Anfímaco (general da Cária)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Anfímaco e Nastes eram dois irmãos, filhos de Nomion, generais da Cária, que participaram da Guerra de Troia ao lado dos troianos. Um deles [Nota 1] usava uma armadura de ouro, como se fosse uma donzela. Ele foi morto por Aquiles, que ficou com o ouro.[1]

Segundo William Smith, Anfímaco é idêntico ao rei citado pelo mitógrafo Conon;[2] Anfímaco, rei de Colofonte, tinha como conselheiro o adivinho Mopso, e estava preparando uma expedição quando Calcas chegou à sua corte. O rei consultou a ambos, Calcas prevendo uma vitória real, e Mopso o desastre. O rei seguiu o conselho de Calcas e foi totalmente derrotado, e Calcas morreu de raiva e vergonha. A versão de Conon sobre a morte de Calcas difere da versão usual, atribuída por Ferecides a Hesíodo,[3] pela qual Calcas e Mopso fizeram uma disputa de adivinhação, e Calcas, derrotado, morreu de desgosto.[4][3]

De acordo com o abade François Sevin, Anfímaco (ou seu pai) foi sucedido por Damaethus, e este, após ter sua filha Syrna curada por Podalírio, fez dele seu genro, dando como dote o Quersonésio da Cária.[5]

Notas e referências

Notas

  1. Homero não diz qual dos dois.

Referências

  1. Homero, Ilíada, Livro II, 866-875 [em linha]
  2. William Smith, A Dictionary of Greek and Roman biography and mythology, Amphimachus (2)
  3. a b Conon (mitógrafo), citado pelo abade Antoine Banier, The Mythology and Fables of the Ancients, Explain'd from History, Volume 4 (1740), p.351 [google books]
  4. «Pseudo-Apolodoro, Biblioteca Histórica, Epítome, 6.4» 🔗. Theoi.com 
  5. François Sevin, Recherches sur l'Historie de Carie, 24 de Juillet de 1733, publicado em Histoire et mémoires de l'Académie des Inscriptions et Belles-Lettres, de 1701 à 1793, p.120 [google books]