pesado no coração neste registro".[46] Em uma revisão para a revista musical Rolling Stone, Davitt Sigerson deu para o disco uma avaliação de quatro estrelas numa escala que vai até cinco, e afirmou que Madonna estava "cantando melhor do que nunca." As canções do álbum foram chamados por Sigerson de "cativante", mas ele também comentou sobre a falta de músicas pendentes. Sigerson afirmou que em última análise True Blue é um "robusto, confiável e amável novo álbum", que "permanece fiel ao seu passado enquanto descaradamente sobe acima dele".[40]

Em uma revisão para o portal Allmusic, Stephen Thomas Erlewine deu para o disco uma avaliação de quatro estrelas e meia numa escala que possui cinco, e disse que o disco é "um dos grandes álbuns dance-pop, um disco que demonstra as verdadeiras habilidades de Madonna como compositora, produtora, provocadora, e artista através de seu amplo alcance, realização e puro senso de humor". Erlewine explicou ainda que "o que é brilhante em True Blue é que ela faz muita coisa aqui, usando a música para ligar críticos, assim como ela está atraindo uma audiência de massa com tais grandes golpes como 'Papa Don't Preach', onde ela desafiadoramente afirma que ela está mantendo seu bebê. É fácil posicionar o anti-aborto como feminismo, mas o que é complicado é transcender o seu status como uma diva dance-pop conscientemente lembrando clássicos grupos pop femininos ('True Blue', 'Jimmy Jimmy') para prender os críticos, enquanto aprofunda os sulcos de dança ('Open Your Heart', 'Where's the Party'), toca ritmos latinos ('La Isla Bonita'), faz um apelo pela paz no mundo ('Love Makes the World Go Round'), e entrega um tremenda balada que reescreve as regras da passagem crossover do adulto contemporâneo ('Live to Tell')".[1]

Sal Cinquemani, da Slant Magazine, chamou o álbum de "o arquétipo supremo do final dos anos 80 e 90 no início da música pop. [...] O tempo carimbado com teclado da era dos anos 80 e sintetizadores de bateria, True Blue, embora tenha chocado completamente visitas, é o álbum mais datado de Madonna". Cinquemani elogiou as canções do álbum pelo fato de serem mais maduras que "Material Girl", e disse que "o álbum inclui alguns dos maiores hits e mais influentes de Madonna —como a robusta "Open Your Heart" e a intemporal "La Isla Bonita"—, mas é também o lar de alguns dos seus maiores fracassos".[51] Michael Paoletta, da revista Billboard, comentou em 2001 que "quase 20 anos depois de sua estreia, o álbum ainda é irresistível".[55]

Jim Farber, revisor da revista Entertainment Weekly, disse: "Embora o terceiro projeto de Madonna a apresenta adicionando sua paleta com o pop espanhol ('La Isla Bonita') e mexe com nossas cabeças com sua canção anti-aborto aparente ('Papa Don't Preach'). Também é notável por 'Live to Tell', sua melhor balada até o momento".[36] O crítico Robert Christgau não ficou impressionado com o álbum e disse: "Em um momento de auto-engano coletivo, nós não precisamos de um outro trabalho de neve".[57] Robert Hilburn, do jornal Los Angeles Times, afirmou que "True Blue não é a música revolucionária, mas é o pop imaginativo, altamente energizado que reconhece as limitações e prazeres do top 40".[56] Erica Wexler, da revista Spin, comentou que "True Blue é o rito de passagem entre o pop adolescente e um mundo adulto mais duro de Madonna. Com todos os seus artifícios e as melodias encantadas que eu não consigo tirar da minha cabeça, sua mística ainda é explicada pelo jovem que me disse: 'Eu amo bombardear a ira de Madonna'".[60]

Divulgação[editar | editar código-fonte]

Madonna apresentando "La Isla Bonita" durante um dos shows da turnê Sticky & Sweet Tour acompanhada do trio Kolpakov, no ano de 2008.

Antes do lançamento do álbum, Madonna estreou "Love Makes the World Go Round" na série de concertos Live Aid, no ano de 1985.[61] O resto das faixas do álbum foram incluídas no setlist de sua turnê Who's That Girl Tour, exceto "Jimmy Jimmy", que continua a ser a única música de Madonna a não ser apresentada ao vivo.[62] Foi sua segunda turnê e promoveu simultaneamente True Blue e a trilha sonora do filme Who's That Girl.[63] Foi a primeira turnê mundial de Madonna, e passou por países da Ásia, da América do Norte e da Europa. Musicalmente e tecnicamente superior à sua antecessora, a The Virgin Tour, a turnê traz componentes de multimídia incorporados para deixar o show mais atraente.[63] Madonna treinou-se fisicamente com aeróbica, corrida e levantamento de peso, para lidar com a coreografia e com as rotinas de dança da turnê.[64] Para o figurino, ela colaborou com a designer Marlene Stewart, expandindo a ideia de trazer seus personagens de vídeos populares para o palco, e refazer cenas dos vídeos musicais de "True Blue", "Open Your Heart", "Papa Don't Preach" e "La Isla Bonita".[64] O palco era enorme, com quatro telões, projetores multimídia e um lance de escadas no meio do palco, o que viria a ser repetido em sua turnê sucessora, a Blond Ambition World Tour. Patrick Leonard se tornou o diretor musical e encorajou Madonna a ir com a ideia de reorganizar suas canções mais antigas e apresentá-las em um novo formato.[65] Madonna apresentava a turnê, e depois olhava para uma imagem gigantesca de si mesma projetada em uma tela no palco durante os ensaios.[66]

