Alpes Escandinavos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alpes Escandinavos
Skandinaviska fjällkedjan
Skandinaviske fjellkjede
Skandit
A montanha Galdhøpiggen, vista da Noruega
Localização
Continente Europa
Região Escandinávia e Finlândia
Características
Cumes mais altos Galdhøpiggen, 2469 m
Comprimento 1 700 km
Largura máxima 320 km
Mapa dos Alpes Escandinavos
Mapa dos Alpes Escandinavos
Mapa geológico da Fenoscândia
A verde - A região dos Alpes Escandinavos.
A montanha Galdhøpiggen, a mais alta dos Alpes Escandinavos

Os Alpes Escandinavos são uma grande cordilheira de montanhas que atravessa quase toda a Península da Escandinávia de norte a sul, do Cabo Norte a Stavanger, numa extensão de 1 700 km. É conhecida na Suécia como Skandinaviska fjällkedjan, Skanderna eller Fjällen, na Noruega como Skandinaviske fjellkjede, e na Finlândia como Skandit.
Devido à sua elevada idade, não são relevos especialmente altos, e os seus cumes são achatados. Entre os pontos mais elevados estão Glittertind (2465 m) e Galdhøpiggen (2469 m) na Noruega, Kebnekaise (2104 m) na Suécia, e Halti (1324 m) na Finlândia.[1][2][3]

Panorama dos Alpes Escandinavos.

O clima da cordilheira é muito assimétrico. Nas vertentes oeste, é do tipo oceânico, com temperaturas muito suaves dada a alta latitude e forte precipitação, enquanto a parte oriental apresenta clima continental. Este clima permite a persistência nas vertentes a oeste de um grande número de glaciares, alguns dos quais os maiores da Europa continental, como o Jostedalsbreen. Estas diferenças de clima afetam também fortemente a vegetação, com ricas florestas húmidas de latifoliada e coníferas nas vertentes ocidentais, contranstando com a taiga mais pobre do lado oriental. A tundra alpina é caracterizada por florestas de Betula pubescens de nível subalpino. É o meio mais bem preservado da cordilheira, tendo em particular um grande número de parques nacionais e reservas naturais.

A cadeia é povoada desde o retrocesso dos glaciares há uns 10000 anos. Os primeiros habitantes viviam essencialmente da caça à rena. A sul, com a chegada dos indo-europeus e sua cultura, começou a agricultura e a pecuária, com um modo de transumância. Os povos do norte da cordilheira, os lapões, ficaram muito ligados às renas, tanto que substituíram a caça pela criação destes animais. Com a formação das nações escandinavas por volta do ano 1000, as vias de comunicação começaram a desenvolver-se através das montanhas. A exploração mineira de metais também fixou populações. Só nos séculos XVIII e XIX é que a cordilheira foi totalmente conhecida e cartografada.

Montanhas mais altas na Noruega[editar | editar código-fonte]

Montanhas mais altas na Suécia[editar | editar código-fonte]

Montanhas mais altas na Finlândia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Svein Askheim. «Den skandinaviske fjellkjede» (em norueguês). Store norske leksikon - Grande Enciclopédia Norueguesa. Consultado em 21 de julho de 2015. 
  2. «Skandinaviska fjällkedjan» (em sueco). Nationalencyklopedin – Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 6 de janeiro de 2018. 
  3. «Berggrund och ytformer» (em sueco). Uppslagsverket Finland - Enciclopédia Finlândia. Consultado em 6 de janeiro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre geografia da Europa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.