Angst

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o álbum da banda Lacrimosa, veja Angst (álbum).

Angst é uma palavra alemã[1], dinamarquesa, norueguesa e holandesa[2] para medo ou ansiedade. É usada para descrever um conflito intenso. O termo Angst diferencia-se da palavra Furcht ("medo" em alemão), que se refere normalmente a uma ameaça material, enquanto Angst normalmente é uma emoção não direcional[3].

Existencialismo[editar | editar código-fonte]

Os filósofos existencialistas usam o termo "angst" com outro significado. Esse outro significado foi primeiramente atribuído ao filósofo dinamarquês Søren Kierkegaard (1813–1855). Em O Conceito da Ansiedade, Kierkegaard usou a palavra Angest para descrever uma profunda condição de insegurança e medo na vida humana[4]. Enquanto que o animal é escravo de seus instintos mas sempre consciente em suas próprias ações, Kierkegaard acreditava que a liberdade inerente às pessoas deixa os humanos em um estado constante de medo no tocante a falhar com suas responsabilidades perante Deus. O conceito de angst para Kierkegaard é considerado um importante trampolim para o existencialismo do Século XX[5]. Enquanto o sentimento de angústia para Kierkegaard é o medo da responsabilidade real de Deus, no uso moderno, a angústia foi ampliada pelos existencialistas para incluir a frustração geral associada com o conflito entre as responsabilidades reais consigo mesmo, seus princípios, e outros (possivelmente incluindo Deus). Martin Heidegger usou o termo de uma forma ligeiramente diferente, relacionando o conceito com a angústia [6].

Artigos relacionados[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ZUDEICK, Peter (3 de dezembro de 2012). «Germans and why they worry about "German Angst"». Deutsche Welle. Consultado em 10 de fevereiro de 2012. 
  2. OKRENT, Arika (3 de agosto de 2016). «How to Tell Whether You've Got Angst, Ennui, or Weltschmerz». Mental Floss. Consultado em 10 de fevereiro de 2018. 
  3. WIERZBICKA, Anna (1999). «Emotions Across Languages and Cultures: Diversity and Universals». Cambridge University Press. p. 128. Consultado em 10 de fevereiro de 2018. 
  4. CLINE, Austin (17 de agosto de 2017). «Angst: Dread, Anxiety, and Anguish». Thought Co. Consultado em 10 de fevereiro de 2018. 
  5. HIBBS, Thomas S. (22 de setembro de 2003). «Angst, American Style». The Claremont Institute. Consultado em 10 de fevereiro de 2018. 
  6. GONÇALVES, Alonso S. «A angústia em Heidegger e a esperança em Moltmann: um diálogo especulativo» (PDF). Revista de Ciberteologia. ISSN 1809-2888. Consultado em 10 de fevereiro de 2018.