O show consistia em sete trocas de roupa, com rotinas de canções, de dança e de teatro com um bis que consistia nas faixas "Who's That Girl" e "Holiday".[19] A turnê também abordou causas sociais como a Aids, durante a canção "Papa Don't Preach".[67] A turnê foi criticamente apreciada, com revisores comentando sobre a natureza extravagante dos concertos e elogiando Madonna com suas danças, mudanças de figurino e ritmo dinâmico.[68] [69] [70] Foi um sucesso comercial, arrecadando um total de USD 25.000.000, e Madonna se apresentou para cerca de 1,5 milhões de espectadores ao logo de toda a turnê.[71] De acordo com a Pollstar, foi a segunda turnê feminina com maior arrecadação do ano de 1987, atrás apenas de Break Every Rule Tour, de Tina Turner.[63] [72]

Dois shows da turnê foram lançados no formato de vídeo: Who's That Girl - Live in Japan (1987), que era exclusivo para o mercado japonês e Ciao, Italia! - Live From Italy (1988), que foi lançado internacionalmente.[73] O biógrafo J. Randy Taraborrelli comentou que "muitos artistas do sexo feminino se comportam como uma diva por um período quando atingem status de super estrela, e a turnê 'Who's That Girl Tour' marcou o início de Madonna".[74] A turnê também é conhecida por dar origem à uma nova imagem de Madonna, uma imagem sexual mais forte e mais inteligente que sua antiga imagem, que tinha dado origem ao termo "Madonna wannabe".[nota 3] [75] Uma estátua de Madonna usando um sutiã cônico foi erguida em sua homenagem, no centro da cidade de Pacentro, na Itália, onde seus antepassados ​​viviam.[66]

Legado[editar | editar código-fonte]

Stephen Thomas Erlewine observou que "True Blue é o álbum em que Madonna se tornou verdadeiramente 'Madonna a super estrela ' —a artista infinitamente ambiciosa e destemidamente provocativa que é ultraje, debate ignição, obtêm boas críticas— e faz boa música enquanto ela está fissurada no que faz".[1] Mark Savage, da rede britânica BBC, afirmou que True Blue é o álbum que consolidou a reputação de Madonna como a "Primeira Dama da Pop".[76] Da mesma forma, Sal Cinquemani, da revista Slant Magazine, disse que "com o álbum Madonna fez a transição do pop tart para consumar artistas e ingressar nas fileiras dos ícones dos anos 80 como Michael Jackson e Prince".[51] Sobre a influência de Madonna na indústria fonográfica e os artistas mais jovens, Debbie Gibson e Doug Breitbart comentaram: "Madonna trouxe de volta um componente realmente forte e melódico para a música pop. Ela tem uma juventude-orientada, até, um som borbulhante e muito divertido".[77]

O sucesso mundial de True Blue marcou a primeira vez que Madonna apareceu no livro dos recordes Guinness World Records em sua edição de 1988, onde foi apelidada como a cantora de maior sucesso do ano de 1986.[78] O álbum também detinha o recorde de número um na maioria dos países, ficando no topo das paradas de álbuns em um total de vinte e oito países ao redor do mundo.[79] True Blue foi incluído no mesmo livro como o álbum mais vendido por uma mulher, com vendas de mais de dezessete milhões de cópias até outubro de 1990.[80] Também foi o álbum mais vendido do mundo no ano de 1986, bem como o álbum feminino mais vendido da década de 1980 e continua sendo um dos álbuns mais vendidos de todos os tempos, com vendas de mais de trinta milhões de cópias em todo o mundo, de acordo com a Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI).[nota 1] [81] [82] A revista Slant Magazine listou o álbum na posição de número sessenta na lista dos "Melhores Álbuns da década de 1980" e afirmou que "True Blue foi o álbum em que tornou-se rapidamente evidente que Madonna era mais do que apenas uma estrela pop 'flash-in-the-pan'".[83]

Madonna apresentando "Papa Don't Preach" durante um dos shows da turnê Re-Invention Tour, no ano de 2004. Críticos, estudiosos e conservadores apoiaram a mensagem transmitida por Madonna que, ao invés de sofrer um aborto, preferiu manter seu bebê, como pode ser visto na linha "I will keep my baby".[nota 4]

O segundo single do álbum, "Papa Don't Preach" enfrentou muitas críticas, bem como o apoio de grupos envolvidos com a gravidez e o aborto, como tema de uma menina que engravida e, em seguida, toma a decisão de manter seu bebê em vez de abortar. Alfred Moran, que era o diretor-executivo da Planned Parenthood of New York, criticou a canção, temendo que isso minaria os esforços para promover o controle de natalidade entre adolescentes e que incentivaria gravidez na adolescência.[84] [85] Susan Carpenter-McMillan, que foi presidenta da Feminists of Life (FFL)[nota 5] nos EUA, aceitou que o tema da música era como pró-vida e disse que "o aborto é prontamente disponível em cada esquina para as mulheres jovens. Agora o que Madonna está dizendo a eles é 'ei, há uma alternativa."[85]

