Ad hoc

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ad hoc é uma expressão latina cuja tradução literal é "para isto" ou "para esta finalidade".

É geralmente empregada sobretudo em contexto jurídico, também no sentido de "para um fim específico". Exemplo: um advogado "ad hoc" (nomeado apenas para um determinado ato jurídico).

Em engenharia de software, a expressão ad hoc é utilizada para designar ciclos completos de construção de softwares que não foram devidamente projectados em razão da necessidade de atender a uma demanda específica do usuário, ligada a prazo, qualidade ou custo. A expressão também é citada no nível 1 do CMMI, quando a coleta de dados para indicadores é feita ad hoc, ou seja, para resolver determinado problema ou realizar uma tarefa específica.

Modelos informais utilizados pelo desenvolvedor de software costumam ser ad hoc, como rabiscar uma idéia para obter maior clareza e simplificação da realidade. Porém, esses modelos não oferecem uma linguagem básica que possa ser compartilhada com outras pessoas facilmente.

No meio acadêmico, o revisor "ad hoc" é o pesquisador que executa a revisão de um trabalho científico submetido para publicação em um Periódico ou Revista Científica sem, contudo, participar como membro permanente do Corpo Editorial ou de Revisores.

Hipótese ad hoc[editar | editar código-fonte]

Em ciência e filosofia, ad hoc significa a adição de hipótese(s) estranha(s) a uma teoria para salvá-la de ser falseada. Hipóteses ad hoc compensam anomalias não previstas pelas teorias em sua forma original, ainda não modificada. Cientistas são frequentemente céticos sobre teorias que as apresentam frequentemente, não suportando ajustes para sustentá-las. Hipóteses Ad hoc são frequentemente características de pseudocientistas.1 Muito da produção científica reside sobre a modificação de hipóteses existentes ou teorias mas estas modificações são distintas de hipóteses ad hoc no que as anomalias são explicadas propondo um novo significado daquilo que é real e observável.

Entretanto hipóteses ad hoc não são necessariamente incorretas. Um interessante exemplo de uma aparentemente hipótese ad hoc apoiada pelas evidências foi a adição por Albert Einstein de uma constante cosmológica à relatividade geral de maneira a permitir um universo estático, não expansivo. Embora ele posteriormente tenha referido-se a isto como "seu maior erro", ela tem sido considerada como sendo correspondente às teorias de energia escura.2

Uma teoria científica que sofre muitas críticas por usar demasiado número de hipóteses ad hoc é a teoria das cordas, assim como a teoria em cosmologia conhecida popularmente como multiverso.3 4

Um filósofo da ciência que defendia o uso de hipóteses ad hoc é Paul Feyerabend.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. hipóteses ad hoc - The Skeptic's Dictionary - www.skepdic.com
  2. Einstein's Biggest Blunder? Dark Energy May Be Consistent With Cosmological Constant; Texas A&M University; ScienceDaily; 28 November 2007 (em inglês)
  3. The String Theory Backlash - blogs.discovermagazine.com (em inglês)
  4. Jim Holt; Unstrung - In string theory, beauty is truth, truth beauty. Is that really all we need to know? www.newyorker.com (em inglês)

Ver também[editar | editar código-fonte]