Antígona do Epiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Antígona.
Antígona do Epiro
Nascimento Século IV a.C.
Cidadania Macedônia Antiga
Progenitores Mãe:Berenice I
Cônjuge Pirro
Filho(s) Olímpia II de Épiro, Ptolemeu (filho de Pirro)
Irmão(s) Texena, Arsínoe II, Ptolemeu II Filadelfo, Magas de Cirene
Título rainha

Antígona (n. antes de 317 a.C., m. 295 a.C.[1]) foi uma rainha do Epiro, ela era enteada de Ptolemeu I Sóter e esposa de Pirro.

Família[editar | editar código-fonte]

Berenice I, sua mãe, filha de Magas e Antígona,[2] fora casada com um nobre macedônio chamado Filipe, com quem teve pelo menos dois filhos, Magas (futuro Magas de Cirene)[2] e Antígona,[3] e possivelmente uma terceira, Texena.[4]

Quando Ptolomeu I Sóter se casou com Eurídice, filha de Antípatro, Berenice foi junto com Eurídice para o Egipto.[5] Enquanto Ptolomeu I Sóter estava casado com Eurídice, ele tomou Berenice como concubina.[5] Da união de Ptolemeu I Sóter e Berenice nasceram Ptolomeu II Filadelfos,[5] Arsínoe II[2] e Filotera.

Casamento com Pirro, rei do Epiro[editar | editar código-fonte]

Aos dezessete anos, Pirro, rei do Epiro, foi destronado, e Neoptólemo II de Epiro tornou-se rei.[6] Nas guerras entre os diádocos, após a divisão do Império de Alexandre III, tomou parte pelo seu cunhado Demétrio I da Macedónia [7] e lutou a seu lado na Batalha de Ipso [8] (301 a.C.). Em 299 a.C.,[1] tornou-se refém de Ptolomeu I do Egito, num acordo entre este e Demétrio.[8]

Pirro, vendo que, entre as mulheres de Ptolemeu I Sóter, a que tinha mais influência, virtudes e compreensão era Berenice I, passou a agradá-la, e foi escolhido, dentre os vários príncipes, para ser o marido de Antígona, filha de Berenice e Filipe.[3] Pirro e Antígona se casaram em 299 ou 298 a.C.[1]

Rainha do Epiro[editar | editar código-fonte]

Ptolemeu I Sóter ajudou Pirro com dinheiro e armas, enviando-o ao Epiro para retomar o reino.[9] Lá, porém, Pirro fez as pazes com Neoptólemo, e eles passaram a governar juntos.[9]

Neoptólemo, porém, planejou envenenar Pirro;[10] a conspiração foi descoberta por uma mulher de nome Phaenarete,[11] que contou a Antígona, que contou a Pirro.[12] Pirro, então, durante um sacrifício, matou Neoptólemo.[12]

Filhos e morte[editar | editar código-fonte]

Para homenagear Ptolemeu e Berenice, Pirro chamou seu filho com Antígona de Ptolemeu, e uma cidade que ele construiu no Epiro de Berenicis.[13] Possivelmente ela foi a mãe de Olímpia,[1] que se casou com seu irmão, Alexandre, e teve três filhos, Pirro, Ptolemeu e Fítia.[14] Chris Bennett supõe que Olímpia fosse filha de Antígona pelo fato dela ter um filho de nome Ptolemeu, e que Antígona tenha morrido em 295 a.C., no sobreparto.[1]

Após a morte de Antígona, Pirro casou-se várias vezes, fazendo várias alianças.[15] Não há registro de filhos com a filha de Autoleon, rei dos Paeonians, mas Pirro foi o pai de Alexandre com Lanassa, filha de Agátocles de Siracusa e Heleno com Bircena, filha de Bardyllis, o ilírio.[15] Pirro não indicou seu herdeiro, dizendo que seria aquele com a espada mais afiada.[16]

Referências

  1. a b c d e Chris Bennett, Ptolemaic Dinasty, Antigone [em linha]
  2. a b c Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.7.1
  3. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 4.4
  4. Chris Bennett, Ptolemaic Dinasty, Theoxena [em linha]
  5. a b c Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.6.8
  6. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 4.1
  7. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 4.2
  8. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 4.3
  9. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 5.1
  10. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 5.4
  11. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 5.5
  12. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 5.6
  13. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 6.1
  14. Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 28.1 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  15. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 9.1
  16. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 9.2