Cquote1.svg "Papa Don't Preach" é uma canção de mensagem que todo mundo vai levar erroneamente. Imediatamente eles vão dizer que eu estou aconselhando cada jovem a sair de casa e ficar grávida. Quando eu ouvi pela primeira vez a música, eu pensei que era bobagem. Mas depois eu pensei, e disse: "Espere um minuto, essa música é realmente sobre uma garota que está tomando uma decisão em sua vida. Ela tem uma relação muito estreita com seu pai e quer manter essa proximidade". Para mim, é uma celebração da vida. Ele diz: "Eu te amo, pai, e eu amo este homem e esta criança que está crescendo dentro de mim". Claro, quem sabe como isso vai acabar? Mas pelo menos ela começa positiva". Cquote2.svg
Madonna em entrevista para o jornal estadunidense The New York Times, comentando sobre o tema da canção.

True Blue também gerou significado cultural com os vídeos musicais acompanhantes de seus singles lançados. Em seu livro Censoring Sex, a escritora Semonche explicou que com o álbum, Madonna empurrou o envelope do que poderia ser mostrado na televisão e resultou em aumento de sua popularidade.[86] Madonna tentou experimentar diferentes formas e estilos com os vídeos musicais e no processo construiu um novo conjunto de imagem e identidade.[87] Ela empregou diferentes estratégias estéticas para ilustrar suas canções narrativamente e desconstruiu o significado real da canção.[87] Com o vídeo da música "Live to Tell", Madonna mudou sua imagem 'boy-toy' de vídeos anteriores como "Like a Virgin" e "Into the Groove", filmes e apresentações para uma jovem sofisticada e séria.[87] Madonna adotou uma reforma em sua imagem constantemente com cada vídeo, como ficou evidente com o lançamento do vídeo da música "Papa Don't Preach".[87] Para o vídeo da faixa homônima do disco Madonna, em parceria com a Sire Records, decidiu optar por um dispositivo promocional nos Estados Unidos que envolveria espectadores da MTV a fazer seus próprios vídeos para a música.[88] Intitulado de "Madonna's 'Make My Video' Contest",[nota 6] o evento foi acompanhado por milhares de participantes, e muitas das propostas contaram com adolescentes imitando Madonna.[88] A escritora Lisa A. Lewis disse que este evento enfatizou o efeito que Madonna teve sobre diferentes tipos de públicos, devido à popularidade e à resposta ao concurso.[88]

O vídeo da música "Open Your Heart" apresentou Madonna mudando o conceito do olhar macho e estereótipo do voyeurismo. Ela apareceu como uma stripper no vídeo, que foge com um rapaz do salão na cena final do vídeo.[87] A escritora feminista Susan Bordo fez uma revisão negativa do vídeo, dizendo que os homens patéticos nos cubículos e Madonna fugindo com o menino é "cínico e mecanicamente anexado [como] uma forma de reivindicar o status na moda para o que é apenas cheesecake —ou, talvez, a pornografia".[89] A MTV também havia feito algumas reservas antes de transmitir o vídeo, que foi mais tarde resolvido depois de uma reunião com funcionários da Warner.[90] O escritor autor Donn Welton ressaltou que "a relação de poder entre o habitual olhar masculino do voyeurismo e de objetos é desestabilizado pela representação dos clientes masculinos do show como malicioso e patético".[91] O olhar espanhol de Madonna no vídeo musical de "La Isla Bonita" tornou-se popular e apareceu nas tendências da moda naquele tempo, na forma de boleros e saias em camadas com acessórios como rosário e crucifixos no vídeo.[92] Na terceira edição dos MTV Video Music Awards, que ocorreu em 1986, a videografia de Madonna foi premiada com um Vídeo Vanguard Award, feito para reconhecer o impacto de seus vídeos musical na indústria da música e da cultura popular. Ela foi a primeira artista feminina a receber tal honra.[93]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

True Blue apresenta nove faixas em sua edição padrão e onze faixas em sua edição remasterizada em 2001.

Todas as canções produzidas por Madonna e Patrick Leonard, exceto quando escrito.[94] [95] [96] [97] [98]

True Blue (edição padrão)
N.º Título Compositor(es) Produtor(es) Duração
1. "Papa Don't Preach"   Madonna, Brian Elliot Madonna, Stephen Bray[99] 4:29
2. "Open Your Heart"   Madonna, Gardner Cole, Peter Rafelson   4:13
3. "White Heat"   Madonna, Leonard   4:40
4. "Live to Tell"   Madonna, Leonard   5:51
5. "Where's the Party"   Madonna, Bray, Leonard Madonna, Bray, Leonard[100] 4:21
6. "True Blue"   Madonna, Bray Madonna, Bray[101] 4:18
7. "La Isla Bonita"   Madonna, Leonard, Bruce Gaitsch   4:02
8. "Jimmy Jimmy"   Madonna, Bray Madonna, Bray[102] 3:55
9. "Love Makes the World Go Round"   Madonna, Bray   4:31
Duração total:
40:18
Notas
A - denota produtores adicionais e remixadores

