A luta continua

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

A luta continua foi um grito de guerra usado pela Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) durante a guerra que levou à independência do país, em 1975.

Origem[editar | editar código-fonte]

A primeira ocorrência da frase parece ser um discurso de Eduardo Mondlane, líder revolucionário e ideólogo da nação moçambicana, em 1967: "Não há antagonismo entre as realidades da existência de vários grupos étnicos e a Unidade Nacional. Nós lutamos juntos, e juntos reconstruímos e recriamos o nosso país, produzindo uma nova realidade – um Novo Moçambique, Unido e Livre. A luta continua!"[1].

Em 1974, a frase foi título de um livro[2], da editora portuguesa Afrontamento, que reunia discursos de Samora Machel, também líder da FRELIMO e primeiro presidente de Moçambique.

Usos posteriores[editar | editar código-fonte]

Artes e cultura[editar | editar código-fonte]

"A luta continua" virou título de discos de artistas como o grupo português Ena Pá 2000 e o músico jamaicano Big Youth. Também é o título de uma música gravada pela cantora e ativista sul-africana Miriam Makeba.

O diretor de cinema estadunidense Jonathan Demme usou a frase para encerrar ao menos quatro de seus filmes, entre eles os conhecidos Philadelfia, de 1993, e O Silêncio dos Inocentes, de 1991.

Militância política[editar | editar código-fonte]

Movimento LGBT de Uganda[editar | editar código-fonte]

"A luta continua" tem sido usada como grito de guerra do movimento LGBT de Uganda, país que vem sofrendo com o aumento da homofobia. Em 2011, a frase foi estampada em camisetas para o funeral do ativista David Kato, um dos principais líderes do movimento LGBT na África, assassinado por ser homossexual e militante pelos Direitos Humanos. Por esse motivo, a frase aparece várias vezes no documentário Meu nome é Kuchu[3], de 2012.

Referências

  1. Silva, Nilce da (março–agosto de 2009). «Eduardo Chivambo Mondlane no século XXI: e a luta continua!» (PDF). Acolhendo a alfabetização nos países de língua portuguesa. 6: 14–68. Consultado em 16 de novembro de 2012. 
  2. http://books.google.com.br/books/about/A_luta_continua.html?id=MUMMAQAAIAAJ&redir_esc=y
  3. http://callmekuchu.com