Saltar para o conteúdo

Árvore sepulcral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Árvore sepulcral Inuit, Leaf River, Quebec, ca. 1924-1936

Uma árvore sepulcral é uma árvore ou estrutura simples utilizados para apoiar cadáveres ou caixões. Elas foram comuns entre os balineses, os nagas, certos aborígenes australianos, e alguns povos nativos da América do Norte.[1]

Povos nativos da América do Norte

[editar | editar código-fonte]

Árvores como sepulcro

[editar | editar código-fonte]

Vários povos nativos americanos usavam árvores sepulcrais como o último lugar de descanso para um parente morto, como regra geral (junto com uma estrutura) ou como uma alternativa para os túmulos.[2]:87[3]:99

O corpo era embrulhado cuidadosamente em um manto ou em cobertores e colocado em uma bifurcação dos galhos[4]:67 ou amarrados a um galho pesado e forte.[5]:83 Tanto adultos quanto crianças pequenas foram colocados para jazer desta forma.[6]:83 e 385 Uma árvore sepulcral pode levar mais do que um morto.[6]:112 Maximilian zu Wied viu árvores sepulcrais com o tronco e os galhos pintados de vermelho entre o povo assiniboine.[7]:45-46 Parece que que não havia preferência por determinadas espécies de árvore. O algodoeiro(Celtis conferta subsp. amblyphylla)[6]:112 é mencionado pelos viajantes nas grandes planícies, bem como o pinho[6]:83 e o cedro.[8]:69 Os mortos podiam ser colocados a partir de cerca de dois metros na árvore até perto do topo.[6]:112 Alguns dos pertences do falecido eram, muitas vezes colocados perto de seu corpo.

Outras estruturas

[editar | editar código-fonte]

Às vezes usavam-se estruturas similares a andaimes, nas quais o corpo era deixado em lugar alto, a salvo de lobos, muitas vezes no topo de colinas.[6]:83 Tal como o uso em árvores, muitas vezes certos pertences do falecido eram deixados perto de seu corpo ou em volta da estrutura.[9]:87

Razões para sepultamentos em árvores e em estruturas

[editar | editar código-fonte]

Durante o inverno, os indígenas da tribo Ponca muitas vezes, substituíam uma sepultura por estruturas altas em função de o chão estar congelado.[10]:155 Um Lakota resumiu as razões pelas quais uma alta de andaime superou um túmulo "(1) Animais ou pessoas podem andar sobre as sepulturas; (2) os mortos poderiam ficar na lama e na água após a chuva ou a neve; (3) os lobos podem desenterrar os corpos e devorá-los".[11]:486 Com os mortos colocado em um andaime ou em uma árvore, os parentes podiam facilmente falar com o falecido.[12]:571

Referências

  1. «Tree burial | funeral custom | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2024 
  2. Madeira, W. Raymond e Thomas D. Thiessen (1987): Early Fur Trade on the Northern Plains. Canadian Traders Among the Mandan and Hidatsa Indians, 1738-1818. Norman and London.
  3. Bowers, Alfred W.(1991): Mandan Social and Ceremonial Organization. De Moscow.
  4. Lowie, Robert H. (1983): The Crow Indians. Lincoln and London.
  5. Doyle, Susan B. (2000): Journeys to the Land of Gold. Emigrant Diaries from the Bozeman Trail. 1863-1866, Helena.
  6. a b c d e f Doyle, Susan B. (2000): Journeys to the Land of Gold. Emigrant Diaries from the Bozeman Trail, 1863-1866. Helena.
  7. Bushnell Jr., D. I. (1927): Burials of the Algonquian, Siouan and Caddoan Tribes West of the Mississippi. Smithsonian Institution. Bureau of American Ethnology. Bulletin 83. Washington.
  8. Unrau, William E. (1990): Tending the Talking Wire. A Buck Soldier's View of Indian Country, 1863-1866. Salt Lake City.
  9. Wood, W. Raymond and Thomas D. Thiessen (1987): Early Fur Trade on the Northern Plains. Canadian Traders Among the Mandan and Hidatsa Indians, 1738-1818. Norman and London.
  10. Howard, J. H (1965): The Ponca Tribe. Smithsonian Institution. Bureau of American Ethnology. Bulletin 195. Washington..
  11. Dorsey, J. O (1894): A Study of Siouan Cults. Smithsonian Institution. 11th Annual Report of the Bureau of Ethnology. 1889-'90. Washington..
  12. Denig, E. T. (1930): The Assiniboine. Smithsonian Institution. 46th Annual Report of the Bureau of American Ethnology. 1928-'29. Washington..

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]

Media relacionados com Árvore sepulcral no Wikimedia Commons