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, True Blue estreou na vigésima oitava posição na Billboard 200, alcançando a primeira posição na semana de 16 de agosto de 1986.[103] Permanecendo nesta posição durante cinco semanas consecutivas, estando presente na parada durante um total de oitenta e duas semanas. O álbum também atingiu um pico de número quarenta e sete no periódico genérico Top R&B/Hip-Hop Albums.[104] True Blue foi certificado com um Disco de Platina Séptuplo pela Recording Industry Association of America (RIAA) pelas vendas de mais de sete milhões de unidades em território estadunidense, tornando-se o terceiro álbum mais vendido de Madonna nos Estados Unidos, atrás de Like a Virgin (1984) e The Immaculate Collection] (1990).[105] Após o advento da Nielsen SoundScan em 25 de maio de 1991, o álbum conseguiu vendas adicionais de quatrocentas e quatro mil cópias.[106] No Canadá, o álbum estreou na septuagésima terceira posição na Canadian Albums Chart —que era publicada pela revista RPM— na semana de 5 de julho de 1986.[107] As posições do álbum na parada subiram rapidamente, alcançando o pico da tabela na semana de 9 de agosto de 1986.[108] Ficou no topo da tabela durante nove semanas não-consecutivas e esteve presente na parada durante setenta e sete semanas.[109] [110] True Blue foi certificado com um Disco de Diamante pela Music Canada. O que denota vendas de mais de um milhão de cópias do disco em território canadense.[111] True Blue também foi muito bem sucedido no Brasil. A Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD) certificou o álbum com um Disco de Ouro, pelas vendas de mais de cem mil cópias do disco em território brasileiro; Contudo, o disco possui vendas de mais de um milhão de cópias no país. Se tornando um dos discos com maior vendagem no país.[112]

True Blue também atingiu grande êxito comercial na Ásia e na Oceania. No Japão, o álbum alcançou a segunda posição na tabela Oricon LP.[113] Na edição de 1987 dos Japan Gold Disc Award, feito pela Recording Industry Association of Japan (RIAJ), True Blue ganhou nas nomeações de Album of the Year Pop Solo e Grand Prix Album of the Year, que foi dado para o álbum internacional mais vendido no ano, enquanto Madonna foi homenageada como Artist of the Year, prêmio dado para o artista internacional com maior número de vendas do ano no país.[114] Em Hong Kong, True Blue foi certificado com um Disco de platina pela IFPI Hong Kong Group, pelas vendas de mais de quinze mil cópias do disco no país.[115] Na Austrália, o álbum chegou ao topo dos ARIA Charts —então publicado pelo Kent Music Report— na semana de 4 de agosto de 1986. Permanecendo nesta posição durante duas semanas consecutivas.[116] Foi certificado com um Disco de Platina Quádruplo pela Australian Recording Industry Association (ARIA) pelas vendas de mais de duzentas e oitenta mil cópias do disco em território australiano.[116] Também alcançou o número um na parada de álbum publicada pela Recording Industry Association of New Zealand (RIANZ), sendo certificado com um Disco de Platina Quíntuplo pela mesma empresa, pelas vendas de mais de setenta e cinco mil cópias do disco em território neozelandês.[117]

A maior recepção comercial atingida por True Blue foi nos países europeus, onde liderou a European Top 100 Albums durante trinta e quatro semanas consecutivas —o maior recorde atingido por um artista, que foi entre as semanas de 19 de julho de 1986 e 07 de março de 1987.[118] No Reino Unido, True Blue estreou no pico da UK Albums Chart na semana de 12 de julho de 1986, tornando-se o primeiro álbum de um artista estadunidense a estrear no cume da tabela,[119] [120] onde permaneceu durante seis semanas consecutivas, e esteve presente na tabela durante oitenta e cinco semanas.[121] True Blue se tornou o álbum mais bem sucedido no ano de 1986 no Reino Unido.[122] A British Phonographic Industry (BPI) certificou True Blue com um Disco de Platina Séptuplo, pelas vendas de mais de de 2,1 milhões de cópias do disco em território britânico.[123] True Blue também liderou a parada de álbuns na França e foi certificado com um Disco de Diamante pela Syndicat National de l'Édition Phonographique (SNEP) pelas vendas de mais de um milhão de cópias do disco em território francês.[124] [125] As vendas reais da álbum no país são estimadas em 1.353.100 cópias.[125] Na Alemanha, o álbum alcançou a posição de número um nos Media Control Charts durante oito semanas não-consecutivas e foi certificado com um Disco de Platina Duplo pela Bundesverband Musikindustrie (BVMI) pelas vendas de mais de um milhão de cópias do disco em território alemão.[126] [127] Na Itália, o disco já vendeu 1,5 milhões de cópias, sendo o álbum mais vendido por um artista estrangeiro no país.[128] [129]

Singles[editar | editar código-fonte]

Ano Canção Melhores posições Certificações
EUA
Hot 100
[130]
EUA
Dance
[130] [131]
ALE
[132]
AUS
[116]
AUT
[133]
CAN
[134]
FRA
[135]
ITA
[136]
SUI
[137]
REI
[138]
1986 "Live to Tell" 1 7 1 6 12 1 4 2
"Papa Don't Preach" 3 1 4 3 2 2 1
"True Blue" 3 6 5 9 6 6 4 6
"Open Your Heart" 1 1 16 18 8 24 17 6 11 4
1987 "La Isla Bonita" 4 6 1 1 1 1 18 1 1
"—" Denota canções que não foram lançadas no país ou não atingiram tal parada musical

