7 Year Bitch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Novembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
7 Year Bitch
Seattle - Pain in the Grass - 1995 - 7 Year Bitch 01.jpg
7 Year Bitch em apresentação no ano de 1995
Informação geral
Origem Seattle, Washington
País  Estados Unidos
Gênero(s) Punk rock, riot grrrl, grunge
Período em atividade 1990–1997
Gravadora(s) Man's Ruin Records, C/Z Records, Atlantic Records
Integrantes Selene Vigil
Stefanie Sargent
LeeAnn Rose
Elizabeth Davis
Valerie Agnew
Roisin Dunne
Lisa Faye Beatty

7 Year Bitch foi uma banda grunge americana de Seattle, Washington, que esteve ativa entre 1990 e 1997.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carreira[editar | editar código-fonte]

A banda foi formada em 1990 por Selene Vigil (vocal), Stefanie Sargent (guitarra), Elizabeth Davis (baixo) e Valerie Agnew (bateria). Anteriormente, Vigil, Sargen e Agnew faziam parte de uma banda chamada Barbie's Dream Car, e quando sua baixista mudou-se para a Europa, elas convidaram Davis para juntar-se a elas. O nome da banda foi inspirado pelo filme "Seven Year Itch".

Em seu primeiro show, a banda abriu para The Gits, uma de suas grandes influências. Em 1991, lançaram seu primeiro single, "Lorna", e assinaram com a gravadora C/Z Records. O primeiro álbum, Sick 'Em, foi lançado em 1992, mas fez pouco sucesso devido a morte de Stefanie Sargent em 27 de junho.[2] Sargent desmaiou após retornar de uma festa onde havia ingerido álcool e tomado uma pequena dose de heroína. Ela morreu de asfixia após vomitar.[3] Após um tempo de indecisão, a banda resolveu continuar, convidando Roisin Dunne para ser a nova guitarrista.

Em julho de 1993, Mia Zapata, amiga da banda, foi brutalmente estuprada e assassinada no caminho de casa.[4] Esse evento, seguido da morte de Stefanie Sargent no ano interior, teve um profundo impacto no grupo. Como reação, a banda gravou e lançou seu segundo ábum, ¡Viva Zapata! (1994) em homenagem as duas amigas.[5] Valerie Agnew tornou-se a co-fundadora de uma organização anti-violênia chamada Home Alive.[6] [7] [8] Em 8 de abril de 1994, a banda tocou em um show beneficente da organização Rock Against Domestic Violence (rock contra violência doméstica) em Miami Beach, ao lado de Babes in Toyland e Jack Off Jill.[9]

Em 1995, a banda assinou com a gravadora Antlatic Records, e em 1996, lançaram seu terceiro álbum, Gato Negro.[10] Após a turnê de divulgação do álbum, Roisin Dunne deixou a banda e foi substituída por Lisa Faye Beatty, engenheira de som e amiga da banda.

Separação[editar | editar código-fonte]

No início de 1997, a banda começou a gravar material para o que viria a ser seu quarto álbum de estúdio. A banda se mudou de Seattle para Califórnia: Elizabeth Davis e Valerie Agnew para São Francisco e Selene Vigil para Los Angeles. Com a recente saída de Roisin Dunne e distância entre os membros, a banda acabou depois de uma turnê de despedida ao lado da banda Lost Goat.

Elizabeth Davis entrou na banda Clone, de qual fez parte até 2003. Em 2005, se juntou à banda Von Iva.[11] A vocalista Selene Vigil formou uma banda com o nome Cistine, em 2000; Mais tarde, lançou um álbum solo, That Was Then, em 2010. Roisin Dunne entrou em uma banda chamada The Last Goodbye em 2006 e atualmente mora em Nova York.

Membros[editar | editar código-fonte]

  • Selene Vigil – vocal;
  • Stefanie Sargent – guitarra (1990–1992; faleceu em 27 de junho de 1992);
  • Elizabeth Davis – baixo;
  • Valerie Agnew – bateria;
  • Roisin Dunne – guitarra (1992–1996);
  • Lisa Faye Betty – guitarra (1997)

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Sick 'Em (1992)
  • ¡Viva Zapata! (1994)
  • Gato Negro (1996).

Singles/EPs[editar | editar código-fonte]

  • "Lorna" b/w "No Fucking War," "You Smell Lonely" (Rathouse/Face The Music Records), (1991).
  • Antidisestablishmentarianism EP (Rugger Bugger Records), (1992).
  • 7 Year Bitch/Thatcher On Acid-"Can We Laugh Now?"/"No Fucking War" (Clawfist Records), (1992).
  • 7 Year Bitch EP (C/Z Records, (1992).
  • "Rock-A-Bye Baby" b/w "Wide Open Trap" (C/Z Records), (1994).
  • "The History Of My Future" b/w "24,900 Miles Per Hour" (promo only) (Atlantic Records, (1996).
  • "24,900 Miles Per Hour" (Atlantic Records), (1996).
  • "Miss Understood" b/w "Go!" (Man's Ruin Records), (1996).

Vídeos[editar | editar código-fonte]

  • "In Lust You Trust" (1992)
  • "Hip Like Junk" (1994)
  • "24,900 Miles Per Hour" (1996)
Flag of the United States.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical dos Estados Unidos, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre 7 Year Bitch
  1. White, Emily. Dead Again. Spin Magazine. August 1995.
  2. Simmonds, Jeremy. The Encyclopedia of Dead Rock Stars: Heroin, Handguns, and Ham Sandwiches. Chicago Review Press. 2008.
  3. Prato,Greg. Grunge is Dead: The Oral History of Seattle Rock Music. (Toronto: ECW Press, 2009), 359-360.
  4. Muscio, Inga. Cunt: a declaration of independence. Seal Press. 2002.
  5. Stovall, Natasha. Platter du Jour. Spin Magazine. September 1994.
  6. History, Home Alive site.
  7. Cynthia Rose, Safety and Violence Hot Topics on Celebrity-Packed CD, on state51.co.uk.
  8. Fabula magazine interview with 7 Year Bitch. Archived 2009-10-22.
  9. Baker, Greg. [1] "The Hits Just Keep on Coming" Miami New Times, April 06, 1994.
  10. Clow, Aaron. Best New Music. CMJ New Music Monthly. May 1996.
  11. Hasty, Kate.Music Underground. Billboard. November 22, 2008.