Unidade Popular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Logotipo da Unidade Popular.
Selo alemão oriental em apoio aos partidários de Salvador Allende (1908–1978) após o golpe de 1973.

A Unidade Popular (UP) foi uma coalizão partidária de esquerda formada para a eleição presidencial chilena de 1970, que governou o país entre 1970 e 1973, sob a liderança do presidente Salvador Allende, morto durante o golpe de estado de 1973.

Sucessora da Frente de Ação Popular, a UP era uma frente democrática anti-imperialista e antioligárquica composta por várias tendências da esquerda chilena: Partido Socialista, Partido Comunista, Partido Radical, Partido Social Democrata e o Movimento de Ação Popular Unitária. A coalizão defendia o que foi chamado de via chilena para o socialismo. Essa proposta, concebida por Allende, objetivava a construção de uma sociedade mais justa e menos desigual, baseado no paradigma do socialismo, que seria atingido através da democracia.

A estratégia da UP de construção do socialismo a partir do estado burguês, com respeito às liberdades individuais, à liberdade de imprensa, e aos preceitos constitucionais então vigentes tropeçou em uma série de dificuldades, tais como a falta de um poder militar próprio para defender o governo no contexto da Guerra Fria, que provocou uma violenta intervenção dos Estados Unidos na política interna do Chile e acabou levando as Forças Armadas a abandonar a Constituição e a defender a ordem imperialista então vigente. Para isso, e a pretexto de "salvar a democracia", destituíram o governo representado pela UP através de um sangrento golpe de estado, concebido por membros do serviço de inteligência estadunidense e liderado pelo general Augusto Pinochet, que seria chefe de Estado por 23 anos e chefe das Forças Armadas (nomeado por Allende) por 25 anos.

Cquote1.svg Só poderia haver uma coisa pior do que um marxista no poder: um marxista eleito no poder. Cquote2.svg
William Blum, Killing Hope, p. 216

A falta de um projeto ideológico consistente, que pudesse fundamentar e definir uma nova legitimidade ao governo popular, as divergências entre os diversos setores de esquerda com relação à tática mais adequada para a construção do socialismo e sobretudo a maciça intervenção norte-americana puseram fim à opção política de construção do socialismo a partir de um estado burguês de forma pacífica e democrática. Politicamente, a UP conquistara apenas uma parte do poder - o Executivo, e cerca de 42% do Legislativo, enquanto o Judiciário, as Forças Armadas e o mercado interno permaneceram sob forte influência estadunidense e dominação burguesa, e se organizaram unidas contra a UP, com o apoio da CIA, de cerca de 70% da mídia escrita, falada e televisada chilena, que recebia dinheiro do serviço secreto de inteligência estadunidense e de algumas organizações paramilitares terroristas, como a Patria y Libertad, para fazer propaganda negra contra a UP.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BLUM, Williams. Killing Hope: U. S. Military and CIA Interventions Since World War II - Part I, Londres: Zed Books, 2003, ISBN 1842773690. O download pode ser feito gratuitamente em www.4shared.com/file/64730175/796edf6/William_Blum_-_Killing_Hope_-_US_Military_And_CIA_Interventions_Since_WW2_-.html
  • PETRAS, James F. e MORLEY, Morris H. How Allende fell: A study in U.S.–Chilean relations, Nottingham: Spokesman Books, 1974.
  • SENATE REPORT: Covert Action in Chile, 1963-1973, um relatório dos membros do Comitê Selecionado para Estudar as Operações Governamentais Relativas às Operações de Inteligência, Senado dos Estados Unidos, 18 de dezembro de 1975. (Mencionada nas referências simplesmente como SENATE REPORT)
  • ASSASSINATION REPORT: Interim Report: Alledged Assassination Plots Involving Foreign Leaders, um relatório dos membros do Comitê Selecionado para Estudar as Operações Governamentais Relativas às Operações de Inteligência, Senado dos Estados Unidos, 20 de novembro de 1975. (Mencionada nas referências simplesmente como ASSASSINATION REPORT)