Posições[editar | editar código-fonte]

Precessão e sucessão[editar | editar código-fonte]

Gráficos de sucessão
Precedido por
Whtiney Houston por Whitney Houston
Álbuns número um nos Austrália ARIA Charts
4 – 17 de agosto de 1986
Sucedido por
Whitney Houston por Whitney Houston
Precedido por
Top Gun por Vários artistas
Álbuns número um na Estados Unidos Billboard 200
16 de agosto – 19 de setembro de 1986
Sucedido por
Dancing on the Ceiling por Lionel Richie
Precedido por
Invisible Touch por Genesis
Álbuns número um na Reino Unido UK Albums Chart
12 de julho – 22 de agosto de 1986
Sucedido por
Now That's What I Call Music 7 por Vários artistas
Precedido por
Brothers in Arms por Dire Straits
Álbuns do ano na Reino Unido UK Albums Chart
1986
Sucedido por
Bad por Michael Jackson

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos no processo de elaboração de True Blue, de acordo com o acompanhante encarte do disco:[161]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. a b Sigla usada para abreviar "International Federation of the Phonographic Industry", em tradução livre, "Federação Internacional da Indústria Fonográfica".
  2. Em tradução livre, "Apenas olhe para trás e se lembrará, querido".
  3. Em tradução livre, "Quero ser Madonna".
  4. Em tradução livre, "Eu vou manter meu bebê".
  5. Em tradução livre, "Feministas pela Vida".
  6. Em tradução livre, "Concurso de Madonna 'Faça Meu Vídeo'".

