Abadia de San Pedro el Viejo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
San Pedro el Viejo. Claustro (s. XII)

A Abadia de San Pedro el Viejo (em castelhano: Monasterio de San Pedro el Viejo) é um antigo mosteiro beneditino na cidade velha de Huesca, Aragão, Espanha .

História[editar | editar código-fonte]

A actual estrutura românica foi construída pelos beneditinos no século XII. O nome "San Pedro el Viejo", ou "São Pedro o Velho", refere-se ao facto de o edifício do mosteiro visigótico que lhes foi atribuído ser anterior à ocupação mourisca.

O local agora consiste principalmente nos claustros e na igreja. É monumento nacional desde 1886 e é um dos edifícios mais importantes da arquitectura românica de Aragão.[1]

A abadia comemorou o 900º aniversário de sua construção em 2017.[2]

A antiga sala do capítulo é, desde o século XIII, a Capela de San Benito ou Panteão Real (Panteón Real) e contém os túmulos de dois reis de Aragão : Alfonso I, o Lutador, e o seu irmão e sucessor Ramiro II, o Monge.[2]

Na cultura[editar | editar código-fonte]

O romance de Javier Sierra, O Fogo Invisível ("El fuego invisível"), que ganhou o Prémio Planeta de Novela, apresentou San Pedro el Viejo com destaque.[3]

Referências

  1. «San Pedro el Viejo Church». Spain.info. Consultado em 13 de agosto de 2018 
  2. a b «El monasterio de San Pedro el Viejo de Huesca viaja por el túnel del tiempo». Heraldo de Aragón (em espanhol). 8 de agosto de 2017. Consultado em 13 de agosto de 2018 
  3. ««Es casi una obligación contar leyendas de San Pedro El Viejo»». El Periódico de Aragón (em espanhol). 23 de janeiro de 2018. Consultado em 13 de agosto de 2018