Vinaya Pitaka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cânone Páli

    Vinaya Pitaka    
   
                                       
SV. Khandhaka Vin V
               
   
    Sutta Pitaka    
   
                                                 
DN MN SN AN KN
                                                 
   
    Abhidhamma Pitaka    
   
                                                           
Dhs. Vbh. Dhk.
Pug.
Kvu. Yam. Patthana
                       
   


Portal A Wikipédia possui o
Portal do Budismo

O Vinaya Piṭaka é um texto budista, uma das três partes do Tripitaka. Seu assunto principal são as regras monásticas para monges e monjas. O nome Vinaya Pitaka (vinayapitaka) é o mesmo em páli, sânscrito, e outros dialetos usados nos textos antigos do Budismo na Índia, e significa cesto da disciplina.[1]

O Vinaya Piṭaka é formado por três partes:[2]

  • Suttavibhanga contém as 227 regras que são recitadas quinzenalmente pelos monges.
  • Khandhaka contém as regras que regem as questões administrativas da sangha monástica.
  • Parivara, é uma sistematização das regras.

O Vinaya parte de regras originariamente estabelecidas pelo próprio Buddha.

Adhikaranasamathas[editar | editar código-fonte]

Há sete princípios para se acabar com um conflito:

  1. Debate, pode-se colocar o litígio em discussão;
  2. Reputação, o histórico das circunstâncias e dos envolvidos podem ser decisivos;
  3. Insanidade, a sangha, comunidade de budistas, pode atestar que o possível culpado não seja coerente em geral;
  4. Admissão, o culpado pode confessar que errou e aceitar as consequências sobre si;
  5. Deliberação, a comunidade pode resolver o litígio por votação e decisão da maioria;
  6. Índole, a comunidade pode declarar que o culpado tenha má vontade;
  7. Desistência, os incomodados com o litígio podem decidir que não vale mais a pena discutir a questão.

Cinco votos[editar | editar código-fonte]

Há cinco ações que não devem ser cometidas:

  1. Matar;
  2. Roubar;
  3. Praticar sexo impróprio[nota 1] ;
  4. Mentir;
  5. Usar tóxicos que alteram a mente.

Dez votos[editar | editar código-fonte]

Há dez ações que não devem ser cometidas:

Com o corpo:

  • Matar;
  • Roubar;
  • Praticar sexo impróprio[nota 2] ;

Com a fala:

  • Mentir;
  • Separar colegas;
  • Ser grosseiro;
  • Praticar vã tagarelice.

Com a mente:

  • Cobiçar;
  • Maliciar;
  • Ver erroneamente.

As ações posteriores de corpo e fala são consideradas mais graves que as anteriores, coma mente está invertido, isto é, ter visões errôneas é considerado uma ação pior que cobiçar.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Davids, T. W. Rhys, Oldenberg, Hermann (joint tr): Vinaya texts, Oxford, The Clarendon press 1881. Vol.1 Vol.2 Vol.3 Internet Archive

Notas

  1. Segundo o Lam Rim Chen Mo de Je Lama Tsong Khapa do século XIV é considerado sexo impróprio o uso de orifícios que não sejam a vagina e o uso de mãos em movimento.
  2. Idem.

Referências

  1. O Cesto do Vinaya Acesso ao Insight. Visitado em 10 de novembro de 2014.
  2. Vinaya Pitaka Estudos Buddhistas Nalanda.. Visitado em 10 de novembro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Budismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.