Referências

  1. a b c d e Erlewine, Stephen Thomas (13 de julho de 1986). allmusic ((( True Blue > Overview ))) Allmusic Rovi Corporation. Visitado em 7 de abril de 2009.
  2. a b McKeen 2000, p. 232
  3. a b c d McKeen 2000, p. 233
  4. Parish & Pitts 2003, p. 525
  5. Kellner 1995, p. 277
  6. a b Metz & Benson 1999, p. 48
  7. Morton 2002, p. 789
  8. (5 de setembro de 1986) "'Papa Don't Preach' Stirs Teen Pregnancy Debate". St. Petersburg Times.
  9. (18 de setembro de 1986) "Gossip Composite". The Dallas Morning News.
  10. Bronson 2003, p. 655
  11. a b c d e f g h Rooksby 2004, pp. 23–26
  12. Bronson 2003, p. 637
  13. Perdomo, Marco Antonio (6 de junho de 2013). Vivir para contarlo Madonna (em espanhol) Diario Co Latino. Visitado em 20 de março de 2009.
  14. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 68
  15. Bronson 2003, p. 659
  16. Rettenmund 1996, p. 98
  17. Live Aid 1985: Looking back at the original event BBC BBC Online (13 de julho de 1985). Visitado em 21 de abril de 2009.
  18. Taylor 1993, p. 192
  19. a b Voller 1999, p. 29
  20. a b c d e f g Lewis, Julia. (15 de outubro de 2006). "True Blue's first twenties": 71.
  21. Downey, Ryan J. (26 de dezembro de 2012). Photographer/ Video Director Herb Ritts Dies At Age 50 MTV (MTV Networks). Visitado em 6 de abril de 2009.
  22. Tuber, Keith. (Novembro de 1986). "Bachman Puts Career Into Overdrive" 12 (11): 190. ISSN 0279-0483.
  23. a b c O'Brien 2007, p. 21
  24. Wexler, Erica. (Outubro de 1986). "Madonna: True Blue: Sire" 2 (7): 37. ISSN 0886-3032. Visitado em 12 de julho de 2011.
  25. Taraborrelli 2002, p. 118
  26. Taraborrelli 2002, p. 119
  27. Digital Sheet Music: Papa Don't Preach Musicnotes Alfred Publishing. Visitado em 28 de fevereiro de 2009.
  28. a b Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 61
  29. a b c Marsh 1999, p. 38
  30. Marsh 1999, p. 184
  31. Digital Sheet Music: La Isla Bonita Musicnotes Alfred Publishing. Visitado em 21 de março de 2009.
  32. Metz & Benson 1999, pp. 16–21
  33. McKeen 2000, p. 234
  34. Dean 2003, p. 523
  35. Ciotti, Paul. (22 de março de 1987). "Madonna's La Isla Bonita: Myth or Reality?". ISSN 0458-3035.
  36. a b c Farber, Jim (20 de julho de 2001). The Girl Material Entertainment Weekly Time Inc.. Visitado em 7 de abril de 2009.
  37. a b c d e Artist Chart History — Madonna Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 12 de março de 2009.
  38. DeKnock, Jan (6 de junho de 1986). Madonna's Soundtrack Single 'Live To Tell' Lives To Become No. 1 Chicago Tribune Tribune Company. Visitado em 13 de março de 2009.
  39. "Live to Tell" atingiu o top dez no Canadá, França, Holanda, Suíça e Reino Unido. A lista de fontes que comprova esta informação está presente logo abaixo:
  40. a b c Madonna: True Blue Album review Rolling Stone Jann Wenner (17 de junho de 1986). Visitado em 7 de abril de 2009.
  41. Cinquemani, Sal (2003). American Idol: 20 Years of Madonna Slant Magazine. Visitado em 26 de fevereiro de 2009.
  42. "Papa Don't Preach" atingiu o número um no Canadá, Irlanda, Itália e Reino Unido. A lista de fontes que comprova esta informação está presente abaixo:
  43. Holdship, Bill (1 de julho de 1986). Album Review: True Blue Yahoo! Music Yahoo! Inc. Visitado em 26 de março de 2009.
  44. Madonna's 'True Blue' Leaves Bad Aftertaste The Wichita Eagle The McClatchy Company (23 de novembro de 1986). Visitado em 1 de abril de 2009.
  45. "True Blue" atingiu o número um na Irlanda, Reino Unido e Canadá. A lista de fontes que comprova esta informação segue logo abaixo:
  46. a b Holden, Stephen (29 de junho de 1986). Madonna Goes Heavy On Heart The New York Times 2 pp. The New York Times Company. Visitado em 7 de abril de 2009.
  47. Guerra, Joey (25 de abril de 2008). Madonna makes the (Houston) people come together The Houston Chronicle Hearst Corporation. Visitado em 30 de março de 2009.
  48. "Open Your Heart" atingiu o top dez na Bélgica, Irlanda, Itália, Holanda e Reino Unido. A lista de fontes que comprova esta informação segue logo abaixo:
  49. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 144
  50. Hart & Phelan 1993, p. 341
  51. a b c d Cinquemani, Sal (23 de janeiro de 2003). Madonna, True Blue, Sire 1986 Slant Magazine. Visitado em 7 de abril de 2009.
  52. McLeese, Don (10 de julho de 1986). Mature Madonna Isn't As Much Fun Chicago Sun-Times Sun-Times Media Group. Visitado em 25 de maio de 2009.
  53. Chartverfolgung: Madonna – La Isla Bonita (em alemão) Media Control Charts (11 de maio de 1987). Visitado em 23 de março de 2009.
  54. WarwickBrown & Kutner 2004, p. 78
  55. a b Paoletta, Michael. (18 de agosto de 2001). "Vital Re-Issues". Billboard 113 (33). ISSN 0006-2510.
  56. a b Hilburn, Robert (6 de julho de 1986). Madonna Is Nobody's Toy Los Angeles Times. Visitado em 11 de julho de 2010.
  57. a b Christgau, Robert (14 de julho de 1986). Consumer Guide: Madonna discography Robert Christgau. Visitado em 14 de abril de 2009.
  58. Madonna: Album Guide Rolling Stone Jann Wenner. Visitado em 21 de setembro de 2011.
  59. a b Pareles, Jon (11 de junho de 1990). Critic's Notebook; On the Edge of the Permissible: Madonna's Evolving Persona The New York Times 2 pp. The New York Times Company. Visitado em 7 de abril de 2009.
  60. a b Wexter, Erica. (Outubro de 1986). "Madonna: True Blue: Sire" 2 (7). ISSN 0886-3032. Visitado em 17 de junho de 2010.
  61. Live Aid (1985) (em inglês) no Internet Movie Database
  62. Cross 2007, p. 103
  63. a b c Taraborrelli 2002, p. 125
