Análise de Inteligência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Análise de Inteligência é o processo da análise de informações obtidas através de atividades de Inteligência[1] [2] . Os resultados da análise de Inteligência são usados para desenvolver previsões de comportamento ou de ações recomendadas a serem adotadas pelas lideranças de uma organização, país ou indústria.

A análise de Inteligência se desenvolve usando uma ampla gama de fontes de informação disponíveis, obtidas tanto abertamente como por meio de espionagem e avalia informações para responder às necessidades estabelecidas pelos que possuem poder de decisão e liderança, a fim de auxiliar na tomada de decisão. Análise de inteligência pode ser feita pelo Estado, por militares ou por organizações privadas como indústrias e corporações.

Não confundir análise de Inteligência com Inteligência Operacional, um campo relativamente novo que dá às organizações a capacidade de tomar decisões e agir imediatamente usando dados resultantes de análise de inteligência, obtidos por meio de ações manuais ou automatizadas.

A análise de Inteligência faz parte das atividades de inteligência. Na definição adotada pela Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), Atividade de Inteligência é[3] :

"o exercício sistemático de ações especializadas, orientadas para a produção e difusão de conhecimentos, tendo em vista assessorar as autoridades governamentais, nos respectivos níveis e áreas de atribuição, para o planejamento, execução e acompanhamento das políticas de Estado. Ela engloba, também, a salvaguarda de dados, conhecimentos, áreas, pessoas e meios de interesse da sociedade e do Estado"

Fontes de Informação[editar | editar código-fonte]

A análise de Inteligência, se utiliza das várias fontes de informação disponíveis a cada uma destas instituições ou organizações.Quando são necessária informações adicionais, o analista de inteligência pode decidir pela necessidade de coletar mais informações.

Tipos de análise[editar | editar código-fonte]

A análise de inteligência pode ser corrente, tática ou estratégica. Todas as formas têm por objetivo identificar as forças presentes em um determinado evento e a correlação entre elas.

Por exemplo, O Tratado de Madrid, assinado em 13 de janeiro de 1750 entre os reis de Portugal e da Espanha, foi preparado cuidadosamente a partir da análise de informações sigilosas (Análise de Inteligência), favorecendo as colônias portuguesas em prejuízo aos direitos dos espanhóis. As informações necessárias à análise de Inteligência foram obtidas através de atividades de inteligência. O Tratado foi importante para o Brasil, porque definiu, aproximadamente, o contorno geográfico do Brasil de hoje.[4]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências