Alfabetização midiática

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A alfabetização midiática (ou Letramento Midiático) tem como objetivo empoderar as pessoas dando competências de conhecimento, habilidades e atitudes necessárias para dedicar a mídia tradicional com as novas tecnologias, somando os seguintes critérios ou resultados de aprendizagem, entender o papel e as funções da mídia nas sociedades democráticas; entender a condição sob a qual a mídia pode exercer suas funções; fazer uma avaliação de forma crítica os conteúdos de mídia.[1][2] Com a alfabetização mediática, pretende-se que os alunos desenvolvam uma compreensão fundamentada e crítica da natureza dos meios de comunicação, as técnicas que utilizam e os efeitos que essas técnicas produzem. Mais especificamente, trata-se de uma educação que visa aumentar a compreensão e o aproveitamento dos alunos ao estudar como os meios de comunicação funcionam, como eles criam significado, como são organizados e como eles constroem sua própria realidade. A alfabetização midiática também visa desenvolver nos alunos a capacidade de criar produtos de mídia.[3]

A UNESCO, pioneira em ações para a promoção da alfabetização midiática ao redor do mundo[4], defende a integração da educação em mídia e da Alfabetização Informacional, formando o conceito de Alfabetização Midiática e Informacional, definido como a capacidade do pensamento crítico para receber e elaborar produtos de mídia. Isto implica conhecimento de valores pessoais e sociais e das responsabilidades derivadas do uso ético da informação, bem como a participação no diálogo cultural e a preservação da autonomia em um contexto com possíveis e dificilmente detectáveis ameaças à autonomia. A alfabetização midiática e informacional se concentra em cinco possíveis competências básicas: compreensão, pensamento crítico, criatividade, consciência intercultural e cidadania[5]. Muitos pesquisadores e estudantes universitários consideram importante conhecer os riscos da Internet e da mídia, seu uso responsável e as possibilidades de acessar e fazer uso da informação de forma pessoal, social e profissional[6].

Notas e Referências

  1. «Alfabetização midiática e informacional (AMI)». unesco.org. Consultado em 14 de março de 2017 
  2. «Especialistas defendem inclusão de 'alfabetização midiática' nas escolas». senado.leg.br. Consultado em 14 de março de 2017 
  3. Gutiérrez-Martín, Alfonso; Tyner, Kathleen (2012). «Media Education, Media Literacy and Digital Competence». Comunicar (em espanhol). 19 (38): 31–39. ISSN 1134-3478. doi:10.3916/c38-2012-02-03 
  4. Wilson, Carolyn (2012). «Media and Information Literacy: Pedagogy and Possibilities». Comunicar (em espanhol). 20 (39): 15–24. ISSN 1134-3478. doi:10.3916/c39-2012-02-01 
  5. Gutiérrez-Martín, Alfonso; Tyner, Kathleen (2012). «Media Education, Media Literacy and Digital Competence». Comunicar (em espanhol). 19 (38): 31–39. ISSN 1134-3478. doi:10.3916/c38-2012-02-03 
  6. Álvarez-Arregui, Emilio; Rodríguez-Martín, Alejandro; Madrigal-Maldonado, Rafael; Grossi-Sampedro, Beatriz-Ángeles; Arreguit, Xavier (2017). «Ecosystems of Media Training and Competence: International Assessment of Its Implementation in Higher Education». Comunicar (em espanhol). 25 (51). ISSN 1134-3478. doi:10.3916/c51-2017-10 
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.