  64. a b Clerk 2002, p. 66
  65. Farley, Chris (5 de agosto de 1987). Madonna's Moves Are The Stuff Of Shabba-Doo Chicago Tribune Tribune Company. Visitado em 8 de julho de 2010.
  66. a b Morton 2002, pp. 199–200
  67. Guilbert 2002, p. 78
  68. Ayers, Ann (3 de julho de 1987). Dressing Up A Material Girl USA Today Gannett Company. Visitado em 14 de julho de 2010.
  69. Goddard, Peter (3 de julho de 1987). Who's That Girl? Madonna-mia! Toronto Star Torstar. Visitado em 12 de julho de 2010.
  70. Snead, Elizabeth (2 de julho de 1987). New Madonna Tour Sets Racy Tone Chicago Tribune Tribune Company. Visitado em 12 de julho de 2010.
  71. Bassets, Luis (31 de agosto de 1987). Madonna convocó en París a 130.000 personas (em francês) El País Ediciones El Pais S.L.. Visitado em 4 de maio de 2009.
  72. Bego 2000, p. 190
  73. Warner Bros. Records Inc. Commits to Furthering DVD Platform PR Newswire (11 de fevereiro de 1999). Visitado em 20 de julho de 2010.
  74. Taraborrelli 2002, p. 127
  75. Bego 2000, p. 210
  76. Savage, Mark. Pop superstars turn 50 BBC BBC Online. Visitado em 7 de abril de 2009.
  77. Grein, Paul. (1 de dezembro de 1987). "Teen-Agers Making Their Voices Heard Tiffany, 16, Is Not 'Alone Now' on Pop Scene as Recording Industry Capitalizes on Young Artists". Los Angeles Times: 1. ISSN 04583035.
  78. New Guinness Book Goes on the Record The Philadelphia Inquirer Philadelphia Media Holdings (16 de outubro de 1987). Visitado em 7 de outubro de 2011.
  79. Bohem 1990, p. 78
  80. McFarlan 1991, p. 197
  81. Kaufman, Gil (29 de março de 2010). Madonna And Lionel Richie To Reunite On Billboard Charts? MTV (MTV Networks). Visitado em 7 de abril de 2012.
  82. Sus Discos (em inglês) El Mercurio. Visitado em 22 de abril de 2013.
  83. Slant staff (5 de março de 2012). Best Albums of the 1980s. Visitado em 7 de abril de 2012.
  84. Singer 2002, p. 405
  85. a b Dullea, Georgia (18 de setembro de 1986). Madonna's New Beat is a Hit, but Song's Message Rankles The New York Times The New York Times Company. Visitado em 26 de fevereiro de 2009.
  86. Semonche 2007, p. 162
  87. a b c d e Kellner 1995, p. 274
  88. a b c Lewis 1991, p. 206
  89. Bordo & Heywood 2004, p. 273
  90. Westbrook, Bruce (8 de janeiro de 1987). MTV drops Quinn while searching for fresh faces Houston Chronicle Hearst Corporation. Visitado em 28 de março de 2009.
  91. Welton 1998, p. 234
  92. Clerk 2002, p. 44
  93. (Março 2008) "Who has won the most MTV Video Music Awards?" 16 (2): 58. ISSN 1070-4701.
  94. Open Your Heart Madonna, Gardner Cole, Peter Rafelson Letras.mus.br. Visitado em 18 de maio de 2011.
  95. White Heat Madonna, Patrick Leonard Letras.mus.br. Visitado em 4 de abril de 2012.
  96. Live to Tell Madonna, Patrick Leonard Letras.mus.br. Visitado em 14 de agosto de 2011.
  97. a b La Isla Bonita Madonna, Patrick Leonard, Bruce Gaitsch Letras.mus.br. Visitado em 9 de junho de 2010.
  98. Love Makes the World Go Round Madonna, Stephen Bray Letras.mus.br. Visitado em 29 de novembro de 2011.
  99. Papa Don't Preach Madonna, Brian Elliot Letras.mus.br. Visitado em 3 de abril de 2012.
  100. Where's the Party Madonna, Stephen Bray, Patrick Leonard Letras.mus.br. Visitado em 3 de setembro de 2012.
  101. a b True Blue Madonna, Stephen Bray Letras.mus.br. Visitado em 5 de janeiro de 2011.
  102. Jimmy Jimmy Madonna, Stephen Bray Letras.mus.br. Visitado em 5 de janeiro de 2011.
  103. a b The Billboard 200 – True Blue Billboard Nielsen Business Media, Inc (16 de agosto de 1986). Visitado em 16 de abril de 2009.
  104. a b Allmusic (((True Blue > Charts & Awards > Billboard Albums ))) Allmusic Rovi Corporation. Visitado em 1 de abril de 2009.
  105. a b Certificações (Estados Unidos) – Madonna – True Blue (em inglês) Recording Industry Association of America. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  106. Grein, Paul (12 de agosto de 2010). Week Ending Aug. 8, 2008: Taylor Swift Returns Yahoo!. Visitado em 12 de agosto de 2010.
  107. Canadian RPM Albums Chart RPM RPM Library Archives (15 de julho de 1986). Visitado em 16 de abril de 2009.
  108. a b Canadian RPM Albums Chart RPM RPM Library Archives (9 de agosto de 1986). Visitado em 16 de abril de 2009.
  109. Canadian RPM Albums Chart RPM RPM Library Archives (18 de outubro de 2009). Visitado em 16 de abril de 2009.
  110. Canadian Albums Chart RPM RPM Library Archives (16 de janeiro de 1988). Visitado em 16 de abril de 2009.
  111. a b Certificações (Canadá) – Madonna – True Blue (em inglês) Music Canada. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  112. a b Certificações (Brasil) (álbum) – Madonna (em português) Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  113. a b マドンナ Japanese Albums Chart (em japonês) Oricon (25 de julho de 1986). Visitado em 4 de julho de 2010.
  114. ゴールドディスク大賞受賞者一覧 (PDF) (em japonês) Recording Industry Association of Japan (1987-2006). Visitado em 26 de novembro de 2010.
  115. Gold Disc Award > Gold Disc Award Criteria International Federation of the Phonographic Industry. Visitado em 17 de agosto de 2011.
  116. a b c d e Kent, David. Australian Chart Book 1970-1992. ilustarada. ed. Austrália: [s.n.], 1993. 444 pp. ISBN 0-646-11917-6.
  117. Radioscope Gold / Platinum Albums Recording Industry Association of New Zealand Radio & Records (1 de março de 2009). Visitado em 11 de maio de 2009.
  118. a b (19 de julho de 1986) "Europarade" (em neerlandês) 10 (29). ISSN 0165-4942.
  119. a b UK Albums Chart – Week of July 12, 1986 The Official Charts Company (12 de julho de 1986). Visitado em 23 de junho de 2010.
