Índice ORAC

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Índice ORAC (acrónimo para "Oxygen Radical Absorbance Capacity", ou capacidade de absorção dos radicais oxigenados) foi um método de quantificação das capacidades antioxidantes nas amostras biológicas in vitro.[1][2]

O método consiste na medida do decaimento da fluorescência das proteínas, como consequência da perda de sua conformidade ao sofrer dano oxidativo. Utiliza como molécula alvo dos radicais livres de oxigénio as ficobiliproteínas ß-ficoeritrinas ou R-ficoeritrina (PE), altamente fluorescentes, que contêm um pigmento vermelho fotorreceptor (34 grupos [prostéticos tetrapirrólicos unidos covalentemente). Foi testada uma imensa variedade de alimentos recorrendo a esta metodologia, tendo as especiarias, frutas e legumes obtido os resultados mais elevados.[3]

Em 2012, na falta de evidências fisiológicas in vivo que suportem a teoria dos radicais livres, o ORAC foi revogado na ausência de correlação entre os resultados dos ensaios e a actividade biológica.[4][5] Existem métodos alternativos como o reagente de Folin-Ciocalteu e o ensaio de actividade antioxidante Trolox.

Referências

  1. Cao G, Alessio H, Cutler R (1993). «Oxygen-radical absorbance capacity assay for antioxidants». Free Radic Biol Med. 14 (3): 303–11. PMID 8458588. doi:10.1016/0891-5849(93)90027-R 
  2. Ou B, Hampsch-Woodill M, Prior R (2001). «Development and validation of an improved oxygen radical absorbance capacity assay using fluorescein as the fluorescent probe». J Agric Food Chem. 49 (10): 4619–26. PMID 11599998. doi:10.1021/jf010586o 
  3. [1] Oxygen Radical Absorbance Capacity of Selected Foods - 2007; Nutrient Data Laboratory, Agricultural Research Service, United States Department of Agriculture, November 2007
  4. «Withdrawn: Oxygen Radical Absorbance Capacity (ORAC) of Selected Foods, Release 2 (2010)». United States Department of Agriculture, Agricultural Research Service. 16 de maio de 2012. Consultado em 13 de junho de 2012. 
  5. Gross, P (2009). «New Roles for Polyphenols. A 3-Part report on Current Regulations & the State of Science». Nutraceuticals World. Rodman Media. Consultado em 11 de abril de 2013.