  120. Frith, Straw & Street 2001, p. 16
  121. Artist Chart History: Madonna The Official Charts Company. Visitado em 23 de junho de 2010.
  122. Rees & Crampton 1991, p. 343
  123. a b c d e BPI Certifications – Database British Phonographic Industry. Visitado em 22 de março de 2010.
  124. a b Madonna True Blue – France – search with artist name Syndicat National de l'Édition Phonographique Infodisc (4 de janeiro de 1987). Visitado em 16 de abril de 2009.
  125. a b c Les Albums Diamant (em francês) Syndicat National de l'Édition Phonographique Infodisc. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  126. a b Album – Madonna, True Blue Media Control Charts. Visitado em 8 de outubro de 2011.
  127. a b Gold-/Platin-Datenbank (Madonna; 'True Blue') (em alemão) Bundesverband Musikindustrie. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  128. 'True Blue' di Madonna compie 25 anni (em italiano) Lifestyle (30 de junho de 2011). Visitado em 25 de fevereiro de 2013.
  129. True Blue di Madonna compie 25 anni: festeggiamo il True Blue Day (em italiano) Spetteguless (30 de junho de 2011). Visitado em 25 de fevereiro de 2013.
  130. a b Allmusic ((( Madonna > Charts & Awards > Billboard Singles ))) Allmusic Rovi Corporation (1983–2009). Visitado em 26 de maio de 2009.
  131. Trust, Gary (15 de setembro de 2009). 'Celebration': Madonna's 40 Most Impressive Instants Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 8 de outubro de 2009.
  132. Madonna Singles Discography (em alemão) Media Control Charts Musicline.de (1984–2009). Visitado em 26 de maio de 2009.
  133. Madonna Singles Discography (em alemão) Ö3 Austria Top 40 austriancharts.at. Visitado em 6 de janeiro de 2010.
  134. Madonna Singles Discography RPM RPM Library Archives. Visitado em 8 de outubro de 2009.
  135. Madonna Singles Discography (em francês) Syndicat National de l'Édition Phonographique Lescharts.com at Hung Medien (1984–2009). Visitado em 2 de junho de 2009.
  136. Madonna: Discografia Italiana (em italiano) Federazione Industria Musicale Italiana Hitparadeitalia.it (1984–2009). Visitado em 20 de outubro de 2010.
  137. Madonna Singles Discography (em alemão) Swiss Music Charts Hitparade.ch at Hung Medien (1984–2009). Visitado em 2 de junho de 2009.
  138. Madonna Singles Discography The Official Charts Company. Visitado em 25 de maio de 2009.
  139. Madonna – Papa Don't Preach Recording Industry Association of America (22 de outubro de 1998). Visitado em 20 de outubro de 2010.
  140. Madonna – True Blue (song) Recording Industry Association of America Nielsen Business Media, Inc (22 de outubro de 1998). Visitado em 20 de outubro de 2010.
  141. a b c Madonna – True Blue (Album) Ultratop 50 Hung Medien. Visitado em 17 de maio de 2010.
  142. a b Salaverri, Fernando. Sólo éxitos: año a año, 1959–2002. 1. ed. Espanha: [s.n.], 2005. ISBN 84-8048-639-2. Visitado em 13 de julho de 2010.
  143. Madonna: Discografia Italiana Federazione Industria Musicale Italiana HitParadeItalia. Visitado em 31 de maio de 2010.
  144. Madonna True Blue – Norway VG-lista Hung Medien. Visitado em 9 de abril de 2009.
  145. (25 de outubro de 1986) "Hits of the World: Netherlands" 98 (43): 65. ISSN 0006-2510. Visitado em 16 de outubro de 2011.
  146. Madonna True Blue – Sweden Sverigetopplistan Hung Medien. Visitado em 9 de abril de 2009.
  147. Madonna True Blue – Switzerland Swiss Music Charts Hung Medien. Visitado em 9 de abril de 2009.
  148. Austriancharts.at – Bestenlisten – 80-er album (em alemão) Hung Medien. Visitado em 18 de abril de 2012.
  149. UK decade 80s everyhit.com. Visitado em 18 de abril de 2012.
  150. Certificações (Argentina) – Madonna – True Blue (em castelhano) Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  151. Discos de Oro y Platino (em espanhol) Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas. Visitado em 16 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011.
  152. Certificações (Finlândia) – Madonna (em finlandês) Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Finlândia). Visitado em 16 de outubro de 2012.
  153. Certificações (França) (álbum) (em francês) InfoDisc. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  154. IFPI HK Gold Disc Award - 1989 (em chinês) Federação Internacional da Indústria Fonográfica IFPI HK. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  155. Certificações (Itália) (álbum) (PDF) (em italiano) Federazione Industria Musicale Italiana. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  156. Castelli, Luca. True Blue alla canadese (em italiano) La Stampa. Visitado em 21 de junho de 2012.
  157. Certificações (México) (álbum) – Madonna – True Blue (em castelhano) Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  158. Latest Gold/Platinum Albums Recording Industry Association of New Zealand Radioscope (17 de julho de 2011). Visitado em 16 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 24 de julho de 2011.
  159. Dutch Albums Certifications - Madonna - True Blue (em holandês) Nederlandse Vereniging van Producenten en Importeur van beeld- en geluidsdragers NVPI. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  160. Certificações (Reino Unido) – True Blue (em inglês) British Phonographic Industry. Visitado em 16 de outubro de 2012.
  161. (1986) Créditos do álbum True Blue por Madonna [CD, fita cassete, vinil, download digital]. Sire Records/Warner Bros. Records (925442-2).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]